4  And it was commanded them that they should not hurt the grass of the earth, neither any green thing, neither any tree; but only those men who have not the seal of God in their foreheads.

5  And to them it was given that they should not kill them, but that they should be tormented five months: and their torment was as the torment of a scorpion, when it strikes a man.

6  And in those days shall men seek death, and shall not find it; and shall desire to die, and death shall flee from them.

 

Part 2 - Revelation 9:4-6

 

*** The command not to hurt the green vegetation ***: Revelation 9:4 starts with a command. The locusts mentioned in Revelation 9:3, which came out of the pit, are ordered not to do what locusts do best: hurt the green and live vegetation. We saw the mention of grass, trees, and green things back in the first trumpet (Revelation 8:7 - study #52). In the first trumpet, God had allowed one-third of the vegetation to be burned up. Here, in the fifth trumpet, He is not allowing any green thing to be hurt. If there was any doubt that the trees, grass, and green things were a symbol for God’s people (Jeremiah 17:7-8), the end of Revelation 9:4 can remove it completely. In this verse, the ones without the seal of God stand in contrast to the grass, trees, and green things. The ones with the seal of God are protected during the attacks of the locusts, which we read about in the beginning of the fifth trumpet (study #57). On the other hand, the dead vegetation represents the ones without the seal of God and they can be hurt.

*** Not to be killed but tormented for five months ***: Verses 4 and 5 of Revelation 9 start in a similar way: “it was commanded” and “it was given”. These orders, stated in the passive tense, actually started in Revelation 9:3, when the locusts received scorpion powers. As we saw in study #57, God is the One who allows the enemy to show the world his own evil character. Just as in the story of Job, God places limits as to how far He will allow Satan and his angels to proceed with their demonic activities. During Satan’s first attack on Job, God set a limit. Satan could harm anything Job had, but he could not touch Job (Job 1:12). A series of calamities in Job’s life followed, particularly the loss of all of his possessions and all of his children. God was not attacking Job. Satan was. This is the case in this passage of Revelation as well. God is the One setting the boundaries, telling the locusts the sealed people of God are off limits. Beyond that, the people without God’s seal are not to be killed either, but they should feel the effects of the satanic activities for a limited time. The locusts could use their scorpion powers to torment the non-sealed people for five months. There are two interesting five-month periods mentioned in the Bible. The first one happened after Elizabeth conceived: she hid for five months. She was pregnant with John the Baptist, the man who would come and cry out in the wilderness “Make straight the way of the Lord” (John 1:23). In Elizabeth’s 6th month of pregnancy, Gabriel announced to Mary the conception of Jesus (Luke 1:24-27). The announcement of Jesus’ first coming came after a faithful woman was done being secluded for a period of five months. The other passage including a period of five months is in the story of Noah and the Flood. This event seems to be of great significance for the understanding of the five-month period in Revelation. Back then, the way that the Jewish people counted time and months, followed the lunar cycle. The months had 30 days, for a year of 360 days. Ever so often, they would have an extra month to compensate. The period of 150 days is a period of five months of 30 days each.

 

The Flood

The locust attack in the 5th trumpet

Springs of water broke from the deep, the rain poured and flooded the Earth, to harm the earth (Genesis 7:11)

Out of the bottomless pit, came locusts that would harm the earth (Revelation 9:2-4)

Noah, his family, and all the living things in the Ark were protected during the flood (Genesis 7:23)

Those who have the seal of God are safe from the locust attack (Revelation 9:4)

The pouring of the harmful waters lasted for 150 days (5 months) (Genesis 7:24; Genesis 8:3)

The torment the locusts will inflict will last for 5 months (Revelation 9:5; Revelation 9:10)

 

Just as we see in Genesis, the period of five months is mentioned twice in Revelation as well. Unlike the text in Genesis, the beginning and the end of the five-month period in Revelation is not well defined in terms of precise dates. This suggests that the specific knowledge of when the five months begin or end is not the focus. The point of the text seems to be on the fact that this is a temporary period. Like in the story of Noah, God’s faithful people in the time of the fifth trumpet will also be protected from the locust attack. After Jesus told His followers He watched Satan fall from Heaven (Luke 10:18), He gave them a special power: “Behold, I give unto you power to tread on serpents and scorpions, and over all the power of the enemy: and nothing shall by any means hurt you.” (Luke 10:19).

*** People will want to die, but they won’t be able to ***: The torment will be so severe during the five months that those without the seal will seek death. The state of mental stress would be so deep during this time, that people would actively wish to die. The text indicates that people would voluntarily look for ways to kill themselves, to end the suffering by their own powers. They would want to take matters into their own hands. To say someone would seek death is a very strong statement. This desperate state of mind reminds us of Job. He wished he could find death and end it all at once (Job 3:21). In fact, he wished he had never been born (Job 3:11-13). But is the text in Revelation speaking literally? Are the people looking for physical death? We must think about the prophetic aspect of all the trumpets. And when we do that, we realize there was never a moment in history when people were not able to die, be killed, or take their own lives. The torment in Revelation seems to be more significant on a spiritual level. The locusts are allowed to attack only the dead and dying vegetation, the people who do not have the seal of God. The “vegetation” under attack is already spiritually infected and afflicted (3rd and 4th trumpets). This means that this torment is a deepening of a problem they already had. Jeremiah 8:3 talks about how the people who are not part of God’s family prefer to choose death rather than life. It is so common to see people making poor choices in many aspects of life that are known to be detrimental. Complete spiritual death on a global scale at that point was not within the boundaries of God’s parameters.

*** Torment of a scorpion, when it strikes a man ***: In study #57 we saw that the locusts coming out of the pit had scorpion powers (Revelation 9:3). In Revelation 9:5, we understand that the torment the locusts inflict is that of a scorpion, “when it strikes a man”. Scorpions use their tails to insert venom in their victims. Oftentimes, scorpion venom is less than deadly to adult humans, with a few exceptions. But that doesn’t mean there is no suffering for the human involved. The demonic activities represented by the locust attack seems to be aimed at poisoning people at an intensity even greater than the one seen during the poisoning of the waters with wormwood (3rd trumpet, study #54). Isaiah 9:14,15 tells us: “Therefore the LORD will cut off from Israel head and tail, palm branch and reed, in one day. The elder and honorable, he is the head; and the prophet that teaches lies, he is the tail.” The tail of the red dragon, Satan, deceived a third part of the angels, as well as the whole world (Revelation 12:4,9). The “torment of a scorpion, when it strikes a man”, in Revelation 9:5, happens because of its tail, which is a symbol for false teachers, stinging people with false information and guiding them to a deadly path.

*** Overview ***: When the locusts came out of the pit and moved on to attack the Earth, God limited how far they could go. The locusts represent the satanic activities that aim to further keep people from reaching the Truth. Those who have already truly accepted the Truth are immune to this attack because they seek to be in constant connection with the Lord. Those who are not connected to God still feel the need to connect to something, and they encounter the scorpion-like tail of the locusts, which aim to torment those people with false teachings and philosophies that are contrary to God’s truth. This torture will go on for some time, but it will come to an end. The period of five months serves to remind the reader that the faithful people of God will not be harmed, just as Noah was protected inside the Ark. It is important that we remember: Noah still felt the Ark move and shake with the violent storm outside. God did not keep Noah from having the experience altogether, but He kept Noah safe as he lived through the Flood. If God is the One we serve, then we do not need to be afraid. The main message is: there is no space for the venomous tail of the enemy’s lies to attach to us when we are completely surrounded by God’s truth and protected by His seal.

1  E o quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na terra; e foi-lhe dada a chave do poço do abismo.

2  E abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como a fumaça de uma grande fornalha, e com a fumaça do poço escureceu-se o sol e o ar.

3  E da fumaça vieram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o poder que têm os escorpiões da terra.

 

Parte 1 - Apocalipse 9:1-3

 

*** Estrela que caiu do Céu ***: Vimos a estrela que caiu do Céu quando falamos sobre a terceira trombeta (Apocalipse 8:10-11). No estudo #54, vimos que a Estrela que caiu do Céu era Satanás. Ele era conhecido como Lúcifer antes de ser expulso do Céu. Lemos sobre a sua queda em Isaías 14:12-21. "Como caíste desde o céu, ó Lúcifer, filho da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!" (Isaías 14:12).” Com base em Apocalipse 9:1 e Apocalipse 9:11, podemos ver que a estrela que caiu do Céu é também identificada como sendo o anjo do poço do abismo. Sua queda aconteceu antes do toque das trombetas. Na terceira trombeta, a Estrela caída se chamava Absinto, que envenenou a mensagem original do Evangelho (simbolizado pelo termo 'águas'). Misturou a verdade com falsos ensinamentos e deu essa mistura de beber ao povo. As águas envenenadas causaram a morte de muitos.

*** A chave do poço do abismo ***: Antes de falarmos sobre a chave, precisamos primeiro entender o que é o poço do abismo. A expressão grega usada aqui é “phreatos tēs abyssou”. Ela significa exatamente buraco do abismo. A palavra abismo é também encontrada em Gênesis 1:2: "E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas." A palavra hebraica traduzida como "abismo" é ṯə-hō-wm. Algumas versões traduzem esse termo como "profundezas". Vemos a palavra ṯə-hō-wm usada também na história do Dilúvio. A Bíblia diz que "No ano seiscentos da vida de Noé, no mês segundo, aos dezessete dias do mês, naquele mesmo dia se romperam todas as fontes do grande abismo, e as janelas dos céus se abriram" (Gênesis 7:11, veja também Gênesis 8:2). Esses não são os únicos exemplos onde a palavra abismo é usada. Foi usada também para descrever um lugar vazio, de desolação (Jeremias 4:23-30). Um conceito semelhante é encontrado em Ezequiel 26:19, com a palavra "assolada" ou "abandonada"; e em Isaías 24:21-23, com a palavra "masmorra", onde os exércitos rebeldes do Céu e os reis da Terra serão confinados antes de sua punição (Isaías 24:21-23).

