14 Ao anjo da igreja em Laodicéia escreva: Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus.

15 Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!

16 Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.

17 Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego e que está nu.

18 Dou-lhe este aconselho: Compre de mim ouro refinado no fogo e você se tornará rico; compre roupas brancas e vista-se para cobrir a sua vergonhosa nudez; e compre colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar.

19 Repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se.

20 Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo.

21 Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em meu trono, assim como eu também venci e sentei-me com meu Pai em seu trono.

22 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

 

PARTE 2

 

*** Destinatário -> “Ao anjo da igreja em Laodicéia” ***: Mais uma vez, a carta é endereçada ao líder da igreja, mas o texto se aplica a todos os membros. Veja os comentários no estudo #9, #12, e #14.

*** Remetente -> “o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus” ***: Jesus se apresentou a essa igreja com três características: 1) o Amém; 2) a testemunha fiel e verdadeira; 3) o soberano da criação de Deus. A palavra Amém na verdade vem do Hebraico, através do Grego amēn, e significa em “verdade”. Essa é uma expressão que confirma o que está sendo dito como sendo a verdade absoluta. Vemos Jesus usando essa expressão muitas vezes. Ele frequentemente usava em suas frases a palavra amēn, que foi traduzida como “Em verdade vos digo” (Mateus 5:18; Mateus 6:2; Mateus 6:5; Mateus 6:16 - para mencionar apenas alguns versos). Como vimos no estudo #5, Jesus é também a verdadeira testemunha, que testificou até a morte. Ele fala a verdade sobre Si mesmo, e sobre aquEle que O enviou. Ele é também o soberano da criação de Deus. A palavra em Grego, traduzida como soberano, é a palavra archē, que significa “origem”, “regente”. Essa palavra traz a ideia de prioridade, começo, ponto de origem, e aquilo que vem primeiro. Jesus tem o domínio sobre todas as coisas desde a criação, porque a criação começou com Ele (Colossenses 1:15-16). Em outras palavras, Apocalipse 3:14 diz que Jesus é a verdade, Ele fala a verdade, e Ele tem tudo sob seu controle, porque Ele é o Criador.

*** Avaliação -> “Conheço…” ***: Uma vez que Jesus tem o controle sobre todas as coisas, Ele sabe a condição da igreja em Laodicéia.

- Obras: Assim como o suprimento de água da cidade, a congregação de Laodicéia não é nem quente nem fria. A água morna que chegava na cidade era boa para tomar banho. Mas não era fria o bastante para beber, e nem era quente o suficiente para ser usada com propósitos medicinais. Espiritualmente, Laodicéia estava apenas usando as partes do Evangelho que eram convenientes. Eles estavam de molho em uma mensagem que havia tido sua temperatura modificada para um nível mais confortável. Ao permanecerem nessa zona de conforto, os membros nunca experimentavam os extremos da temperatura. Se eles tivessem colocado o pé em um desses extremos, eles não estariam ainda desapercebidos da sua condição de mornidão. Laodicéia nunca havia bebido continuamente da Água da Vida, que é refrescante. Não estava absorvendo cada palavra que procede da Boca de Deus (Deuteronômio 8:3; Mateus 4:4). Ela também nunca havia colocado a compressa quente da verdade diariamente sobre seu espírito quebrantado, dolorido, e oprimido (Lucas 4:18). Apocalipse 3:16 diz que os cristãos mornos serão expelidos do corpo de Cristo. Os verdadeiros cristãos são, de fato, chamados a seguir um caminho de extrema temperatura, aparentemente inconveniente e desconfortável. Jesus disse: “negue-se a si mesmo, tome sua cruz, e siga-me” (Mateus 16:24). Mas Ele também disse que Seu jugo é suave e o Seu fardo é leve (Mateus 11:30). Carregar uma cruz não é uma tarefa fácil, mas se torna mais fácil porque Cristo já carregou o fardo da morte por Seu povo. O que resta apenas fazer é aguentar problemas temporários enquanto continuamos na Terra, sendo nutridos e recebendo os cuidados dAquele que está no controle do Universo.

