Displaying items by tag: Número 12

1  E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça.

2  E estava grávida, e com dores de parto, e gritava com ânsias de dar à luz.

 

PARTE 1 - A mulher

 

*** Contexto Geral ***: A primeira metade do livro de Apocalipse lida com os eventos desde a ressurreição de Cristo até o tempo da Sua Segunda Vinda. Nos últimos 73 estudos, cobrimos os primeiros 11 capítulos do livro. Vimos que a Bíblia apresenta a a História do mundo em diferentes ângulos. O foco está no ponto de vista espiritual da História. Estamos agora para iniciar a segunda metade de Apocalipse. Os capítulos 12 a 22 irão nos mostrar o que estava contido no pequeno livro mencionado em Apocalipse 10 (veja estudos #66 a #69 para mais detalhes). O conteúdo do livrinho se concentra no que vai acontecer durante o fim dos tempos. Apocalipse 11:18 nos dá o resumo do que está por vir na segunda metade do livro do Apocalipse: “E iraram-se as nações, e veio a tua ira, e o tempo dos mortos, para que sejam julgados, e o tempo de dares o galardão aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra." Como o Dr. Stefanovic destacou em seu comentário, existem 5 tópicos principais em Apocalipse 11:18 que introduzem o que será discutido em Apocalipse 12 a 22:5:

1) As nações se enfureceram; 2) veio a sua ira; 3) o tempo dos mortos serem julgados; 4) tempo de dar a recompensa aos servos de Deus; 5) tempo para destruir aqueles que destroem a terra. Apocalipse capítulos 12 a 14 lidam com o primeiro tópico “as nações se enfureceram”. Esta ira é refletida na forma como Satanás e seus agentes trabalham para se opor povo de Deus.

*** O primeiro sinal: uma mulher ***: Tanto a primeira quanto a segunda metade do livro de Apocalipse começam incluindo uma palavra que é crucial para a interpretação do livro. Em Apocalipse 12:1, vemos a palavra grega sēmeion, que é o substantivo relacionado com o verbo sémainó (usado em Apocalipse 1:1). O substantivo sēmeion significa um sinal ou uma marca. É um símbolo. Vimos a forma verbal da palavra pela primeira vez em Apocalipse 1:1: “Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo”. A palavra escolhida para traduzir o verbo sémainó foi 'notificou'. Esta palavra é uma pista muito importante sobre a forma como devemos entender todas as imagens contidas na mensagem. As informações estão sendo transmitidas em uma linguagem simbólica. O termo aqui se refere aos eventos extraordinários que estão descritos no capítulo 12.

João começa o capítulo 12 afirmando que ele estava vendo uma cena incomum e de grande impacto: uma mulher excepcional. Muitos cristãos podem pensar que esta mulher é Maria, a mãe de Jesus. Mas como veremos neste estudo, a mulher é o símbolo de um outro elemento, da mesma maneira como o dragão é um símbolo para Satanás (Apocalipse 12:3). Como já discutimos várias vezes durante nossos estudos até agora, em analogias da Bíblia, o termo mulher é usado como um símbolo para a igreja do Antigo ou Novo Testamento (Jeremias 6:2; Isaías 51:16; Isaías 54:5-6; Ezequiel 16:8-14; Oséias 2:14-23; Amós 5:2; Jeremias 3:20; Oséias 1:2; Oséias 2:2-13; Ezequiel 16:15-19; Ezequiel 16:32; 2 Coríntios 11: 2; Efésios 5:25-32; Apocalipse 12:1-6; Apocalipse 19:7-8). Quando a Bíblia fala sobre uma mulher fiel, faz referência à igreja fiel. Da mesma forma, quando fala numa mulher infiel, é uma referência a uma igreja infiel. Isaías 26:17 compara o antigo Israel a uma mulher grávida: “Como a mulher grávida, quando está próxima a sua hora, tem dores de parto, e dá gritos nas suas dores, assim fomos nós diante de ti, ó Senhor!” Miquéias 4:10 também compara o Israel antigo com uma mulher na hora do parto: “Sofre dores, e trabalha, para dar à luz, ó filha de Sião, como a que está de parto, porque agora sairás da cidade, e morarás no campo, e virás até babilônia; ali, porém, serás livrada; ali te remirá o SENHOR da mão de teus inimigos.” (Veja também Isaías 66:7-9; Jeremias 4:31).