Vamos agora falar sobre a chave desse lugar. Essa chave é um instrumento que pode fechar ou abrir o abismo. Sozinha, a chave é apenas um objeto. Sua importância vem do saber quem a tem e quem pode usá-la. 'Chave' é um símbolo de autoridade e de controle. Lemos no Novo Testamento, que Jesus é quem tem o poder de enviar as forças demoníacas para o abismo. Certa vez, Jesus retirou muitos demônios de um homem (Lucas 8:26-39). Eles estavam sujeitos ao comando de Jesus para deixarem aquele homem. O poder de Deus era (e ainda é) maior que a força que os anjos caídos podem ter sobre as pessoas. Os demônios imploraram que Jesus "não os mandasse para o abismo" (Lucas 8:31). Jesus não somente tinha o poder para mandar que saíssem do homem, mas também para mandar todos eles para o abismo. Jesus é quem tem as chaves do poço do abismo. Jesus é também aquEle que tem as chaves da morte e dos sepulcros (Apocalipse 1:18; veja estudo #10).

A palavra abismo é um símbolo da capacidade que Deus tem de deter e restringir os anjos maus enquanto eles aguardam Seu julgamento. É mais importante entender esse conceito do abismo como sendo o poder que Deus tem sobre eles, do que como um local real ou caverna subterrânea onde eles se reúnem. O ponto é: Deus está no controle (Judas 1:6;  2 Pedro 2:4; Apocalipse 20:1-3). Eles não podem prosseguir com suas atividades a não ser que Deus lhes dê a permissão. Os verso em Apocalipse 9:1,2 nos diz que Satanás recebeu permissão de sair do abismo e iniciar seu trabalho de cobrir a Terra com sua fumaça. A princípio, essa ação pode parecer estranha. Nós não compreendemos tudo que Deus enxerga da situação em que nos encontramos. Da mesma maneira como Deus deu a Satanás permissão para testar Jó (Jó 1:6-12), Ele está dando permissão para que Satanás prepare seus ataques na Terra. Jó saiu de sua experiência com um relacionamento com Deus muito mais forte e com uma confiança no Senhor mais revigorada. Do mesmo modo, os ataques do inimigo não poderão derrubar as pessoas do caminho da Eternidade se elas confiarem em Deus completamente, mesmo quando não estiverem compreendendo o que estiver acontecendo.

*** Fumaça saiu do abismo, e escureceu o sol e o ar ***: Assim que Satanás recebeu a permissão de agir, vários símbolos foram usados no texto para nos dizer o que aconteceu em seguida. O primeiro símbolo é fumaça, que saiu do poço do abismo. João descreve essa fumaça como a que sai de uma fornalha. No Antigo Testamento, o termo "fumaça de fornalha" aparece na descrição da destruição de Sodoma e Gomorra (Gênesis 19:28) e quando o Senhor desceu no Monte Sinai, para dar a Moisés os Dez Mandamentos (Êxodo 19:18). No fim do verso em Apocalipse 9:2, vemos que a fumaça saindo do abismo é responsável pelo escurecimento do sol e do ar. Ao contrário do escurecimento que ocorreu na quarta trombeta, que foi parcial e afetou um-terço dos astros, a escuridão vista no quinto selo é completa. Até mesmo o ar é afetado. Esse tipo de escuridão nos faz lembrar da escuridão descrita na nona. praga do Egito (Êxodo 10:21). Nesse ponto do verso de Apocalipse, ainda não sabemos do que essa fumaça se trata. Apenas sabemos seu efeito: escuridão na Terra.

*** Gafanhotos saem da fumaça ***: O fato de a escuridão de Apocalipse 9:2 também afetar o ar, não é uma coincidência. A razão disso se torna clara no texto seguinte: do poço do abismo saiu voando uma nuvem de gafanhotos. Nas pragas do Egito, vemos a praga dos gafanhotos (Êxodo 10:1-20), que aconteceu imediatamente antes da praga da escuridão que mencionamos antes. Durante a praga dos gafanhotos, a terra do Egito também foi coberta de escuridão (Êxodo 10:15). Escuridão e gafanhotos são símbolos dos julgamentos de Deus (Joel 1:1-12). A consequência da rejeição à luz é a escuridão espiritual (João 3:18-21).

*** Gafanhotos com poder de escorpião ***: Os gafanhotos saindo do abismo não eram gafanhotos comuns. Eles haviam recebido poder para serem como escorpiões. Mais uma vez, temos aqui a expressão "foi-lhes dado poder". Esses gafanhotos receberam a permissão de fazer seu trabalho com habilidades de escorpião. Eles parecem estar numa missão de vida ou morte. A natureza dessa cena é bastante simbólica, o que se acentua pelo fato desses gafanhotos se comportarem de uma maneira diferente do que naturalmente haveria de se esperar. Mas isso vai se tornar mais claro nos próximos estudos.

*** Visão Geral ***: O poço do abismo são as circunstâncias pelas quais os anjos caídos são restringidos e atados sob o poder de Deus. Eles não têm permissão de agir e obliterar a humanidade. Deus respeita o livre arbítrio dos seres humanos tão profundamente, que Ele permite que as pessoas escolham em quem querem acreditar. Em alguns momentos, Ele permite que as forças demoníacas entrem em ação. As pessoas têm que fazer uma escolha. Será que querem acreditar nas águas contaminadas e na nuvem de gafanhotos e, ao mesmo tempo, rejeitar a Luz da Vida? Ou será que querem receber Cristo em suas vidas, e seguirem a verdade de Deus? Os primeiros três versos da quinta trombeta parecem ser assustadores. Mas o ponto principal que precisamos focalizar é que Deus é quem está no controle da situação. Ele sabe o quanto limitar as atitudes desses anjos caídos que estão saindo da restrição em um enxame. Precisamos manter em mente a história de Jó, e nos lembrarmos de que se formos fiéis, nossa salvação é garantida. Podemos não entender os métodos de Deus. Podemos até não entender o próprio Deus. Mas podemos confiar no Seu poder e santidade, e nos assegurarmos de que tudo que Ele faz é com a intenção de nos fazer saber que Ele é Deus.

1  And the fifth angel sounded, and I saw a star fall from heaven unto the earth: and to him was given the key of the bottomless pit.

2  And he opened the bottomless pit; and there arose a smoke out of the pit, as the smoke of a great furnace; and the sun and the air were darkened by reason of the smoke of the pit.

3  And there came out of the smoke locusts upon the earth: and unto them was given power, as the scorpions of the earth have power.

 

Part 1 - Revelation 9:1-3

 

*** Star fell from Heaven ***: We saw the star that fell from Heaven when we talked about the third trumpet (Revelation 8:10-11). In study #54, we saw that the star that fell from Heaven was Satan. He was known as Lucifer before he was cast out of Heaven. We read about his fall in Isaiah 14:12-21. “How are you fallen from heaven, O Lucifer, son of the morning! how are you cut down to the ground, who did weaken the nations!” (Isaiah 14:12). Based on Revelation 9:1 and Revelation 9:11, we can see that the star that fell from Heaven is also identified as the angel of the bottomless pit (or the abyss, depending on the translation). His fall happened prior to the sounding of the trumpets. In the third trumpet, the fallen star was called Wormwood, and it poisoned the original message of the Gospel (symbolized by the term ‘waters’). It mixed the truth with false teachings and gave that mix for people to drink. The poisonous waters caused the spiritual death of many.

*** The key to the bottomless pit ***: Before we talk about the key, we need to understand what that the abyss (or bottomless pit) is in the first place. The Greek expression used here is “phreatos tēs abyssou”. It means the pit of the abyss.The word abyss is also found in Genesis 1:2: “And the earth was without form, and void; and darkness was upon the face of the deep. And the Spirit of God moved upon the face of the waters.” The Hebrew word translated as “deep” is the word ṯə-hō-wm, which also means sea and abyss. We see the word ṯə-hō-wm being used during the account of the Flood. The Bible says that the “all the fountains of the great deep [were] broken” (Genesis 7:11, see also Genesis 8:2). These are not the only instances where the word abyss is used. It was used to describe a place of emptiness and desolation (Jeremiah 4:23-30). A similar concept is found in Ezekiel 26:19, with the word void; and in Isaiah 24:21-23, with the word dungeon, referring to the prison where the rebellious hosts of Heaven and kings of the earth will be confined before their punishment.

Now, let’s talk about the key to this place. The key is the instrument that can open or close the abyss. By itself, any key is just an object. Its importance comes from knowing who has it and can use it. ‘Key’ is a symbol of authority and control. We read in the New Testament, that Jesus is the One with the power to send demonic forces to the abyss. One time, Jesus cast many demons out of one man (Luke 8:26-39). They were subject to Jesus’ command to leave that man. The power of God was, and still is, greater than the grip that fallen angels may have over people. The demons begged Jesus not to “command them to go out into the abyss” (Luke 8:31). Jesus not only had the power to order them out of the man but also to order them to go to the abyss. Jesus is the one who has the keys to the bottomless pit. Jesus is also the One with the keys to death and the graves (Revelation 1:18, please see study #10).

The word abyss is a symbol for the ability that God has to confine and restrict the evil angels while they await their judgment. It is more important that we understand this concept of the abyss as the power that God has over them, than a physical place or underground cavern where they gather. The point here is that God is in control (Jude 1:6; 2 Peter 2:4; Revelation 20:1-3). They cannot move about, unless God allows them to. Revelation 9:1-3 tell us that Satan was given permission to move out of the abyss, and initiate his work of covering the Earth with his smoke. At first, this action may sound very strange. The fact is we don’t understand all that God understands of the situation we are in. Just as when God gave Satan permission to test Job (Job 1:6-12), He is giving Satan permission to prepare his attacks on Earth. Job came out of his experience with a much stronger relationship with God and a with a more invigorated trust in the Lord. In the same way, the enemy’s attacks will not knock people off the path to Eternity if they keep their truth entirely on God, even when they don’t understand what is going on.

*** Smoke came out of the pit, and darkened the sun and the air ***: As soon as Satan was permitted to act, a series of symbols is used to tell us what happened next. The first symbol is smoke, which came out of the pit of the abyss. John describes this smoke as the one that comes out of a furnace. In the Old Testament the term “smoke of a furnace” appears in the description of the destruction of Sodom and Gomorra (Genesis 19:28), and when the Lord descended on mount Sinai, to give Moses the 10 Commandments (Exodus 19:18).The end of the verse in Revelation 9:2, we see that the smoke coming out of the pit is responsible for darkening the sun and the air. Unlike the darkness in the fourth trumpet, which was partial and affecting one-third of the celestial bodies, the darkness seen in the fifth trumpet are not measured. We have the impression that the darkness is complete. Even the air is affected. This type of darkness reminds us of the darkness described in the 9th Egyptian plague (Exodus 10:21). At this point in the verse in Revelation, we still don’t know what the smoke is all about. We only know its effect: it causes darkness on the Earth.

*** Locusts came out of the smoke ***: The fact that the darkness of Revelation 9:2 also affects the air, is not a coincidence. The reason for that becomes clear in the next verse: out of the pit of the abyss, came flying a cloud of locusts. Going back to the Egyptian plagues, we see the plague of locusts (Exodus 10:1-20), which came right before the plague of darkness that we just talked about. During the plague of the locusts, the land of Egypt was also covered with darkness (Exodus 10:15). Darkness and locusts are symbols of God’s judgments (Joel 1:1-12). The consequence of rejecting light is spiritual darkness (John 3:18-21).

*** Locusts with scorpion power ***: The locusts coming out of the pit weren’t ordinary locusts.They received power to be like scorpions. Here we have, once again, the expression “received power”. These locusts were permitted to do their locust work carrying scorpion abilities. They seem to be on a deadly mission. The nature of this scene is very symbolic. This is accentuated by the fact that these locusts behave in a manner different from what would be expected naturally. But this will be more clear in the next studies.

*** Overview ***: The bottomless pit, or abyss, is the circumstances by which the fallen angels are restricted and bound under the power of God. They are not allowed to act and obliterate humanity. God’s respect for human free will is so profound that He allows people to choose who and what they want to believe in. Sometimes, He allows for the demonic forces to act. People will have to make a choice. Do they want to believe in the contaminated waters and in the cloud of locusts and, at the same time, reject the Light of Life? Or do they want to receive Christ in their lives, and follow God’s truth? The first three verses of the fifth trumpet may seem frightening. But the main point we must take from this section, is that God is the one in control of the situation. He knows how much to limit the actions of these fallen angels that are swarming out of restriction. We must keep the story of Job in mind, and remember that if we are faithful, our salvation is guaranteed. We may not understand God’s methods. We may not even understand God but we can trust in His power and holiness. We can be assured that everything He does is with the intention to make us know He is God.

13  E olhei, e ouvi uma águia que, voando pelo meio do céu, dizia com grande voz: Ai, ai, ai dos que habitam sobre a terra! por causa dos outros toques de trombeta dos três anjos que ainda vão tocar. (Almeida Revisada Imprensa Bíblica)

 

*** Uma águia voando ***: A palavra 'águia' foi traduzida do grego aetos, que significa "abutre, águia". Essa palavra é usada novamente em Apocalipse 19:17-18. Algumas versões da Bíblia traduziram a palavra aetos como anjo. Mas quando comparamos com outros versos, podemos ver que a palavra abutre ou águia combina melhor com o julgamento dos oráculos contra Israel, que lemos no Antigo Testamento (Deuteronômio 28:49; Ezequiel 32:4; Ezequiel 39:17). Oséias 8:1 diz: "Põe a trombeta à tua boca. Ele vem como águia contra a casa do Senhor; porque eles transgrediram o meu pacto, e se rebelaram contra a minha lei." O soar da trombeta aconteceria por causa da transgressão ao concerto de Deus e à Sua Lei. Os que haviam apostatado seriam lançados para fora, e os abutres (aves do céu) pousariam sobre eles (Ezequiel 32:4). Essa imagem nos faz lembrar de algo que Jesus disse. Quando falava sobre os eventos perto de Sua Segunda Vinda, Jesus disse: "Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias." (Mateus 24:28). A palavra grega usada nesse verso também é a palavra aetos. O ponto é que, algumas pessoas não serão ajuntadas quando a trombeta soar. Elas estarão do lado de fora, aguardando os abutres.

Existem muitos exemplos na Bíblia mostrando que aquele carregando o pecado é retirado de cena. Adão e Eva foram mandados para fora do Eden quando o pecado veio ao mundo (Gênesis 3:23-24). Caim foi enviado para fora da região após matar seu irmão (Genesis 4:14,16). Jesus, foi levado para fora da cidade, onde foi pregado na cruz, carregando os pecados do mundo em seus ombros (João 19:16,17). No Dia da Expiação, dois bodes faziam parte do fim do ritual; um devia ser o sacrifício queimado, e o outro devia ser levado para fora do acampamento, simbolicamente carregando embora o registro dos pecados que haviam se acumulado no tabernáculo durante o ano (Levítico 16:21,22). Esse era o bode expiatório, ou emissário. Como o texto e simbolismo de Apocalipse segue a mesma ordem do ritual de sacrifício do Antigo Testamento, podemos ver exatamente em Apocalipse, onde está o evento equivalente ao bode expiatório. Essa parte com o bode acontecia ao final da cerimonia, após o ritual de sacrifício. Então, a parte correspondente em Apocalipse se encontra também nos momentos finais do livro. Em Levítico 16:21,22, lemos que o bode expiatório era para ser levado para um local de desolação, fora do acampamento. Da mesma maneira, vemos em Apocalipse 20:1-3, 7-10, que Satanás será aprisionado no abismo por mil anos (local de desolação, completamente separado do local onde os salvos estarão). Depois de algum tempo ele será solto para receber sua sentença final. Satanás não carrega os pecados como símbolo de remissão do pecador que se arrependeu. Ele carrega o pecado porque sua natureza maléfica é revelada no fim da história do mundo. Ele é a personificação da separação de Deus causada pelo pecado. Assim, como o era o bode expiatório, Satanás será enviado para fora dos limites onde se encontra o povo de Deus.

Em todos esses exemplos, vemos aquele que carrega o pecado sendo colocado no banco dos réus, do lado de fora do acampamento de Deus, longe dos escolhidos. O trabalho de Cristo é tirar o pecado do mundo (1 João 3:5; João 1:29). Foi isso que Ele fez na cruz. Ele pagou o preço pelo pecador, mesmo sendo inocente. Mas o fato de Jesus ter cumprido a sentença que era nossa, não faz com que o julgamento em que nos encontramos acabe por aí. O verdadeiro culpado ainda tem que ser identificado. As acusações de Satanás contra Deus foram fortes. Mas no Calvário, o caráter de Deus e o de Satanás foram revelados. O sangue de Cristo removeu o pecado do pecador. No entanto, Jesus é inocente. Satanás é o verdadeiro culpado nesse julgamento. Chegará o momento dele receber sua sentença, por toda a dor e todo o pecado que se desencadeou por sua causa.

Em Lucas 17:34-37, Jesus contou ao povo uma analogia a respeito dos salvos e daqueles que não iriam entrar no reino de Deus. Nesse cenário, algumas pessoas seriam tomadas, e outras deixadas. Aqueles sendo tomados estavam, aparentemente, fazendo um trabalho muito semelhante àqueles que seriam deixados: alguns estavam dormindo, outros moendo e outros semeando no campo. Mas, de alguma maneira, eles acabaram vivendo experiências diferentes, no fim. Os discípulos estavam curiosos para saber para onde eles haviam sido levados, e logo veio a pergunta: "[...] Onde, Senhor? E ele lhes disse: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão as águias." (Lucas 17:37). A palavra 'águia' nesse verso também é aetos. Existe muita confusão a respeito desses versos, e as pessoas podem pensar que aqueles sendo tomados são os que estão salvos, e os que estão sendo deixados são os que vão se perder. Mas Jesus deixa claro: aqueles sendo retirados são os que enfrentarão os abutres. Eles serão o alvo de Seu julgamento. Jesus irá retirar o pecado do acampamento. Esses versos não representam pessoas sendo secretamente arrebatadas para o Céu, enquanto aqueles que permanecem são deixados para trás, para enfrentar tribulações. Esses versos demonstram a justiça de Cristo, ao executar Seus julgamentos. Os abutres ao redor daqueles que são retirados do reino de Deus estão ali por causa daqueles que "transgrediram o [Seu] pacto, e se rebelaram contra a [Sua] lei" (Oséias 8:1).

*** Três ais ***: A palavra 'ai' foi traduzida do grego oúaí, que é uma expressão de tristeza e denuncia. Em Apocalipse 8:13, como vemos no texto em grego, os abutres estão anunciando 3 ais iminentes, vindo sobre os moradores da Terra. Cada um dos ais vem com uma das trombetas seguintes. Este não é o único exemplo na Bíblia onde essa palavra foi usada. Mateus 18:7,8 é um bom exemplo de um ai semelhante. Jesus estava falando com os discípulos a respeito daqueles que entrariam no reino do Céu. Ele disse: "Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem! Portanto, se a tua mão ou o teu pé te escandalizar, corta-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida coxo, ou aleijado, do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno." O ai virá por causa das ofensas, ou escândalos, do mundo. Aqueles que causaram essas ofensas irão sofrer. Da mesma maneira que temos que cortar fora e retirar qualquer coisa que nos leva a pecar, Jesus irá cortar fora e retirar as partes apóstatas do Corpo de Cristo (a Igreja). O termo 'ai' é mencionado em outras partes de Apocalipse: Apocalipse 9:12; Apocalipse 11:14; Apocalipse 12:12; Apocalipse 18:10. Esses versos se referem às coisas terríveis que vão acontecer com aqueles que se opõem a Deus.

*** Os que habitam sobre a terra ***: Mais uma vez, vemos o alvo dos julgamentos de Deus. Aqueles que habitam sobre a terra são o contraste aos cidadãos do Céu (veja o estudo #42). Em Apocalipse 12:12, vemos que os que habitam no Céu deveriam se alegrar, enquanto aqueles que habitam na Terra são o alvo da exclamação do ai. Os fiéis escolhidos de Deus não são os que estão nessa mira. Esse conceito vem sendo repetido em todas as trombetas até agora. Ainda há tempo para os habitantes da terra fazerem uma escolha diferente, se eles atenderem ao chamado de Deus.

*** Visão Geral ***: As primeiras quatro trombetas foram um alerta àqueles que haviam saído para fora do caminho da verdade. As próximas três trombetas irão mostrar como os eventos vistos nas quatro primeiras, se desenvolveram. Apocalipse 8:13 é o anúncio do perigo iminente, alertando a respeito das atividades demoníacas sendo jogadas sobre as pessoas que rejeitaram a verdadeira mensagem de Deus. A presença dos abutres anunciando os ais, indica que a intensidade dos julgamentos de Deus está para aumentar. Os abutres já estão voando sobre as carcaças daqueles que estão espiritualmente mortos. Se o alerta está sendo feito publicamente, é porque os moradores da Terra ainda têm tempo de mudar de lado, e sair do caminho sem saída. Eles ainda podem passar a trilhar o caminho do vencedor. Eles ainda podem ser completamente transformados pelo sangue redentor de Jesus. "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." (2 Coríntios 5:17).

13 Then I looked, and I heard an eagle flying in midheaven, saying with a loud voice, “Woe, woe, woe to those who dwell on the earth, because of the remaining blasts of the trumpet of the three angels who are about to sound!” (New American Standard Version )

 

*** An eagle flying ***: The word ‘eagle’ was translated from the Greek aetos, which means “vulture, eagle”. This word is used again in Revelation 19:17-18. Some Bible versions translated the word aetos as angel. But when we compare to other verses, we can see that the word vulture or eagle would match the judgement oracles against Israel we read about in the Old Testament (Deuteronomy 28:49; Ezekiel 32:4; Ezekiel 39:17). Let's look at Hosea 8:1: “Set the trumpet to your mouth. He shall come as an eagle over the house of the LORD, because they have transgressed my covenant, and trespassed against my law.” The blowing of the trumpet was going to happen because of the transgression of God’s covenant and of His Law. The apostate people would be cast out, and the vultures would be upon them (Ezekiel 32:4). This imagery reminds us of some things Jesus said. When talking about the events surrounding His Second Coming, Jesus said: “For wherever the carcass is, there will the vultures be gathered together.” (Matthew 24:28). The Greek word used in this verse is also aetos. The point is, some people will not be round up when the trumpet sound. They will be out, waiting for the vultures.

There are many examples in the Bible of times when the one carrying the sin is taken out of the scene. Adam and Eve were taken out of Eden when sin first came into the world (Genesis 3:23-24). Cain was sent out of the region after killing his brother Abel (Genesis 4:14). Jesus, in a similar way, was taken out of the city, where He was hung on the cross, carrying the sins of the world on his shoulders (John 19:16,17). On the Day of Atonement, two goats were involved in the end of the sacrificial ritual; one was to be the burned sacrifice, and the other was to be taken out of the camp, symbolically carrying away the recorded sins that had accumulated in the tabernacle during the year (Leviticus 16:21,22). It was the scapegoat. This part with the goat happened at the end of the ceremony, after the sacrifice ritual. The correspondent part in Revelation is also found in the final moments of the book. In Leviticus 16:21-22, we read that the scapegoat was to be taken out to a desolate place, outside of the camp. In the same manner, we see in Revelation 20:1-3,7-10 that Satan will be imprisoned in the abyss for one thousands years (a place of desolation, completely separate from the place where the saved will be). After some time, he will be let loose in order to receive his final sentence. Satan does not carry the sins as a symbol of the remission of the repented sinner. He carries the sin because his evil nature is revealed at the end of the history of the world. He is the embodiment of the separation from God caused by sin. Just as it was with the scapegoat, Satan will be sent out of the limits where God’s people are.

In all these examples, we see the one carrying the sin being placed on trial, outside God’s camp, away from the chosen ones. The work of Christ is to take sin away (1 John 3:5; John 1:29). This is exactly what He did at the cross. He paid the price for the sinner, even though He was innocent. But the fact that Jesus served the sentence that was ours, doesn’t finalize the trial we are on. The truly guilty party still needs to be identified. Satan’s accusations against God were heavy. But Calvary revealed God's character, and also Satan’s. The blood of Christ removed the sin from the sinner, even though Jesus was innocent. Satan is the true guilty one in this trial. The moment will come for him to receive his sentence for all the iniquity that was generated because of him.

In Luke 17:34-37, Jesus told the people an analogy about the saved people and the ones who would not enter the kingdom of God. In His scenario, some people would be taken away, some would be left. The ones taken away seemed to be doing very similar work to the ones who were left: some were asleep, some were grinding and some were working the field. But somehow, they ended up going through different experiences. The disciples were curious about where they were taken to, and soon the question came: “Where, Lord? And he said unto them, Wherever the body is, there will the vultures be gathered together.” (Luke 17:37). The Greek word for vultures in this verse is also aetos. There is a lot of confusion about these verses, and people may think that the ones being taken away are the ones saved, and the ones staying are the lost people. But Jesus is clear: the ones being taken away are the ones who will be facing the vultures. They will be the target of His judgments. Jesus will take sin away of the camp. These verses are not a representation of people being secretly taken to Heaven, while the ones who stay behind are left to face trials. These verses are the demonstration of Christ’s justice as He executes His judgments. The vultures surrounding the ones taken out of the kingdom of God are there because they have “transgressed [God’s] covenant, and trespassed against [His] law” (Hosea 8:1).

*** Three woes ***: The word “woe” was translated from the Greek oúaí, which is an expression uttered in grief or denunciation, such as alas. In Revelation 8:13, the vulture is announcing three imminent woes that are coming towards those who dwell on Earth. Each of the woes comes with one of the following trumpets. But these instances are not the only moments in the Bible where this word was used: Matthew 18:7,8 is a good example of a similar woe. Jesus was speaking to the disciples about those entering the kingdom of Heaven. He said: “Woe unto the world because of offenses! for it must needs be that offenses come; but woe to that man by whom the offense comes! Therefore if your hand or your foot offend you, cut them off, and cast them from you: it is better for you to enter into life lame or maimed, rather than having two hands or two feet to be cast into everlasting fire.” The woe comes because of the offenses of the world. And those causing these offenses will suffer. Just as we have to cut off and cast out anything that may be leading us to sin, Jesus will cut off and cast out the apostate parts of the Body of Christ (of the church). The term woe/Alas is mentioned in other parts of Revelation: Revelation 9:12; Revelation 11:14; Revelation 12:12; Revelation 18:10. These verses refer to the terrible things that will happen to those who oppose God.

*** Those who dwell on the earth ***: Once again, we see the target of God’s judgments. Those who dwell on the Earth are a contrast to the citizens of Heaven (see study #42). In Revelation 12:12, we see that the ones who dwell in Heaven should rejoice, while the ones who dwell on Earth are the target of the woe exclamation. The faithful chosen people of God are not the ones who will be targeted. And this concept is repeated throughout all of the trumpets so far. There is still time for the inhabitants of the Earth to make a different choice if they heed to God’s call.

*** Overview ***: The first four trumpets were warnings to those who had fallen out of the path of the truth. The next three trumpets show how the events seen in the first four went on to develop. Revelation 8:13 is an announcement of impending danger, warning about the demonic activities being unleashed on those people who rejected the true message of God. The presence of the vulture making the woe statement indicates that the intensity of God’s judgments is about to increase. The vultures are already flying over the carcasses of the spiritually dead. If the alert is being made public, it's because the people of the Earth still have time to change sides, and leave the dead end trail. They can still tread the path of the one who overcomes. They can still be completely transformed by the redeeming blood of Jesus. “Therefore if anyone is in Christ, he is a new creature; the old things passed away; behold, new things have come.” (2 Corinthians 5:17).

12 E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e semelhantemente a noite.

 

*** O sol, a lua, e as estrelas ***: O sol, a lua e as estrelas são mencionados pela primeira vez na Bíblia durante a criação. Deus criou esses astros luminosos no quarto dia. "E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos. E sejam para luminares na expansão dos céus, para iluminar a terra; e assim foi. E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas. E Deus os pôs na expansão dos céus para iluminar a terra, e para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom. E foi a tarde e a manhã, o dia quarto." (Gênesis 1:14-19). Os corpos celestes foram criados para marcarem claramente momentos diferentes durante o ciclo terrestre de 24 horas. O objetivo era "iluminar a terra" (Gênesis 1:15). O sol, a lua e as estrelas são a fonte de luz do nosso planeta.

*** A terça parte do sol, da lua, e das estrelas escureceu ***: No Antigo Testamento, o escurecimento do sol, lua e estrelas está associado com a execução dos julgamentos de Deus sobre Seus inimigos (Ezequiel 32:7-8; Isaías 13:9-11; Joel 3:15), e também sobre Seu próprio povo (Amós 5:18; Joel 2:1-2, 10). Um dos primeiros exemplos disso foi durante a 9a. praga do Egito (Êxodo 10:21-29), a praga da escuridão. A escuridão era tão intensa, que podia ser sentida (Êxodo 10:21). Por três dias, a luz não brilhou no Egito. Mas a escuridão não foi global. Ela tinha um alvo, e estava focalizada apenas sobre aqueles que estavam rejeitando os comandos de Deus. Um dos pontos principais ressaltados nesse trecho, é que somente aqueles que rejeitaram a verdade ficaram na escuridão. Êxodo 10:23 nos diz que os israelitas "tinham luz em suas habitações."

No Novo Testamento, lemos sobre como Satanás cega os incrédulos de tal maneira, a ponto de não poderem ver "a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus." (2 Coríntios 4:4). Jesus é a luz do mundo (2 Coríntios 4:6; João 1:9; João 8:12; João 12:46; Lucas 1:79). Jesus disse: "E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más." (João 3:19). Quando as pessoas rejeitam a Fonte de Luz, elas trazem sobre si mesmas a escuridão e os julgamentos de Deus. Quando seguimos a Cristo, deixamos de trilhar o caminho da escuridão (João 8:12).

Como vimos nas primeiras três trombetas, o julgamento que ocorre com o toque da quarta trombeta é parcial, e cai sobre um terço dos corpos celestes. Quando as pessoas se distanciam de Deus e rejeitam a verdade, elas se enterram cada vez mais fundo na escuridão. Nossa rejeição, descrença, e desobediência bloqueiam a conexão entre a luz de Deus e nós mesmos. Assim, não podemos ver Sua verdade da maneira que Ele quer que Sua mensagem seja apresentada, porque não estamos permitindo o fluxo de Sua luz. O dia se torna em escuridão quando nossa conexão com Deus é interrompida (Miquéias 3:6). Deus respeita nosso direito de escolha, mesmo quando isso significa que O rejeitamos. Mas Ele deseja, com urgência, que todos nós conheçamos a verdade antes de tomar uma decisão final. Ele nos alerta contra sermos enganados por falsos ensinamentos (Mateus 24:11). Não existe luz nos assuntos espirituais que não são baseados nos princípios e ensinos contidos nas Escrituras (Isaías 8:20).

*** A terça parte do dia escureceu, "e semelhantemente a noite" ***: Nessa parte de Apocalipse 8:12, vemos uma consequência interessante do escurecimento da terça parte do sol, da lua, e das estrelas. É o escurecimento da terça parte do dia e da noite. Esse trecho nos faz lembrar mais uma vez da criação. A separação entre dia e noite não aconteceu no quarto dia, quando Deus criou o sol, a lua, e as estrelas. Aconteceu no primeiro dia, quando Ele criou a luz: "E disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas. E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro." (Gênesis 1:3-5). Esse texto nos diz que foi Deus que separou a luz da escuridão. No quarto dia da criação, lemos sobre a função do sol e da lua: "E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite" (Gênesis 1:16). Em Apocalipse 8:12, os governadores sol e lua estão parcialmente bloqueados, e não podem brilhar. Mas os efeitos são sentidos apenas sobre um-terço do dia e um-terço da noite. O bloqueio parcial da luz não afetou o dia inteiro. Isso enfatiza o fato de que o julgamento trazido com o soar da quarta trombeta não é global. Ele afeta apenas uma porção das pessoas, durante um período limitado de tempo. Escuridão e noite, nessa analogia, não são equivalentes. De acordo com o verso, a noite também foi afetada pela escuridão da lua. A ideia principal nesse verso focaliza mais nas barreiras que colocamos entre nós mesmos e Deus. Essas barreiras interferem com a nossa habilidade de receber luz espiritual diretamente da fonte.

*** Aplicação profética ***: No estudo #54, vimos como a terceira trombeta retratou o período conhecido como a Idade Média, também conhecido como Idade das Trevas. Durante esse período da história, as pessoas tinham acesso muito limitado às Escrituras e à Verdade. Como resultado, apostasias e ensinamentos falsos inundaram a Igreja. Surgiu então, um movimento de Reforma, e muitas pessoas se tornaram novamente interessadas em conhecer as verdades Bíblicas. Esse movimento tomou uma direção que, possivelmente, não era parte da visão original dos reformadores originais. Discussões teológicas se transformaram em polêmicas e em debates para serem vencidos. Religião passou a ser cada vez menos a respeito de desenvolver um relacionamento com Cristo. Essa mentalidade levou as pessoas a se afastarem da fé, da crença em Deus, e da dependência no Salvador, que é a suprema fonte de luz espiritual. É irônico que esse período que seguiu a Idade das Trevas e Reforma foi chamado de Iluminismo. Esse período durou do século 16 ao século 18. As pessoas passaram a valorizar a razão, e a completamente rejeitar as verdades Bíblicas. A rejeição das crenças religiosas geraram uma série de propostas filosóficas, como racionalismo, ceticismo, humanismo, e liberalismo. Todas essas propostas levaram ao desenvolvimento de um novo princípio: secularismo. Sem entrar em muitos detalhes, Secularismo é o conceito de separação entre a igreja e o estado. É a ideia de que os negociosos do governo não devem estar conectados com as atividades religiosas. Com o tempo, muitos significados incorretos foram atribuídos a esse termo, mas esse é o significado que foi originalmente concebido, e é ainda o que esse termo quer dizer. Não há dúvidas de que o secularismo trouxe muitos resultados positivos à civilização ocidental, como liberdade religiosa, artes, educação, medicina, entre outros. Mas com certeza teve também um impacto negativo sobre o Cristianismo. Houve uma mudança de foco, do espiritual para o material. A razão humana substituiu a autoridade Bíblica e a fé. O "próprio-eu" se tornou o centro das atenções, ao invés de Deus. Nesse modo de pensar, Cristo já não mais podia ser o único caminho para uma vida espiritual.

*** Visão Geral ***: Quando a Fonte de Luz é rejeitada, as linhas que demarcam a verdade se tornam esfumaçadas. Quando não estamos olhando a nossa existência no mundo através da luz de Deus, discernir o certo do errado se torna muito mais difícil. Sem a Palavra de Deus, é muito difícil permanecer no caminho do vencedor, ou mesmo encontrar esse caminho. O Salmo 119:105 diz: "Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra, e luz para o meu caminho." Os efeitos do bloqueio parcial da verdade após a Idade Média ainda estão sendo sentidos nos dias de hoje. Mas Deus está nos chamando para fora da escuridão, para levantar e resplandecer, porque a glória do Senhor vai nascendo sobre nós (Isaías 60:1-3; Mateus 4:16; Colossenses 1:12-14). As primeira quatro trombetas vêm em pares. As primeiras duas lidam com a punição derramada sobre as duas nações responsáveis pela rejeição a Jesus, numa escala geral. As duas trombetas seguintes lidam com o julgamento derramado sobre a Igreja apóstata, e com as consequências dessa rejeição a nível mais pessoal. A quarta trombeta identifica a escuridão em que as pessoas se encontram quando elas negam os ensinamentos de Deus. Isso aconteceu no passado. Ainda acontece hoje. Quando compreendemos que essa é a situação que nos encontramos, podemos fazer algo a respeito. Precisamos dar ouvidos ao chamado que recebemos do Pai: "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (1 Pedro 2:9).

12 And the fourth angel sounded, and the third part of the sun was smitten, and the third part of the moon, and the third part of the stars; so as the third part of them was darkened, and the day shined not for a third part of it, and the night likewise.

 

*** The sun, the moon, and the stars ***: The first time in the Bible where the sun, the moon, and the stars are mentioned is during creation. God created them on the fourth day. “And God said, Let there be lights in the firmament of the heaven to divide the day from the night; and let them be for signs, and for seasons, and for days, and years: And let them be for lights in the firmament of the heaven to give light upon the earth: and it was so. And God made two great lights; the greater light to rule the day, and the lesser light to rule the night: he made the stars also. And God set them in the firmament of the heaven to give light upon the earth, And to rule over the day and over the night, and to divide the light from the darkness: and God saw that it was good. And the evening and the morning were the fourth day.” (Genesis 1:14-19). As God said, the sun, moon and stars were put in place in order “to divide the day from the night” (Genesis 1:14). The celestial bodies were the clear demarcation between different moments of the 24-hour earthly cycle. They were “to give light upon the earth” (Genesis 1:15). The sun, the moon, and the stars are the source of light for our planet.

*** The third part of the sun, the moon, and the stars was darkened ***: In the Old Testament, the darkening of the sun, moon and stars is often associated with the execution of God’s judgments over His enemies (Ezekiel 32:7-8; Isaiah 13:9-11; Joel 3:15), as well as His own people (Amos 5:18; Joel 2:1-2,10). One of the first examples of this is the 9th Egyptian plague (Exodus 10:21-29), the plague of darkness. The darkness was so intense in the land of Egypt, that it could be felt (Exodus 10:21). For three days, the light did not shine in Egypt. But the darkness was not global. It was targeted and focused only on those rejecting God’s commands. One of the main points of this passage is that only those rejecting the truth stand in darkness. Exodus 10:23 tells us that the Israelites “had light in their dwellings”.

In the New Testament, we read about how Satan has blinded the non-believers in such a way, that they are unable to see the “light of the glorious gospel of Christ” (2 Corinthians 4:4). Jesus is the light of the world (2 Corinthians 4:6; John 1:9; John 8:12; John 12:46; Luke 1:79). Jesus said: “And this is the condemnation, that light is come into the world, and men loved darkness rather than light, because their deeds were evil.” (John 3:19). People bring on darkness and God’s judgment upon themselves because they reject the Source of Light. When we follow Christ, we will not be left to walk in the darkness (John 8:12).