- Indiferença e auto-suficiência: A igreja em Laodicéia sofria de um quadro agudo de falta de percepção. Ela tinha uma ideia completamente distorcida e desconexa de quem ela realmente era. Jesus a alertou quanto a esse problema. Ela tinha a impressão de que estava cheia do Espírito, de que era espiritualmente rica, de que podia discernir todas as verdades espirituais, e de que estava vestida de justiça. Apesar de ter acesso à verdadeira mensagem do Evangelho, ela era na verdade cheia de si mesma, e portanto miserável, digna de compaixão, pobre, cega e nua (verso 17). Os membros não estavam obtendo sua riqueza diretamente de Jesus. Eles haviam substituído a rica mensagem de Deus pela versão genérica. Seu entendimento das escrituras não estava protegido com o colírio do Espírito Santo. E pensavam que podiam vestir a si mesmos com suas próprias opinões e doutrinas de conveniência. Tanto no contexto espiritual quanto no material, a igreja em Laodicéia sentia que de nada precisava (verso 17).

*** Apelo -> “Eu tenho o que você precisa; arrependa-se ao abrir para Mim a porta do seu coração” ***: A igreja estava tão cega, que não podia nem mesmo ver a sua própria condição deplorável. Jesus a estava chamando ao arrependimento. Mas não somente ela achava que não precisava mudar de rumo, mas também não sabia como se arrepender. Jesus teve que descrever para ela instruções passo a passo do que deveria fazer. Ela precisava olhar para Jesus para receber a verdade refinada pelo fogo. Ela precisava deixar que Ele a vestisse com o manto branco de justiça, lavado pelo sangue de Seu sacrifício. E ela precisava deixar que Jesus abrisse sua mente para que pudesse ver a vontade de Deus mais claramente. A maneira de conseguir todos esses mantimentos era simplesmente seguir Suas instruções. Cada pessoa estava sendo chamada a abrir a porta de seu coração, para que o “Próprio Eu” pudesse sair, e para que Jesus pudesse entrar.

Jesus usou uma palavra interessante quando disse que as pessoas precisavam, adquirir dEle o meio de salvação. Ele usou a palavra “comprar”. A palavra em Grego é agorazó, que significa comprar em um mercado, ou adquirir. Essa declaração de Jesus parece estranha, uma vez que sabemos que a graça de Deus é um presente sem custo para nós (Romanos 3:24; Romanos 5:15; Romanos 6:23). Como poderemos comprar dEle essas coisas? Será que não poderíamos simplesmente ganhá-las de presente? A resposta a essas perguntas vem nos versos em Apocalipse 3:19-20. Como Jesus já havia dito, não temos nada a oferecer. Nós somos miseráveis e destituídos de justiça. E é por isso que Ele diz, no verso 19, a razão pela qual Ele deixa que passemos por esse processo: é porque Ele nos ama. Ele está convidando Seu povo para ser zeloso e para se arrepender. Quando o arrependimento verdadeiro acontece, naturalmente paramos de viver a vida que vivíamos antes. Quando damos para Cristo o nosso “Velho Eu”, abrimos espaço para todos os bens que Jesus nos oferece. Jesus está nos chamando a parar de viver uma vida egocêntrica, e começar a viver uma vida Cristocêntrica.

*** Chamado para ouvir o Espírito -> O Espírito diz às Igrejas ***: A mensagem “Eu sou a única fonte de salvação, portanto arrependa-se e abra seu coração para Mim” é pra ser ouvida por todas as igrejas. Não existem desculpas para não atender a esse chamado. Veja as notas do estudo #14. Jesus está chamando a igreja para se tornar ciente de sua condição espiritual de miséria, pobreza, cegueira, e falta de justiça.

*** Promessa -> “Ao Vencedor” ***: Aquele que é vitorioso recebe uma promessa muito importante:

- Sentar com Jesus em Seu trono: Quando pensamos em um trono, a primeira coisa que vem à mente é a imagem de uma cadeira real da cultura ocidental. Na cultura do Oriente Próximo, o trono não era assim. Mais parecia com um sofá do que com uma cadeira. De qualquer forma, podemos simplesmente confiar na palavra de Jesus, e aceitar que haverá lugar alí para aqueles que vencerem. Da mesma maneira como Jesus se assentou com Seu Pai quando Ele venceu, nós também teremos nossa chance de nos assentarmos com Ele. Cristo irá elevar Seu povo a esse ponto, não porque existe algum mérito nas pessoas, mas porque Ele as ama. O cumprimento dessa promessa pode ser visto em Apocalipse 20:4.