Não podemos ignorar o fato de que esse texto sobre a mulher de Apocalipse 12 vem logo após o texto sobre as duas testemunhas. Como vimos nos estudos #72 a #77, as duas testemunhas são um símbolo da Bíblia e da Igreja. Desta forma, a mulher de Apocalipse 12 também está ligada às duas testemunhas, porque as duas testemunhas são a mulher fiel espalhando ativamente o Evangelho. Assim como as duas testemunhas, a mulher de Apocalipse 12 passa por um período de dificuldades que durou 1.260 dias (Apocalipse 11:3; Apocalipse 12:6). Esta é outra indicação de que a mulher de Apocalipse 12 não pode ser uma pessoa real, como Maria, porque a Bíblia nunca menciona tal período na vida de Maria. Além disso, Apocalipse 12:17 diz que, algum tempo depois, o dragão passou a lutar com o remanescente da mulher. Esse verso enfatiza mais ainda a natureza simbólica do termo 'mulher'. Os dois sinais no céu vistos em Apocalipse 12 seguem um padrão: João vê um símbolo, ele descreve o símbolo e a situação em que o símbolo é encontrado:

 

 
Apocalipse 12:1-2
Apocalipse 12:3-4
Um sinal no céu (o símbolo)
Uma mulher
Um dragão vermelho
Descrição
vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e sobre sua cabeça uma coroa de doze estrelas
que tinha sete cabeças e dez chifres e sete coroas sobre as suas cabeças
Situação
grávida, prestes a dar à luz, passando pelas dores do parto
sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu e lançou-as sobre a terra

 

Os cristãos do século 1 estavam familiarizados com a descrição simbólica do povo de Deus como a noiva de Cristo. Esse conceito está presente tanto no Antigo quanto no Novo Testamento: “Porque o teu Criador é o teu marido; o Senhor dos Exércitos é o seu nome; e o Santo de Israel é o teu Redentor; que é chamado o Deus de toda a terra." (Isaías 54:5); “Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós." (Gálatas 4:26). A Igreja é, ao mesmo tempo, a mãe do Messias e Sua noiva. Apocalipse 12 se refere mais especificamente a Israel. Jesus nasceu como um judeu, na tribo de Judá. Jesus veio à Terra como um ser humano, a fim de salvar seu próprio povo e de lhes restaurar ao Pai.

*** O que ela estava vestindo ***: Existem três elementos a respeito da roupa da mulher: o que estava sobre seu corpo, debaixo dos seus pés e sobre sua cabeça. Note que temos aqui a descrição do que ela está vestindo da cabeça aos pés. Ela tem uma roupa completa. Os símbolos usados para descrever sua roupa (o sol, a lua e as estrelas), muitas vezes aparecem juntos na Bíblia. Um exemplo disso é o sonho de José a respeito de seus pais e irmãos (Gênesis 37:9). Outro exemplo é o quarto dia da criação (Gênesis 1:16). A roupa da mulher de Apocalipse 12 reflete aquEle a quem ela considera ser a fonte da verdade e de salvação: Jesus Cristo.

Vestida com o sol: A roupa que a mulher estava usando nos lembra a descrição de Jesus no monte da transfiguração, onde Elias e Moisés apareceram próximo a Ele: “E transfigurou-se diante deles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz“. (Mateus 17:2). Sua descrição também nos faz lembrar da noiva de Salomão, que era pura como o sol e tão bonita como a lua (Cantares 6:10). Jesus é quem fornece vestes puras e de justiça para aqueles que vencerem (Apocalipse 3:5, veja também Zacarias 3:4-5). A mulher de Apocalipse 12 é a Igreja fiel de Israel.

Lua debaixo dos seus pés: A lua não tem luz própria, mas reflete a luz do sol. A mulher de Apocalipse 12, ou igreja fiel, está de pé, firme sobre a lua. A Bíblia nos diz o seguinte a respeito das escrituras: “A tua palavra é lâmpada para os meus pés, e luz para o meu caminho.” (Salmo 119:105). Aqui temos o segundo aspecto das duas testemunhas que vimos em Apocalipse 11:1-14. A mulher de Apocalipse 12 possui os mesmos atributos das duas testemunhas. 2 Coríntios 4:6 diz: “Porque Deus, que comandou a luz para brilhar fora da escuridão, brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo" (Veja também Apocalipse 1:16).

Coroa de 12 estrelas sobre a cabeça: como vimos nos estudos anteriores, o número 12 representa a igreja em qualquer ponto no tempo. Em nosso estudo #47, vimos que o número 12 é um número que aparece tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, e ele está sempre ligado ao povo de Deus. A Bíblia menciona 12 patriarcas de Sete até Noé, 12 patriarcas de Cem até Jacó, 12 tribos de Israel, 12 espias enviados à Terra prometida, 12 juízes (de Otoniel até Samuel), 12 discípulos, 12 portões na Nova Jerusalém que tem o nome das 12 tribos, e 12 fundações que têm os nomes dos 12 apóstolos. Efésios 2:20 também menciona que a igreja de Deus é edificada sobre o fundamento dos 12 apóstolos e dos profetas, com Cristo sendo a pedra fundamental. A mulher de Apocalipse 12 tem sobre sua cabeça uma coroa de 12 estrelas. A palavra grega para coroa usada aqui é stephanos. A coroa stephanos é a coroa da vitória usada nos tempos gregos para celebrar os atletas vencedores. A coroa stephanos é diferente da coroa real. A coroa real é chamada diadema em Apocalipse (Apocalipse 12:3; Apocalipse 13:1; Apocalipse 19:12).

*** Sua situação ***: A mulher estava grávida, prestes a dar à luz, já labutando com as dores do parto (Apocalipse 12:2). Olhando pelo ângulo de que estamos falando do povo escolhido de Deus, aqui representado pela mulher, podemos ver claramente que ela é o cumprimento da promessa que Deus deu a Adão e Eva no Jardim do Éden. Deus disse para a serpente: “Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a sua descendência; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Gênesis 3:15). A princípio, esse verso parece ser difícil de entender. Então vamos olhar mais de perto e ver o que ele realmente ele está dizendo: “E [Deus porá] inimizade entre [a serpente] e a mulher, entre a semente [da serpente] e a semente [da mulher]; [o filho da mulher] ferirá a cabeça [da serpente], e [a serpente ferirá] o calcanhar [do filho da mulher].” Esta foi a primeira promessa de um Salvador dada à humanidade. Daquele ponto em diante, o povo de Deus começou a esperar por um menino que iria esmagar o pecado de uma forma mortal. O Messias viria de entre o povo de Deus (Atos 13:23). Apocalipse 22:16 é o versículo chave para entender a gravidez da mulher, e Quem é seu filho: “Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã.” Jesus é descendente de seu povo, a Igreja. Ele é o leão da tribo de Judá (Apocalipse 5: 5). Ao mesmo tempo, Ele é a raiz da Igreja. A Igreja existe por causa de Cristo.

*** Visão Geral ***: Apocalipse 12 marca a parte do livro de Apocalipse que trata especificamente dos eventos finais. Ela começa por dar ao leitor um breve histórico de quem são os personagens principais: o povo de Deus, o inimigo de Deus, e Jesus Cristo. A narrativa flui a partir da perspectiva do povo de Deus, simbolizada por uma mulher grávida. Esta mulher era diferente de qualquer outra. Ela estava vestida com mantos de justiça, mantendo-se firme na Palavra de Deus. Ela possuía a coroa de vitória, prometida ao povo fiel de Deus. Mais uma vez, a Bíblia e o povo de Deus estão conectados. Vimos pela primeira vez um vislumbre dessa ligação em Apocalipse 1:3, que diz que recebemos uma bênção especial quando lemos, ouvimos e mantemos as palavras da profecia desse livro. O Messias veio ao mundo através da Igreja de Israel. Jesus é Emanuel, que significa Deus conosco (Mateus 1:23). Jesus se fez homem para nos salvar do pecado. Todos os três personagens de Apocalipse 12 são retratados em João 1:1-18. Jesus é a Luz, a Palavra que se fez carne, que o mundo rejeitou. Ele resplandeceu nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra Ele. Seu servo (João Batista, que representa a missão que a Igreja deve carregar) foi chamado para pregar sobre esta Luz para o mundo, como testemunha diante da humanidade. “Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus”. (João 1:12).