As we saw in the previous three Trumpets, the judgment that comes with the blowing of the fourth trumpet is partial and falls over one-third of the celestial bodies. As people move away from God and rejected the truth, they bury themselves deeper and deeper into darkness. Our rejection, disbelief, and disobedience block the connection between God's light and ourselves. We can no longer see His truth the way He intends His message to be presented because we are not allowing His light to flow. The day turns into darkness when our connection with God is interrupted (Micah 3:6). God respects our right to choose, even if that means rejecting Him. But He urges all of us to know the truth before coming to a final decision. He warns us against being deceived by false teachings (Matthew 24:11). There is no light in the spiritual matters being promoted if they are not based on principles and teachings contained in scripture (Isaiah 8:20).

*** A third part of the day was dark, “and the night likewise” ***: In this part of Revelation 8:12, we see an interesting consequence of the darkening of the third part of the sun, the moon, and stars. It is the darkening of the third part of the day and night. This section reminds us once again, about creation. The separation between day and night did not happen on the fourth day, when God created the sun, moon, and stars. It happened on the first day, when He created light: "Then God said, 'Let there be light'; and there was light. And God saw the light, that it was good; and God divided the light from the darkness. God called the light Day, and the darkness He called Night. So the evening and the morning were the first day." (Genesis 1:3-5). This text says God was the One who divided the light from the darkness. In the fourth day of creation, we read about the function of the sun and the moon: "the greater light to rule the day, and the lesser light to rule the night" (Genesis 1:16). In Revelation 8:12, the rulers sun and moon are partially blocked from shining. But the effects are only felt over one-third of the day and one-third of the night. The partial blocking of the light did not affect the entire day. This emphasises the fact that the judgment brought with the blowing of the fourth trumpet is not global. It affects only a portion of the people, during a limited period of time. Darkness and night in this analogy are not equivalent. According to the verse, the night was also affected by the darkening of the moon. The idea underlined here is more so on the barriers we place between ourselves and God. Those barriers interfere with our ability to receive spiritual light directly from the source.

*** Prophetic application ***: In Study #54, we saw how the third trumpet portrayed the period known as the Dark Ages. During this time of history, people had very limited access to scripture and to the Truth. As a result, apostasy and false teachings flooded the Church. A movement of Reform raised, and many people once again became interested in finding out Biblical truths. This movement took a direction that was likely not part of the vision of the original Reformers. Theological discussions turned into polemics, and about winning arguments. Religion became less and less about developing a personal relationship with Christ. This frame of mind led people to move away from faith, belief in God, and dependence on the Savior, who is the ultimate source of spiritual light. Ironically, this period following the Dark Ages and Reform was called Age of Enlightenment, which lasted from 16th to 18th centuries. People valued reason, as they completely rejected Bible truths. The rejection of religious beliefs generated a host of philosophical approaches, such as rationalism, skepticism, humanism, and liberalism. All of these ultimately led to the development of a new principle: secularism. Without going into much detail, Secularism is the concept of separation of church and state. It is the idea that government business should not be connected to religious affairs. A number of incorrect meanings have been assigned to this term over time, but this is the meaning it was intended originally and is still what it means. There is no doubt that secularism brought about many positive results to the Western Civilization, like religious liberty, art, education, medicine, and more. But it surely had a significant negative impact on Christianity. There was a shift in focus from the spiritual to the material. Human reason replaced Bible authority and faith. ‘Self’ became the center of attention, instead of God. Under this line of thought, Christ could no longer be the only path to a spiritual life.

*** Overview ***: When the Source of Light is being rejected, the lines that demarcate the truth become blurry. When we are not looking at our existence in this world through God’s light, it becomes much harder to identify what is right and what is wrong. Without the Word of God, it is very hard to remain on the path of the overcomer or to find that to begin with. Psalm 119:105 says: "Your word is a lamp to my feet and a light to my path." The effects of the partial blocking of the truth after the Dark Ages are still being felt today. But God is calling us out of the darkness, to arise and shine, because the glory of the Lord is risen upon us (Isaiah 60:1-3; Matthew 4:16; Colossians 1:12-14). The first four trumpets came in pairs. The first two dealt with the punishment poured on the two nations responsible for the rejection of Jesus, in a general scale. The following two trumpets deal with the judgment cast on the apostate Church, and the consequences of that rejection on a more personal level. The fourth trumpet identifies the darkness people will find themselves in when they deny God’s teachings. It happened in the past. I can still happen today. Once we understand that this is the situation we may be in, we can do something about it. We must hear what the Father has called us to be: “But you are a chosen generation, a royal priesthood, a holy nation, a people for his own; that you should show forth the praises of him who has called you out of darkness into his marvellous light.” (1 Peter 2:9).

10 E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas.

11 E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.

 

*** Uma grande estrela caiu do Céu ***: Na lição #9, estudamos a respeito do mistério das sete estrelas na mão direita de Jesus. Aquelas estrelas eram os mensageiros das igrejas, e Jesus os chamou de anjos (Apocalipse 1:20). A palavra ‘anjo’ em grego é angeloi, e em hebraico é mal·’aḵ. Ela significa mensageiro, ou representante. Mesmo tendo, no Antigo Testamento, uma referencia ao líder da igreja como sendo “mensageiro [mal·’aḵ] do Senhor” (Malaquias 2:7), esse trecho de Apocalipse parece concordar com o significado mais comumente encontrado na Bíblia. No Antigo Testamento, a palavra mal·’aḵ é freqüentemente traduzida como o ser celestial ‘anjo’, como vemos em Juízes 2:4. O anjo/estrela da terceira trombeta é, no entanto, diferente. Ele era grande, e havia caído do Céu como uma tocha. Isaías 14:12-15 fala sobre a queda de Lúcifer que se tornou conhecido como Satanás após sua queda: "Como caíste desde o céu, ó Lúcifer, filho da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo.” Lúcifer era um dos mais elevados anjos do Céu. Mas, seus pensamentos egoístas passaram a ter controle sobre ele, e ele começou a desejar a posição que pertence somente a Deus. Ele queria ser deus. Seu comportamento já não mais era compatível com a maneira que Deus dirige as coisas. A rebelião de Lúcifer o levou a ser lançado para fora do Céu. Jesus mencionou a queda de Satanás em Lucas 10:18: “E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu.

*** A estrela caiu sobre um-terço dos rios e fontes das águas ***: Vamos ver a expressão ‘um-terço’ repetidas vezes nas primeiras quatro trombetas. Os julgamentos deveriam cair em apenas um-terço do grupo. Nesse caso, o texto menciona “rios e fontes das águas”. Veja a explicação completa sobre o significado de ‘um-terço’ na lição #53. Resumindo, o termo um-terço é sempre uma referência ao contexto sendo apresentado de forma incompleta, e está relacionado àqueles que se opõem à verdade. Isso também ocorre na terceira trombeta. Aqueles que rejeitaram a mensagem de Jesus são o alvo dessa praga. Então, o julgamento continua a ser parcial. O julgamento em si, está para vir na forma de rios e fontes. A grande estrela caiu nessas águas. Jesus disse: “Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre.” (João 7:38). Ele também disse em Apocalipse 21:6: “E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida.” O alimento espiritual provém da Água Viva espiritual, que mantém vivos todos aqueles que aceitarem a fonte dessa água: Jesus. Fontes das águas representam os ensinos que podem enriquecer o crescimento espiritual de uma pessoa. É o conhecimento que vem da verdade.

*** A estrela era Absinto ***: A palavra absinto vem do grego absinthes, e do hebraico la-‘ă-nāh. Esses termos se referem à planta conhecida por ser muito amarga (às vezes traduzido como “raiz que dê veneno”) (Deuteronômio 29:17-18; Lamentações 3:19). Lemos em Jeremias 9:13-15, os avisos de Deus a respeito de como Ele daria ao povo, absinto (losna) e água de fel, por causa da sua desobediência à Lei de Deus. No Antigo Testamento, absinto (la-‘ă-nāh) é o símbolo da punição de Deus por causa de desobediência e apostasia. As águas mencionadas em Apocalipse 8:10 são diferentes da fonte pura e original que Jesus oferece. Quando o absinto caiu em uma parte das águas da Terra, fez com que parte delas se tornasse veneno (apenas um terço das águas se tornou venenoso - Apocalipse 8:11). A água ficou contaminada, e as pessoas começaram a beber de uma mensagem espiritual que estava misturada com impurezas. A água amarga representa uma mensagem espiritual que está incompleta, ou cheia de meias verdades, e mentiras. As águas se tornaram amargas como consequência da apostasia das pessoas. Apocalipse 8:11 diz que a própria estrela se chamava Absinto. Satanás é o responsável por introduzir ensinamentos falsos misturados com a mensagem verdadeira de Deus. Satanás contaminou a mensagem, e ele a está servindo para todos que quiserem beber de suas mentiras.

*** Um-terço das águas se tornou em absinto, e muitos morreram ***: A punição das águas impuras não caiu sobre a população inteira. Caiu apenas sobre um-terço das águas. Da mesma maneira como ocorreu na primeira e segunda trombetas, a terceira trombeta não é final ou total para com a humanidade (veja o estudo #52 para uma explicação mais detalhada sobre ‘um-terço da Terra’. A palavra de Deus se tornou misturada com tradição humana. Argumentos alterados envenenaram a mensagem de Deus, como uma tentativa de matar de sede aqueles que não quisessem beber da fonte inalterada e de potência máxima da Água Viva, vinda diretamente das mãos de Jesus. Assim como vimos nos estudos das Sete Igrejas, falsos profetas começaram a introduzir mensagens contrárias aos ensinamentos de Deus. Naquela época, esses falsos ensinamentos não foram facilmente identificados como sendo falsos, ou essencialmente maus. Eles faziam sentido, e pareciam ser bons. O vencedor só consegue identificar esse tipo de mentira através de uma cuidadosa pesquisa das Escrituras. Essa é a única maneira de nos protegermos contra sermos envenenados com a água amargosa de Satanás. Apocalipse 8:11 diz que muitos que beberam dessa água envenenada, morreram. A morte espiritual é inevitável quando não estamos conectados à Fonte da Vida.