*** Visão da História da igreja e aplicação profética ***: Laodicéia é a última igreja das sete. Isso significa que não haverá nenhum outro período profético na história desse mundo entre este e a volta de Cristo. A visão profética dessa igreja se encaixa no período antes da volta de Cristo. Ela representa o povo de Deus vivendo nos últimos dias desse planeta. Como nunca antes na história, o povo nos últimos dias está sendo bombardeado com a cultura que eleva o Próprio Eu: “a solução dos problemas pode ser encontrada dentro de você”; “acredite em você mesmo”; “continue em sua própria jornada”; “você consegue”. Ao mesmo tempo, a importância de Cristo está sendo diminuída e Ele está sendo empurrado para fora de cena. Agindo assim, a sociedade pensa que vai poder acomodar a diversidade cultural e permanecer politicamente correta. As filosofias no mundo hoje aparentam ser muito boas, e aparentam estar preocupadas com o bem-estar de uma sociedade globalizada. Mas não podemos nos deixar enganar. Colossenses 2:8 diz: “Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.” Os desafios que os cristãos enfrentam hoje são diferentes daqueles presentes nos períodos proféticos anteriores. É muito mais difícil vencer um problema que você nem sabe que tem. Assim como na igreja em Laodicéia, no primeiro século, Cristo está nos chamando hoje, Sua igreja no tempo do fim, para vir para Ele, e deixar que Ele nos mostre o que realmente precisamos.

*** Visão geral ***: Mais uma vez, vemos as realidades contrastantes sendo mencionadas nessa carta. Mas, dessa vez, o contraste não é primariamente entre o mundo e a igreja. É entre a ideia que a igreja tem de si mesma, e a opinião que Cristo tem da igreja. Esses dois conceitos são completamente opostos um ao outro. Jesus não mencionou a divisão na igreja. Ele não mencionou nenhum grupo herético, ou algum pecado específico prevalente entre os membros. Também não disse nenhuma palavra a respeito de perseguição. Isso não quer dizer que essas coisas não estavam presentes. O ângulo que Cristo usou na carta mostra que Jesus dá prioridade à salvação desse grupo de pessoas que nem está ciente da condição miserável em que se encontra. Não haverá dúvida nenhuma sobre como essas pessoas serão salvas. Não tem como elas serem salvas através de suas boas obras, ou seus próprios méritos. Elas não têm nenhum. Somente através da graça de Deus é que poderão ser salvas. Somente quando aceitamos as vestes da salvação, podemos nos apresentar diante de Deus, como seres puros e completos, dignos de nos assentarmos em Seu trono. O presente da salvação é gratuito, no sentido que não existe nada que possamos adicionar à oferta perfeita de Cristo. Mas, para podermos receber esse presente, precisamos fazer uma escolha: nos render ao mundo, ou vencê-lo. Podemos dar a Cristo o nada que somos, e recebermos tudo em troca; ou podemos manter nossa crença em nós mesmos, nos prendermos à ideia de que podemos ter tudo do jeito que queremos, e assim deixar de receber todas as promessas que Jesus fez ao vencedor. Vivemos hoje no período profético de Laodocéia. Nós somos essa igreja. Mas somos também o foco do infinito amor de Cristo. Há esperança. E Jesus está aguardando o momento em que iremos abrir o coração e deixar que Ele entre.

14 Ao anjo da igreja em Laodicéia escreva: Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus.

15 Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!

16 Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.

17 Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego e que está nu.

18 Dou-lhe este aconselho: Compre de mim ouro refinado no fogo e você se tornará rico; compre roupas brancas e vista-se para cobrir a sua vergonhosa nudez; e compre colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar.

19 Repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se.

20 Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo.

21 Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em meu trono, assim como eu também venci e sentei-me com meu Pai em seu trono.

23 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

 

PARTE 1

 

*** História ***: Laodicéia estava localizada a um pouco mais de 72 km ao sudoeste de Filadélfia, e a um pouco mais de 64 km a leste de Éfeso (algumas fontes falam em 160 km). Ela ficava bem perto de Colosso, a cerca de 16 km de distância. Hoje, as ruínas ficam próximas à vila de Eskihisar, no distrito de Denzili, na Turquia. Ela teve alguns outros nomes antes de ter o nome mudado para Laodicéia durante o reinado de Antiochus II Teos (261-243 AC). Ele mudou o nome em homenagem a sua esposa Laodice. O significado do nome Laodicéia vem do Grego laos (povo) e dike (justo, direito, relacionado a julgamento). Em 188 AC, a cidade foi dominada pelo rei de Pérgamo, e em 133 AC, passou para os Romanos. Sob o regime do Império Romano, a cidade floresceu e se tornou um dos centros comerciais mais importantes da Ásia Menor. Ela estava estrategicamente localizada na rota comercial. