Displaying items by tag: Louvor e adoração

Saturday, 22 October 2016 22:29

36. Explosão de louvor * Apocalipse 5:11-14

11   E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares,

12   Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças.

13   E ouvi a toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e que estão no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.

14   E os quatro animais diziam: Amém. E os vinte e quatro anciãos prostraram-se, e adoraram ao que vive para todo o sempre.

 

*** O número dos anjos ***: Essa não é a primeira vez que vemos a contagem de seres celestiais. Quando João chegou na sala do trono, no capítulo 4 de Apocalipse, vimos um grupo muito especial de anjos (traduzido como seres viventes, ou animais, em algumas versões), e na visão, João viu 4 deles. João também viu 24 anciãos. Em Apocalipse 5:11, vemos a contagem de outros anjos presentes na sala do trono. Era uma quantidade muito grande: “milhões de milhões, e milhares de milhares”. Isso nos dá uma idéia melhor do tamanho dessa sala onde eles estavam. Quando comparamos com o Santuário Terrestre, podemos ver como muitos anjos estavam ali também representados, bordados nos tecidos do lado interno do templo. (Êxodo 26:1). Na sala do trono Celeste, esses anjos estavam por toda a parte, “muitos anjos ao redor do trono, e dos animais [seres viventes], e dos anciãos” (Apocalipse 5:11). O número exato de anjos não parece ser o ponto principal dessa passagem, mas a ênfase aparenta estar no fato de que existe um número extraordinário deles no Céu.

*** O que está subentendido ***: No estudo #34, vimos que Jesus se aproximou do trono, e tomou posse do livro selado. Não existe nenhuma menção literal de Jesus se assentando no trono no capítulo 5 de Apocalipse, mas sabemos, através de outras passagens bíblicas, que Jesus de fato se assentou no trono com o Pai, incluindo a passagem em Apocalipse 3:21. O fato de todos os anjos estarem ao redor do trono, louvando o Filho e o Pai, denota que Jesus se assentou ao lado do Pai. Ele é co-regente com Deus Pai. Esta reunião no Céu não foi apenas um culto de louvor, mas também uma festa! O Céu estava celebrando retorno de Cristo ao Seu trono!

*** Louvor em grande voz ***: “Os milhões de milhões, e milhares de milhares” de anjos não se acanharam de louvar ao Pai e Filho. Eles estavam louvando “com grande voz” (Apocalipse 5:12). A felicidade e animação que exibiam não podiam ser contidas. Eles estavam louvando aquEles assentados no trono, em igual medida (versos 12 e 13). O Filho, que Se ofereceu em sacrifício pela humanidade, é digno de receber o que o Pai possui: “poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças” (Apocalipse 5:12). Eles são um. Nas palavras do próprio Jesus: “[…] Quem me vê a mim vê o Pai […]” (João 14:9). Provavelmente, não podemos nem imaginar como deve ter sido poderoso, ouvir o Céu inteiro adorando Pai e Filho, ao mesmo tempo, com grande voz, e com uma alegria indescritível.

*** Toda criatura, em todo lugar ***: João ouviu a proclamação de quão extenso era o domínio de Cristo. Jesus havia acabado de ascender à posição mais alta do cosmos, com um mandato eterno. Esse evento causou um impacto não somente para os seres humanos, mas também para todos os seres criados. Jesus é o co-regente com Deus, permanentemente. Ele tem domínio sobre todas as coisas e sobre todos, independentemente de se pecaram ou não. A ascensão de Jesus ao trono foi um momento crucial na história do Universo. Afetou o passado, presente, e futuro. Os que estavam vivos puderam aproveitar a certeza da salvação. E aqueles que haviam morrido enquanto esperavam o Messias, receberam a garantia da ressurreição no último dia (João 11:24; João 6:39-44; João 6:54; João 12:48;  1 Tessalonicenses 4:16).

*** O seres viventes e os anciãos ***: Assim que o coro de milhares e milhares de vozes terminou a sessão de louvor e adoração, os 4 seres vivente confirmaram a verdade na afirmação da multidão reunida alí, ao dizerem Amém. E os 24 anciãos continuaram a louvar. Mais uma vez, eles se prostraram e adoraram Aquele que vive para sempre: Deus Pai e Filho. Eles são a força central desse capítulo. Os regentes do Universo são o tema principal dessa parte do capítulo 5, retornando ao serviço de louvor iniciado no começo do capítulo 4.

*** Visão Geral ***: Os incontáveis seres celestiais envolvidos no louvor e adoração estavam falando em uma só voz. A força de seu uníssono enfatizou o quanto o Cordeiro que havia sido morto era digno de receber o poder, glória, e todos os atributos do Pai. A vitória de Jesus estava sendo celebrada. Ele tomou sua posição no trono, e se assentou ao lado direito do Pai. E então, o Universo inteiro explodiu em adoração. Essa é uma grande lição para nós hoje. O momento de louvor não precisa ser pequeno, desanimado e contido. Os anjos estavam ali louvando a Deus com toda a força da alma. Apresentaram a forma mais pura de adoração quando reconheceram a inegável perfeição do caráter de Deus, e valor do Cordeiro. O novo papel de Cristo tem infinitas dimensões, e literalmente afeta todo ser criado. Seu domínio se estende além dos limites do planeta Terra. O sacrifício de Jesus provou, de uma ver por todas, sem sombra de dúvida, a verdadeira natureza de Deus. Deus é amor. Como disseram os seres viventes: Amém!

Tagged under
Saturday, 10 September 2016 22:33

30. O perfeito culto de louvor * Apocalipse 4:9-11

9    Toda vez que os seres viventes dão glória, honra e graças àquele que está assentado no trono e que vive para todo o sempre,

10  os vinte e quatro anciãos se prostram diante daquele que está assentado no trono e adoram aquele que vive para todo o sempre. Eles lançam as suas coroas diante do trono, dizem:

11  "Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas".

 

** Os seres viventes ***: Os primeiros oito versos do capítulo 4 de Apocalipse descrevem todos os elementos da sala do trono. Esses versos descrevem os tronos, a glória de Deus, e os seres que estavam ali com o Pai. Os últimos três versos do capítulo falam o quê, na verdade, esses seres celestiais estavam fazendo na presença de Deus. Os quatro seres viventes estavam dando “glória, honra e graças àquele que está assentado no trono e que vive para todo o sempre” (Apocalipse 4:9). Em outras palavras, eles estavam adorando a Deus, que estava sentado no trono. A palavra grega traduzida como “glória” é a palavra Doxan, que significa: honra, de renome; glória, uma qualidade divina especial, a presença indescritível de Deus, esplendor (Strong’s Concordance). A palavra grega usada para “honra” é timé, que significa preço e honra. Essa palavra também está relacionada ao valor que o observador dá a alguma coisa (HELPS Word Studies). Apocalipse 4:9 mostra que os seres viventes estavam reconhecendo o esplendor, a qualidade divina intrínseca, e o valor indescritível que pertencem somente a Deus. E eles não pararam por aí. Eles também estavam dando graças ao Pai, pois estavam agradecidos.

*** Os 24 anciãos ***: No verso 10, os anciãos fizeram três coisas: 1) eles se prostraram diante dAquele que estava assentado no trono; 2) eles adoraram a Deus; 3) e eles lançaram suas coroas diante do trono. De acordo com alguns comentaristas Bíblicos, esse ato de se prostrar e lançar as coroas era semelhante ao costume dos reis Romanos quando estavam na presença do Imperador. Quando estudamos as sete igrejas, vimos a perseguição terrível que o povo de Deus sofreu ao recusar adorar o Imperador e outros deuses. Aqui, a atitude dos 24 anciãos reforça o conceito de que adoração pertence apenas a Deus (Êxodo 20:3-6; Apocalipse 14:7). Mesmo essa atitude podendo ser uma alusão ao costume romano, a razão pela qual os anciãos estavam adorando a Deus não tinha nada a ver com nenhum costume humano. Eles estavam exercendo seu livre arbítrio, escolhendo servir Àquele “que vive para todo o sempre” (Apocalipse 4:9). Deus espera que Seus filhos O adorem em verdade, em entendimento, com reverência, com gratidão, e com temor (João 4:24; Hebreus 12:28). Ele quer que as pessoas O adorem porque elas acreditam no que estão dizendo, não simplesmente porque elas estão seguindo rituais e tradições humanas que foram passadas adiante cegamente através dos anos (Isaías 29:13).

*** Deus é digno ***: Enquanto os 24 anciãos estavam prostrados, eles estavam dizendo que o Senhor é “digno de receber a glória, a honra e o poder” (Apocalipse 4:11). O Pai, que é Aquele que está sentado no trono, é digno porque Ele é o Criador. Tal como o Pai, Jesus também é descrito na Bíblia, como sendo o Criador (João 1:2-3; Colossenses 1:16). Podemos entender através desses versos, que Jesus também é digno do nosso louvor. O fato de que o Pai é considerado digno no capítulo 4 cria um contraste interessante com o que é dito no capítulo 5. Lemos em Apocalipse 5: 2-4 como ninguém no Céu, ou na Terra, era digno de abrir, ler, ou olhar o livro selado. Seria necessário então existir um outro fator qualificador além de Criador, para que alguém pudesse abrir esse livro. Nós vamos descobrir quais credenciais seriam necessárias para abrir esse livro quando estudarmos o capítulo 5.

A palavra grega para “digno” é Axios, e significa: digno, digno de, merecedor, comparável, adequado. É a raiz da palavra "axis”, que é comumente usada em matemática. Essa palavra traz consigo a ideia de medida, e o ato de colocar algo em uma balança ou escala. O final do verso em Apocalipse 4:11 diz algo interessante. Diz que todas as coisas existem e foram criadas pela vontade de Deus. A palavra grega traduzida como “vontade” é a palavra thelema. Essa palavra frequentemente se refere à vontade de Deus (“Venha o Teu reino, seja feita a Tua vontade”- Mateus 6:10; “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus.” - Mateus 7:21; e muitos outros exemplos). Essa é uma maneira de dizer que nós fomos criados porque Deus quis. Não fomos um acidente da Natureza. Nossa existência não surgiu do acaso. Nós somos filhos planejados de Deus. E essa é razão suficiente para que todos os Seus filhos sejam gratos.

*** Visão Geral ***: O capítulo 4 pinta o quadro de uma cena muito linda. Esse capítulo nos diz o que estava acontecendo no Céu antes da chegada de Cristo, que estava vindo da Terra. Os seres criados por Deus estavam explodindo em louvor e adoração. Esse não era um culto comum, onde eles estavam apenas agindo mecanicamente, seguindo uma rotina sem nenhuma consideração. Tudo que eles fizeram como parte desse culto tinha um significado. Foi feito de coração, mas com propósito. Foi uma reunião centralizada em Deus, tanto no sentido literal, quanto no espiritual. Eles estavam adorando o Criador. E esse é o tipo de culto que precisamos oferecer hoje. Paulo já estava preocupado com essa mesma questão, quando ele escreveu em Romanos 1:25: "Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.” É tão fácil ler com pressa esses últimos três versos no capítulo 4, e perder totalmente a profundidade do significado que tem para o povo de Deus. Deus é o centro da adoração, para todo o sempre.

Tagged under
   

Bíblia - JF de Almeida RC  

   
   
© Hello-Bible 2016