*** Aplicação profética ***: À primeira vista, parece estranho que Deus é quem está a cargo da poluição da água, quando na verdade Satanás é quem está poluindo a verdade. Jeremias 9:13-15 diz: “E disse o Senhor: Porque deixaram a minha lei, que pus perante eles, e não deram ouvidos à minha voz, nem andaram nela, antes andaram após o propósito do seu próprio coração, e após os baalins, como lhes ensinaram os seus pais. Portanto assim diz o Senhor dos Exércitos, Deus de Israel: Eis que darei de comer losna [la-‘ă-nāh] a este povo, e lhe darei a beber água de fel.” (Veja também Jeremias 8:14; Jeremias 23:15). Não é Deus quem está poluindo a água, mas Ele permite que a poluição aconteça. Ele permite que as consequências das escolhas das pessoas aconteçam. Ele permite que todos os participantes da grande rebelião espiritual na Terra, revelem quem realmente são. Dessa forma, ficará claro ao Universo inteiro, que Deus é quem Ele diz ser. Deus é amor, e Ele quer dar a todos uma chance para que O conheçam, e para que busquem na Bíblia, a verdade. Vimos esse período histórico e profético, de fome espiritual, quando estudamos a igreja em Tiatira. Para relembrar: a primeira trombeta lidou com a queda de Jerusalém, e a segunda trombeta se referiu à queda do Império Romano. A terceira trombeta representa o período que vem em seguida à segunda trombeta, que, historicamente, foi o período conhecido como Idade Média. Durante esse tempo, as pessoas tinham pouco ou nenhum acesso às Escrituras. Perseguição, fome, e doenças eram a norma. A igreja passou por uma fase de apostasia e deterioração espiritual, ao mesmo tempo em que doutrinas alteradas começaram a encharcar a pura mensagem do Evangelho. As verdades bíblicas começaram a ser trocadas por tradições e ensinamentos que não eram bíblicos.

*** Visão Geral ***: Paulo fala a respeito desse grande período de apostasia que viria sobre a igreja (2 Tessalonicenses 2:1-12). Ele menciona “o que o detém” (verso 6 e 7), em referencia ao Império Romano, que estava detendo esse processo. Profeticamente, o período da terceira trombeta só poderia acontecer após a queda da Roma pagã (segunda trombeta). Os eventos históricos que ocorreram durante o período da segunda trombeta causaram as mudanças dentro da igreja durante a Idade Média. O afastamento da mensagem original de Deus em direção às tradições humanas e ensinamentos que não eram baseados nas Escrituras, extraviaram as pessoas do caminho correto, e as levaram à morte espiritual. As águas poluídas foram derramadas dentro da igreja, e as pessoas foram encorajadas a abrirem suas mentes e aceitarem esses falsos ensinamentos. Apesar de isso refletir uma situação que aconteceu no passado, muitos desses ensinamentos falsos introduzidos naquela época, ainda estão sendo passados adiante nos dias de hoje. Nossa única proteção contra esses ensinamentos venenosos e mortais é mergulhar completamente dentro da Palavra de Deus, que é a pura e verdadeira fonte de Água Viva. Se uma doutrina não é baseada na Bíblia, não vale a pena segui-la.

10 And the third angel sounded, and there fell a great star from heaven, burning as it were a lamp, and it fell upon the third part of the rivers, and upon the fountains of waters;

11 And the name of the star is called Wormwood: and the third part of the waters became wormwood; and many men died of the waters, because they were made bitter.

 

*** A great star fell from Heaven ***: In lesson #9, we studied about the mystery of the seven stars in Jesus’ hand. Those starts were the churches messengers, and Jesus called them angels (Revelation 1:20). The word "angel" in Greek is angeloi, and the word in Hebrew is mal·’aḵ. The word angel means messenger or representative. Even though we see, in the Old Testament, a reference to the church leader as being “the messenger [mal·’aḵ] of the Lord” (Malachi 2:7), the meaning of this section of Revelation seems to agree with the more common meaning. In the Old Testament, the word mal·’aḵ is most often than not translated as the celestial being “angel”, as we can see in Judges 2:4. The angel/star of the third trumpet is, however, different. He was great, and he fell from Heaven as if he were a lamp. Isaiah 14:12-15 talks about the fall of Lucifer, who became known as Satan after his fall: “How are you fallen from heaven, O Lucifer, son of the morning! how are you cut down to the ground, who did weaken the nations! For you have said in your heart, I will ascend into heaven, I will exalt my throne above the stars of God: I will sit also upon the mount of the congregation, in the farthest sides of the north: I will ascend above the heights of the clouds; I will be like the most High. Yet you shall be brought down to sheol, to the sides of the pit.” Lucifer was one of the highest angels in Heaven. But his selfish thoughts took control of him, and he began to desire the position that is only God’s. He wanted to be God. His behavior no longer fits with the way God operates. Lucifer’s rebellion led him to be cast out of Heaven. Jesus mentioned Satan’s fall in Luke 10:18: “And he said unto them, I beheld Satan as lightning fall from heaven.

*** The star fell upon one-third of the rivers and fountains of water ***: We will see the term “one-third" over and over in the first four trumpets. The judgments are to fall on only one-third of the group. In this case, the text mentions “rivers and fountains of water”. Please see the full explanation about the meaning of ‘one-third’ in lesson #53. In summary, one-third is always the incomplete picture and is related to those opposing the truth. This is the case in the third trumpet as well. The ones who have rejected Jesus’ message are the target of this trumpet plague. And so, the judgment continues to be partial. The judgment itself is coming in the form of rivers and fountains. The great star fell on those waters. Some versions translated ‘fountains’ as ‘springs of water’. Jesus said: “He that believes on me, as the scripture has said, out of his heart shall flow rivers of living water.” (John 7:38). He also said in Revelation 21:6: “And he said unto me, It is done. I am Alpha and Omega, the beginning and the end. I will give unto him that is thirsty of the fountain of the water of life freely.” Spiritual nourishment comes from the spiritual Living Water, which keeps alive those who accept the source of that water: Jesus. Springs of water represent the teachings that can enrich the spiritual growth of a person. It is the knowledge that comes from the truth.

*** The star was called Wormwood ***: The word wormwood comes from the Greek absinthes, and from Hebrew la-‘ă-nāh. They refer to a plant known to be very bitter (Deuteronomy 29:17-18; Lamentations 3:19). We read in Jeremiah 9:13-15, God warnings about how He would give the people wormwood and gall because of their disobedience to God’s Law. In the Old Testament, wormwood is a symbol of God’s punishment due to disobedience, and apostasy. The waters mentioned in Revelation 8:10 are different from the original and pure source offered by Jesus. When the bitter wormwood fell on part of the waters of the Earth, it turned that portion of water into poison (only a third of the water became poisonous - Revelation 8:11). The water became contaminated, and people started to drink from a spiritual message that was mixed with impurities. And bitter water represents a spiritual message that is incomplete or filled with half-truths and lies. The waters became bitter as a consequence of people falling back into apostasy. Revelation 8:11 says that the star itself was called Wormwood. Satan is the one responsible for introducing false teachings mixed with the real message of God. Satan poisoned the message, and he is serving it up to anyone who will drink from his lies.

*** One-third of the waters became wormwood and many died ***: The punishment of impure water does not fall over the entire population. It only affects one-third of the waters. Just like the first and second trumpets, the third trumpet is not final or complete towards humanity (please see study #52 for a more detailed explanation on the one-third of the Earth). The truth of God became mixed with human tradition. Twisted arguments poisoned God’s message as an attempt to spiritually starve and murder those who do not seek to drink from the unaltered, full strength, Living Water straight from the hands of Jesus. As we saw in the studies of the Seven Churches, false prophets started to introduce messages contrary to the original teachings of God. These false teachings were not easily identifiable as false, or inherently bad. They made sense and sounded good. The overcomer can only identify such lies through careful examination of Scripture. This is the only way to shield ourselves from being poisoned with Satan’s wormwood water. Revelation 8:11 says that many who drank from this poisonous water died. Spiritual death is inevitable if we are not plugged into the source of Life.

*** Prophetic application ***: At first, it seems strange that God is the one in charge of the water pollution when in fact Satan is the one actually polluting God’s truth. Jeremiah 9:13-15 says: “And the LORD says, Because they have forsaken my law which I set before them, and have not obeyed my voice, neither walked in it; But have walked after the imagination of their own heart, and after Baalim, which their fathers taught them: Therefore thus says the LORD of hosts, the God of Israel; Behold, I will feed them, even this people, with wormwood, and give them water poisonous to drink.” (See also Jeremiah 8:14; Jeremiah 23:15). God is not polluting the water, but He is allowing it to happen. He is allowing the consequences of people’s choices to take place. He is allowing all the participants in this great spiritual rebellion taking place on Earth to show their character, to reveal who they actually are. It will be clear to the entire Universe, that God is who He says He is. God is love, and He wants to give everyone a chance to know Him and to search the Bible for the truth. We saw this historic and prophetic period of spiritual famine when we studied the church in Thyatira. Just to recap: the first trumpet dealt with the fall of Jerusalem, and the second trumpet referred to the fall of the Roman Empire. The third trumpet represents the period following the second trumpet, which historically was the period known as the Middle Ages or Dark Ages. During that time, the people had little to no access to scripture. Persecution, actual famine, diseases, were the norm. The church experienced apostasy and spiritual deterioration, as altered doctrines began to flood the pure message of the Gospel. Bible truths began to be replaced with traditions and non-biblical teachings.