Saturday, 07 January 2017 21:05

47. Os 144.000 * Apocalipse 7:1-8, PARTE 2

1 E depois destas coisas vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma.

2 E vi outro anjo subir do lado do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar,

3 Dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que hajamos selado nas suas testas os servos do nosso Deus.

4 E ouvi o número dos selados, e eram cento e quarenta e quatro mil selados, de todas as tribos dos filhos de Israel.

5 Da tribo de Judá, havia doze mil selados; da tribo de Rúbem, doze mil selados; da tribo de Gade, doze mil selados;

6 Da tribo de Aser, doze mil selados; da tribo de Naftali, doze mil selados; da tribo de Manassés, doze mil selados;

7 Da tribo de Simeão, doze mil selados; da tribo de Levi, doze mil selados; da tribo de Issacar, doze mil selados;

8 Da tribo de Zebulom, doze mil selados; da tribo de José, doze mil selados; da tribo de Benjamim, doze mil selados.

 


Parte 2 - Apocalipse 7:4-8


*** João ouviu um número ***: Em Apocalipse 5:5-6, João ouviu alguém falando que o Leão da tribo de Judá havia chegado, mas quando ele se virou, viu um Cordeiro que havia sido morto. Vemos algo semelhante em Apocalipse 7:4 e 9, e em Apocalipse 9:16-17. Em Apocalipse 7:4, João ouviu o número do povo de Deus que havia sido selado, mas quando olhou, ele viu uma grande multidão que ninguém podia contar (Apocalipse 7:9). Em Apocalipse 9:16, ele ouviu o número dos inimigos de Deus. A primeira pergunta que vem à mente, a respeito do número do povo selado é: esse é um número literal, ou simbólico? Ao analisarmos esse número, e os versos restantes, a resposta a essa pergunta irá ficar mais clara. Mas antes de fazermos isso, vamos checar o número dos inimigos de Deus, e ver em que contexto ele foi dado. Os inimigos, em Apocalipse 9:16-17, foram descritos como uma exército de cavaleiros. Os cavalos tinham cabeças de leões; fogo, fumaça, e enxofre saiam de suas bocas; e eles tinham caudas como uma serpente (Apocalipse 9:17,19). O exército de 200.000.000 de Apocalipse 9, é claramente uma representação simbólica de um grupo de pessoas envolvidas na batalha contra a adoração ao verdadeiro Deus. Esse exército luta contra a verdade de Deus. Como o povo selado de Deus é imune aos ataques contra a verdade, e não podem ser enganados com falsos ensinamentos, as fatalidades espirituais acontecem apenas sobre aqueles que não possuem o selo de Deus na testa. O exército inimigo não se arrependeu de adorar demônios e ídolos, ou de viver uma vida de pecado (Apocalipse 9:20-21). O padrão visto nesses versos é: João ouviu o número do exército inimigo, e então descreveu esse exército usando linguagem simbólica.

*** 144.000 ***: Esse era o número de pessoas seladas pelo Espírito Santo. Eles eram todos das tribos de Israel. Apocalipse 7:5-8 menciona um total de 12 tribos, e cada tribo tinha 12.000 selados. Para visualizarmos melhor o número 144.000, vamos fazer uma representação matemática: 12 x 12.000 = 144.000. Podemos ir além, e representar o número 12.000 como 12 x 1000. Com isso, a nossa equação matemática passa a ser 12 x 12 x 1000 = 144.000. Assim, fica mais fácil ver a ênfase dada ao número 12 e ao número 1000.

12: O número 12 é um número que aparece tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, e está sempre ligado ao povo de Deus. A Bíblia menciona 12 patriarcas de Sete até Noé, 12 patriarcas de Cem até Jacó, 12 tribos de Israel, 12 espias enviados à Terra prometida, 12 juízes (de Otoniel até Samuel), 12 discípulos, 12 portões na Nova Jerusalém que tem o nome das 12 tribos, e 12 fundações que têm os nomes dos 12 apóstolos. Efésios 2:20 também menciona que a igreja de Deus é edificada sobre o fundamento dos 12 apóstolos e dos profetas, com Cristo sendo a pedra fundamental. Diante disso, vemos que o número 12 representa a igreja. Então, podemos entender a expressão matemática 12 X 12 como sendo a total representação do povo de Deus através da história, desde o Antigo Testamento, passando pelo Novo Testamento, e indo até o fim dos tempos.

1000: O texto em Números 31:1-6 nos oferece um contexto importante para podermos entender o cenário descrito em Apocalipse. Ao entrar numa batalha, os Israelitas deveriam estar organizados em grupos de 1000 de cada tribo, para um total de 12,000. Essa formação era conhecida como os milhares de Israel (Números 1:16; Números 10:4; Josué 22:14, 21; 1 Samuel 8:12; 1 Samuel 10:19; 1 Samuel 18:13; 1 Samuel 23:23; Miquéias 5:2). Os ‘milhares de Israel' era o termo usado para se referir ao exército israelita. Essa referência militar dos 144,000 encaixa com o padrão que vimos na descrição do exército inimigo, em Apocalipse 9:16. João ouviu o número do povo selado (Apocalipse 7:4), e em seguida descreveu, em linguagem simbólica, o batalhão de Deus que estava pronto para guerra (Apocalipse 7:5-8).

*** As tribos de Israel ***: Os versos 5-8 trazem uma lista das tribos de Israel. Trata-se de uma lista única. É diferente das listas encontradas no Antigo Testamento. Vamos comparar essas listas:

Gênesis 49:1-28

Números 1:5-15

Ezequiel 48:1-29

Apocalipse 7:5-8

Rúben

Rúben

Judá

Simeão

Simeão

Aser

Rúben

Levi

Judá

Naftali

Gade

Judá

Issacar

Manassés

Aser

Zebulom

Zebulom

Efraim

Naftali

Issacar

Efraim

Rúben

Manassés

Manassés

Judá

Simeão

Gade

Benjamim

Benjamim

Levi

Aser

Simeão

Issacar

Naftali

Aser

Issacar

Zebulom

José

Gade

Zebulom

José

Benjamim

Naftali

Gade

Benjamim

 

Em Gênesis: vemos a lista dos filhos de Jacó, na ordem de nascimento.

Em Números: essa lista mostra as 12 tribos como eram nos tempos de Moisés, enquanto viajavam pelo deserto. A tribo de Levi não é incluída, porque os Levitas tinham a responsabilidade do sacerdócio. De uma certa maneira, eles eram a 13a tribo, da mesma forma que Cristo era a 13a pessoa com os discípulos. Os Levitas não deveriam receber uma herança de território (Deuteronômio 10:8, 9; Deuteronômio 18:1), e também não eram para ser contados entre os Israelitas (Números 1:49). Essa lista omite a tribo de José, mas em seu lugar, inclui seus dois filhos (Manassés e Efraim). Como o filho favorito, José recebeu uma porção dobrada da herança através de seus filhos, quando Jacó adotou os filhos de José como seus próprios (Gênesis 48:5).

Em Ezequiel: essa lista mostra como eles deveriam dividir as terras entre as tribos. A lista é a mesma que aparece em Números, com a única diferença da ordem em que os nomes aparecem.

