Print this page
Friday, 29 April 2016 20:30

11. A rota das sete igrejas * Introdução para Apocalipse 2 e 3

Written by

 

11 "[…] Escreva num livro o que você vê e envie a estas sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia."
 
19 "Escreva, pois, as coisas que você viu, tanto as presentes como as que estão por vir."
(Apocalipse 1:11, 19 NVI)
 
 
Nada em Apocalipse é por acaso. Jesus passou o primeiro capítulo desse livro descrevendo em detalhes quem Ele é. Isso dá pra gente a impressão de que a gente precisa ter em mente essas descrições dEle quando estudarmos o resto da mensagem. Ele é Rei, Sacerdote, e Salvador. Ele conhece tudo sobre cada um de Seus filhos. Nós vimos o cuidado que Ele tem com os seres humanos. Ele nos protege com Sua mão poderosa. Esse nível de cuidado e detalhe está presente por todos livro de Apocalipse. E agora, que a gente vai começar a estudar as sete igrejas, isso vai ficar bem evidente.
 
Na primeira visão de João, Jesus disse que João deveria enviar a mensagem de Apocalipse a sete igrejas da Ásia Menor. No verso 11 do capítulo 1, lemos os nomes dessas sete igrejas, listadas nessa ordem: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodiceia. No texto original em grego, existe um "e" entre todos os nomes das igrejas. Então a lista é: Éfeso e Esmirna e Pérgamos e Tiatira, e assim por diante. Isso transmite a ideia de que a ordem dessa lista é importante. Então, antes de destrincharmos cada verso, de cada uma das mensagens, vamos primeiro analisar a cena geral.
 
Do ponto de vista geográfico, a ordem da lista faz muito sentido. Éfeso era a cidade da lista que estava mais perto de Patmos. Faz sentido que alguém sendo da ilha de Patmos num barco, chegasse primeiro em Éfeso. O caminho entre as cidades, que a pessoa levando as cartas deveria percorrer, foi muito provavelmente estradas. Os romanos eram famosos por suas estradas, e pessoas viajando entre estas cidades caminhariam ao longo do trajeto conectando todas elas nessa ordem. Começando em Éfeso, alguém viajando para a próxima cidade, faria um caminho meio que no sentido horário. Assim, as cartas poderiam ser facilmente divulgadas de cada uma dessas cidades, em direção da Grécia, Europa, bem como Damasco e as cidades mais ao leste. Essas igrejas estavam estrategicamente bem localizadas. É interessante notar que elas não eram as únicas igrejas na Ásia Menor. A Bíblia menciona várias outras: As igrejas de Antioquia da Psídia (Atos 13:14), Colossos (Colossenses 1:2), Hierápolis (Colossenses 4:13), Icônio (Atos 14:1), Derbe (Atos 14:20), Listra (Atos 14:6), Trôade (Atos 20:5), e Mileto (Atos 20:17). 
 
Então, veja que a ordem de Jesus não foi pra enviar cartas a 15 igrejas na Ásia, ou a 3 igrejas apenas. Podemos imaginar que Deus teve uma boa razão para selecionar essas sete igrejas específicas, já que existiam várias outras na região. Nos próximos estudos, nós vamos ver que os problemas e circunstâncias de cada uma delas tiveram um papel importante no motivo dessa escolha. 
 
Com certeza, a gente não pode ignorar fato de que o número de igrejas selecionadas é 7. No livro de Apocalipse, não apenas temos Sete Igrejas, mas também temos Sete Selos (Apocalipse 5:1), Sete Trombetas (Apocalipse 8:2), Sete Últimas Pragas, e Sete Taças (Apocalipse 16:1). O fato é que o número sete aparece muito frequentemente por toda a Bíblia, não somente em Apocalipse. Então, essa frequências parece ser importante, e não apenas uma mera coincidência. O número sete em Apocalipse é um símbolo importante. E, como sempre, a gente tem que encontrar o significado desse símbolo na própria Bíblia. Então vamos ver o que a Bíblia tem a dizer sobre o número sete.
 
  1. A primeira vez que vemos o número sete é em Gênesis. Deus havia terminado a Sua criação, e então santificou o sétimo dia. Gênesis 2:2-3 diz: “E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.” A semana de sete dias não foi uma invenção humana. Foi Deus quem planejou a divisão dos dias dessa forma. No sétimo dia, Deus celebrou o que Ele havia feito. Sua criação estava completa.
  2. Noé ficou na Arca por 7 dias antes de Deus mandar o Dilúvio (Gênesis 7:1, 4). Nesse caso, o número 7 representou um tempo de espera. Novamente, a duração desse tempo estava nas mãos de Deus. Ele é quem tinha o controle desse tempo. Quando o tempo de espera se completou, o dilúvio veio.
  3. O próximo exemplo aparece em Gênesis 9, quando após o dilúvio, Deus colocou seu Arco-íris no céu. Esse exemplo vem um pouco disfarçado, porque o texto diz apenas que Deus colocou o arco-íris no céu. Mas como todo mundo sabe, o arco íris tem 7 cores. Vamos então ver qual o significado desse arco-íris. Deus havia destruído a Terra através do Dilúvio por causa da iniquidade do povo. Por 120 anos, Noé havia pregado a mensagem dessa destruição, alertando o povo pra que se preparassem para esse dia. Apesar de tantas oportunidades que Deus deu a todos, apenas a família de Noé estava pronta nesse dia. Quando o dilúvio terminou, Deus fez uma promessa a Noé. Ele disse que Ele jamais iria destruir a Terra com água outra vez. Deus determinou que o símbolo dessa promessa era o arco-íris. Assim, toda vez que chovesse e o povo visse o arco-íris no céu, eles iriam lembra que a destruição da Terra por água estava completa, para nunca mais acontecer por enchente outra vez.
  4. O próximo exemplo aparece em Gênesis 29:15-30, que conta pra gente como Jacó trabalhou por 7 anos, e esperou mais sete dias para poder se casar com Raquel. E depois trabalhou mais 7 anos por causa desse casamento. Outra vez, vemos aqui um tempo de espera que se completou após um período que involve o número 7. Ao fim desse período, estava claro pra Jacó e seu sogro que o acordo entre eles havia se cumprido. O tempo de espera estava completo.
  5. Vamos então ao próximo exemple, que vemos em Josué 6:1-16. Esse exemplo traz o número 7 muitas vezes. Deus havia ordenado que os Israelitas conquistassem a cidade de Jericó. Jericó eram uma cidade fortificada, com muralhas altas. Deus deu instruções bastante específicas de como essa conquista deveria acontecer. Do jeito que Ele determinou, ficou muito claro pra todo mundo que essa vitória contra Jericó aconteceu por causa da ação de Deus, e não por esforço humano. E essa vitória aconteceu assim: Josué e os israelitas marcharam em volta de Jericó por 7 dias, com 7 sacerdotes que carregavam 7 trombetas. No 7o. dia, eles marcharam 7 vezes, tocaram as 7 trombetas, e as muralhas de Jericó caíram. Deus deu a eles a cidade inteira.
  6. O último exemplo que vamos mencionar aqui está em 2 Reis 5:10. E essa história é sobre Naamã. Naamã, era comandante do exército do rei da Síria, ou seja, ele não era do povo de Israel. Ele era um homem de bastante prestígio. Acontece que Naamã ficou doente com lepra, que é uma doença incurável. Isso foi uma tragédia na vida de Naamã. Mas, em sua casa, Naamã tinha uma jovem israelita que trabalhava lá, e essa jovem era temente a Deus. Ela disse que o profeta que estava em Samaria poderia curá-lo. Então, Naamã foi até o profeta, e o profeta disse exatamente o que Naamã deveria fazer. Naaman teve que se banhar 7 vezes no Rio Jordão para ser curado de lepra. Quando Naamã mergulhou no rio pela sétima vez, suas feridas desapareceram e ele ficou completamente restaurado e purificado. 
 
Agora que vimos todos esses textos bíblicos, fica claro que o número 7 é um número que tem a ver com eventos completos, plena restauração, purificação por completo, vitória, e coisas abençoadas e santificadas por Deus. O número sete É um símbolo da perfeição de Deus. Assim, podemos ver que as sete igrejas são uma plena, completa, e perfeita representação do povo de Deus. No contexto do que Jesus disse a João, também podemos ver que essas igrejas não são apenas a representação do povo de Deus daquela época (como o verso em Apocalipse 1:19 diz, do tempo "das coisas presentes", mas também são referentes ao povo de Deus em épocas futuras (como esse mesmo verso diz, do tempo das coisas "que estão por vir"). Mais uma vez, precisamos de uma interpretação histórica para podermos entender essa outra dimensão dessas Igrejas.
 
Os problemas que essas igrejas estavam tendo como grupo reflete os problemas que os indivíduos dessas igrejas estavam enfrentando. A igreja é formada por cada um de seus membros (1 Coríntios 12:27). Então, além interpretarmos essa mensagem como sendo uma mensagem comunitária a toda a igreja da época e das gerações que se seguiram, precisamos também interpretar a mensagem para as sete igrejas como o que pode acontecer conosco, na nossa vida pessoal e espiritual. A gente percebe que essa mensagem às sete igrejas é uma mensagem perfeita, que precisa ser analisada em diversos níveis. É uma mensagem muito profunda.
 
*** Visão Geral ***: As sete igrejas são escolhidas geograficamente e espiritualmente de uma maneira perfeita, para receber uma mensagem importante a respeito de assuntos sérios que estão afetando cada uma delas. A mensagem é primariamente direcionada àquelas igrejas da Ásia Menor, mas carregam também um significado espiritual para as igrejas através dos séculos, assim como para cada indivíduo que faz parte do Corpo de Cristo. O número 7 indica que Deus escolheu cada uma dessas igrejas por um motivo específico. Elas não foram selecionadas aleatoriamente. A rota geográfica e espiritual refletem a sabedoria de Deus. Essa rota é uma indicação do caminho físico, espiritual e histórico que essa mensagem vai percorrer. Essa É uma mensagem literal para os cristãos do primeiro século, e é uma mensagem profética para os cristãos que vieram depois. A mensagem de Deus às igrejas é profunda, com múltiplas camadas, completa, e perfeita.



Related items