*** Overview ***: Paul talked about this great period of apostasy that would come over the church (2 Thessalonians 2:1-12). He mentioned “the restrainer” (verse 6 and 7), in reference to the Roman Empire, which was delaying this process. Prophetically, the period of the third trumpet could only occur after the fall of the pagan Rome (second trumpet). The historical events that happened during the period of the second trumpet led to the changes inside the church during the Middle Ages. The shifting away from the original message of God, towards human tradition and teachings that were not based on Scripture, led the people astray, and right into their spiritual death. The polluted waters were poured right inside the church, and people were encouraged to open their minds to accept false teachings. Although this reflects a situation that happened in the past, many of the false teachings introduced at that time are still being passed along today. Our only shield against such poisonous and deadly teachings is to dive completely inside God’s word, which is the true and pure fountain of Living Water. If a doctrine is not Bible based, it is not worth following.

8 E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar.

9 E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus.

 

*** Um grande monte ardendo em fogo ***: Mais uma vez, precisamos pesquisar o Antigo Testamento para podermos entender o simbolismo usado nesse verso. A palavra ‘monte’ é muitas vezes usada para se referir a um reino ou império (Salmo 48:1-2; Salmo 78:68; Isaías 2:2-3; Isaías 13:4; Isaías 31:4; Isaías 41:15; Jeremias 17:1-3; Jeremias 51:24-25; Obadias 8-9; Daniel 2:35, 44). O reino mencionado em Apocalipse 8:8 não é qualquer reino. É um reino específico. Um que, não somente queimou com fogo, mas foi também lançado no mar. Assim, temos dois outros elementos que irão nos ajudar a identificar essa montanha ou império. O livro de Jeremias trás uma profecia contra um reino poderoso, que aparenta se encaixar muito bem com o verso de Apocalipse, e também com a simbologia usada no restante do livro de Apocalipse. O reino mencionado é a Babilônia.

 

Jeremias 51:24

E pagarei a Babilônia, e a todos os moradores da Caldéia, toda a maldade que fizeram em Sião, aos vossos olhos, diz o SENHOR.

Jeremias 51:25

Eis-me aqui contra ti, ó monte destruidor, diz o Senhor, que destróis toda a terra; e estenderei a minha mão contra ti, e te revolverei das rochas, e farei de ti um monte de queima.

Jeremias 51:42

O mar subiu sobre Babilônia; com a multidão das suas ondas se cobriu.

Jeremias 51:63-64

E será que, acabando tu de ler este livro, atar-lhe-ás uma pedra e lançá-lo-ás no meio do Eufrates. E dirás: Assim será afundada babilônia, e não se levantará, por causa do mal que eu hei de trazer sobre ela; e eles se cansarão. Até aqui são as palavras de Jeremias.

 

Nessa profecia de Jeremias, Babilônia seria lançada sobre as águas, e iria afundar para sempre, por causa da punição que Deus iria trazer sobre ela. Em um capítulo mais adiante, em Apocalipse, João fala sobre a Babilônia espiritual, e usa o mesmo tipo de linguagem: "Então um anjo poderoso levantou uma pedra do tamanho de uma grande pedra de moinho, lançou-a ao mar e disse: "Com igual violência será lançada por terra a grande cidade da Babilônia, para nunca mais ser encontrada." (Apocalipse 18:21; veja também Apocalipse 14:8). Na época de João, o reino da Babilônia já havia caído. Não podemos esquecer que as trombetas vêm em sequência. Estudamos que a primeira trombeta representa a destruição de Jerusalém, e os julgamentos derramados sobre a nação judia. A segunda trombeta representa algo que aconteceu após a destruição de Jerusalém. Com isso em mente, podemos ver que o termo montanha foi usado como símbolo para Babilônia, e Babilônia é também um símbolo para um outro poder - um poder que se opõe à soberana autoridade de Deus (Apocalipse 14:8; Apocalipse 16:19; Apocalipse 17:5; Apocalipse 18:2; Apocalipse 18:5; Apocalipse 18:10; Apocalipse 18:21). Nos restam ainda os símbolos para fogo e água. Vamos examinar de perto, esses símbolos:

Babilônia: João não foi o único a mencionar Babilônia em seu livro. Pedro também menciona Babilônia como o símbolo do regime corrente de seu tempo: "A vossa co-eleita em babilônia vos saúda, e meu filho Marcos." (1 Pedro 5:13). Como já havíamos mencionado antes, a Babilônia já não existia no tempo de Pedro ou João. Pedro mencionou Babilônia, que foi o reino responsável por levar os Judeus em exílio, no tempo de Daniel e Jeremias. Pedro e João usaram, simbolicamente, o nome do antigo opressor da nação Judia, para se referirem ao seu opressor na época: o Império Romano. Os primeiros cristãos sofreram uma perseguição terrível dos romanos. Muitos foram sentenciados a morte, jogados nas arenas, e até mesmo queimados vivos. Paulo sofreu essa perseguição em primeira mão, assim, como alguns cristãos nas igrejas da Ásia Menor (veja os estudos sobre as Sete Igrejas: #11 à #27).

Ardendo em fogo: Como vimos no estudo #52, fogo é uma das armas que Deus usa contra aqueles que oprimem Seu povo. Tanto os líderes dos judeus quanto dos romanos, perseguiram os primeiros cristãos. O julgamento das trombetas começou “pela casa de Deus” (1 Pedro 4:17), e seguiu com o Império Romano. Deus é quem põe fogo na grande montanha. Em outras palavras, Deus é quem trás essas nações a julgamento. Deus é quem “remove os reis e estabelece os reis” (Daniel 2:21).

O mar: Muitas vezes, no Antigo Testamento, encontramos o termo ‘mar’ sendo usado como símbolo para as pessoas que se opõem a Deus (Isaías 57:20; Isaías 17:12-13; Jeremias 51:41-42; Daniel * 7:2-7,17). O verso em Apocalipse e a passagem em Jeremias, nos diz como a grande montanha deveria ser afundada e consumida pelas águas. A decadência do Império Romano aconteceu em vários níveis, incluindo aspectos político, econômico, e militar. As tensões religiosas entre as zonas oeste e leste do Império também tornaram o problema mais agravante. Ondas de tribos bárbaras vieram e conquistaram território romano.

*** O mar se tornou sangue ***: O lançar da montanha em chamas no mar trouxe uma consequência muito terrível. O mar se transformou em sangue. Essa transformação nos faz lembrar da primeira praga do Egito (Êxodo 7:14-24). “Assim diz o Senhor: Nisto saberás que eu sou o Senhor: Eis que eu com esta vara, que tenho em minha mão, ferirei as águas que estão no rio, e tornar-se-ão em sangue. E os peixes, que estão no rio, morrerão, e o rio cheirará mal; e os egípcios terão nojo de beber da água do rio.” (Êxodo 7:17-18). No caso dos Egípcios, Deus queria que o inimigo de Seus filhos soubessem que Ele era o Senhor. Mais uma vez, vemos o aspecto redentor dos julgamentos que estão caindo sobre os inimigos de Deus. Deus está interessado em salvar todo mundo, e Ele trabalha pra dar a todos, a oportunidade para que escolham seguí-LO. Enquanto o Império Romano estava afundando nas águas, eles ficaram cobertos de sangue. O Império lutou muitas batalhas durante sua queda, e o derramamento de sangue foi abundante.

*** Morte de um-terço dos seres aquáticos ***: A consequência do derramamento de sangue causado pelas batalhas foi a morte de um-terço das criaturas do mar. No estudo #52, vimos que “um-terço” é o contexto incompleto de um grupo de seres (pessoas, ou mesmo anjos). O julgamento da segunda trombeta iria cair apenas sobre parte da população marinha. Nesse caso, as criaturas do mar são o símbolo que representa as pessoas que viviam nessas regiões do Império, e vizinhanças, que se encontravam em conflito durante a queda de Roma.

*** Destruição de um-terço dos navios ***: Com a queda da ordem política de Roma, sobreveio também o declínio econômico. No Antigo Testamento, navios eram mencionados como referência ao orgulho comercial de uma nação, e seu domínio (Isaías 2:16-17; Ezequiel 27:25-27). O impacto econômico também foi parcial, mas foi significativo, e trouxe consigo uma devastação social.

*** Aplicação Profética, e Visão Geral ***: Com a análise de cada símbolo usado nesses dois versos de Apocalipse, podemos ver que a segunda trombeta se refere à queda do Império Romano. A aplicação profética é fortemente embutida em praticamente cada palavra do texto. O papel que a Roma antiga teve na crucifixão de Cristo e na perseguição aos cristãos, não passou despercebido por Deus. É importante reconhecer que os julgamentos contidos na primeira e segunda trombetas não caíram sobre nenhum indivíduo em particular. Elas foram as consequências aplicadas às nações. Primeiro, sobre a nação apóstata dos Judeus (primeira trombeta), e em seguida, sobre o Império Romano (segunda trombeta). Deus revelou a Si próprio para essas nações, e lhes deu uma oportunidade de ver que Ele é o Senhor, da mesma maneira que Ele o fez com a nação dos egípcios durante as 10 pragas. Deus é misericordioso. Deus é também justo. E Sua justiça não pode ser evitada. O julgamento da segunda trombeta não tem como alvo atingir os fiéis de Deus, mas isso não quer dizer que eles não sentiram a onda de choque causada pela montanha caindo sobre a água. O fato de que Deus está lidando de forma justa contra Seus inimigos, deveria assegurar a Seus filhos de que Ele nunca irá abandoná-los, e de que sempre estará pronto a defendê-los.

Page 10 of 22
   

Bíblia - JF de Almeida RC  

   
   
© Hello-Bible 2016