Em Apocalipse: essa lista traz de volta a tribo de José e a tribo de Levi. A tribo de um dos filhos de José foi removida (Efraim), e a tribo de Dã também foi eliminada da lista. José ainda tem sua porção dobrada, uma vez que ela inclui o nome do próprio José, e de seu filho Manassés. A tribo de Judá é colocada em primeiro lugar, provavelmente porque essa é a tribo da linhagem de Jesus. Cristo é chamado de Leão da tribo de Judá em Apocalipse 5:5. Os nomes de Efraim e Dã foram removidos da lista de Apocalipse possivelmente porque suas tribos eram apóstatas. Uma vez que o número 144.000 é a representação do povo que não se contaminou com falsos ensinamentos religiosos (Apocalipse 14:4), essa lista não poderia incluir esses dois nomes. A tribo de Dã fez para si imagens de escultura (Juízes 18:30), e se tornou um centro de idolatria (1 Reis 12:29-31; 2 Reis 10:29, Jeremias 8:4-17). O próprio Jacó se referiu a Dã como sendo uma serpente (Genesis 49:17). A tribo de Efraim também se tornou um símbolo da idolatria e apostasias do povo (Oséias 4:17; Oséias 8:9-11; Oséias 12:1). No Salmo 78:9-10, lemos a respeito de como Efraim não foi fiel ao concerto que Israel tinha com Deus. A tribo de Efraim eventualmente se juntou ao lado inimigo (Isaías 7:2-9).

*** Literal ou simbólico? ***: Ao olharmos para as listas das 12 tribos, podemos ver que a de Apocalipse não segue a ordem de nascimento dos filhos de Jacó, ou a ordem tribal do Israel do tempo e Moisés. Apenas inclui as tribos que o Antigo Testamento não considera como sendo permanentemente contra a Palavra de Deus. Deixou de fora as tribos apóstatas de Dã é Efraim. Logo no início da lista de Apocalipse, podemos ver que não se trata de uma representação literal das tribos originais, se não ela deveria começar com a tribo de Rúben, o primogênito. Outra coisa a se considerar, é que com a conquista dos Assírios, a maioria das tribos desapareceram. Dez tribos formavam o reino israelita do norte. Com os ataques dos Assírios, as tribos do norte foram todas destruídas ou assimiladas a outras culturas, por volta do 8o século A.C. (2 Reis 17:5-23). Seus descendentes eram os Samaritanos, os quais os judeus desprezavam por não serem mais israelitas de puro sangue. Eles haviam se misturado tanto, casando-se entre si e com pessoas de outras nações, que já não era mais possível definir com clareza uma linhagem tribal. No tempo de João, as 13 tribos já não existiam da mesma forma como no tempo de Moisés. O apóstolo Paulo escreveu sobre como os seguidores de Cristo passaram a ser o Israel espiritual (Romanos 2:28-29; Romanos 9:6-8; Gálatas 3:29; Gálatas 6:16; Tiago 1:1), e sobre como eles irão receber todas as promessas feitas ao Israel literal.

*** Significado do Israel simbólico ***: Gálatas 3:29 diz: "E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa." Em outras palavras, aqueles que pertencem à Cristo são israelitas, não de nascença, mas por que nasceram de novo. Renascer na fé de Jesus Cristo, como Salvador, nos dá uma nova linhagem. Recebemos uma nova documentação. Deus mudou o nome de Jacó para Israel após Jacó ter lutado com Deus (Gênesis 32:22-32). Seu nome mudou de Jacó para Israel. O nome Israel significa: “como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste.” (Gênesis 32:28). De uma certa maneira, o nome Israel está relacionado com 'aquele que vence', sobre o qual temos estudado desde as Sete Igrejas. Nos tempos bíblicos, os nomes traziam um significado importante. E da mesma forma, podemos ver essa importância na lista de nomes em Apocalipse. O evangelista Doug Batchelor, em seus estudos de Apocalipse, sugere que a ordem da lista de Apocalipse faz muito sentido quando consideramos o significado de cada nome.

1. Judá = “Louvarei ao Senhor” (Gênesis 29:35)
2. Rúben = “Porque o Senhor atendeu à minha aflição” (Gênesis 29:32)
3. Gade = “Afortunada” (Gênesis 30:11)
4. Aser = “Feliz eu sou” (Gênesis 30:13)
5. Naftali = “Com grandes lutas tenho lutado” (Gênesis 30:8)
6. Manassés = “Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho” (Gênesis 41:51)
7. Simeão = “O Senhor ouviu que eu era desprezada” (Gênesis 29:33)
8. Levi = “se unirá meu marido a mim” (Gênesis 29:34)
9. Issacar = “Deus me tem dado o meu galardão” (Gênesis 30:18)
10. Zebulom = “Deus me deu uma boa dádiva; desta vez morará o meu marido comigo” (Gênesis 30:20)
11. José = “Que o Senhor me acrescente” (Gênesis 30:24)
12. Benjamim = “Filho do lado direito” - Do hebraico Binyamin. “Bin” significa ‘Filho’ e “Yamin” significa ‘do lado direito’ (Jacó mudou o nome para Benjamim após seu nascimento, Gênesis 35:18).

Bachelor sugere que a ordem dessa lista em Apocalipse descreve a condição dos 144.000. Essa lista conta a história de salvação vivida pela igreja, a noiva de Cristo: “Louvarei ao Senhor porque o Senhor atendeu à minha aflição. Afortunada e feliz eu sou. Com grandes lutas tenho lutado, mas Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho. O Senhor ouviu que eu era desprezada. E se unirá meu marido a mim. Deus me tem dado o meu galardão. Deus me deu uma boa dádiva; desta vez morará o meu marido comigo. Que o Senhor me acrescente Seu Filho do lado direito.”

*** Mais a respeito dos 144.000 ***: O texto em Apocalipse 14:1-5 nos dá mais alguns detalhes sobre os 144.000 que complementa o que aprendemos até agora. O texto diz que eles foram “comprados da Terra” (Apocalipse 14:3). Aqui temos a clara confirmação de onde esse grupo é encontrado. Eles estão na Terra, e não no céu. Continuando a leitura dos versos de Apocalipse 14:4-5, vemos: "Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro. E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus.” Em analogias bíblicas, tanto no Antigo quanto no Novo Testamentos, o conceito de ‘mulher’ é usado para se referir à igreja (estudo #20). O trecho “contaminados com mulheres; porque são virgens” pode ser entendido ao termos em mente a comparação feita pelo próprio Jesus, sobre Sua vinda sendo uma festa de casamento, onde Sua noiva (a igreja) está adornada e pronta para se unir para sempre ao seu Noivo. Os 144.000 são a igreja pura que não foi enganada com falsos ensinamentos, e que possuem a pura mensagem de Deus. Isso não quer dizer que esse grupo nunca pecou antes. No Israel antigo, todas as tribos transgrediram a lei de Deus em algum ponto, e foram consideradas infiéis. Mas Deus nunca parou de trabalhar com eles, e quando Israel se tornava obediente aos Seus mandamentos, Deus chamava o povo de mulher fiel e pura (Isaías 54:5-6; Ezequiel 16:8-14; Oséias 2:14-23; Amós 5:2).

*** Visão Geral ***: Os 144.000 são um grupo real de pessoas. Eles são os seguidores de Cristo (Apocalipse 14:4). Mas a contagem literal desse povo não parece ser o ponto principal da mensagem, porque, na verdade, João não pode contar exatamente quantas pessoas estavam entre os salvos (Apocalipse 7:9). O número 144,000 funciona mais como uma descrição de trabalho dos fiéis. Mas será que são eles os que estarão vivos no fim dos tempos? Ou será que os 144.000 são os fiéis de todos os tempos da história? A resposta é sim para ambas as perguntas. Deus tem sempre Seu exército pronto, em todas as fases da história humana. Assim como os inimigos de Deus são descritos como sendo um exército, o povo de Deus também é descrito como os milhares de Israel, organizados em formação militar. O Seu povo vem lutando uma guerra espiritual. Essa batalha envolve a escolha que as pessoas precisam fazer sobre quem elas irão prestar louvor e adoração. Essa é ainda a mesma batalha que começou no Céu, e que passou para a Terra quando a serpente levantou falsas acusações contra Deus. Adão e Eva decidiram acreditar nessas mentiras. Mas Deus ofereceu a eles uma solução para o problema. Os 144.000 são aqueles que acreditam na solução de Deus: eles acreditam naquele que Deus enviou: o Redentor Jesus Cristo.

   

Bíblia - JF de Almeida RC  

   
   
© Hello-Bible 2016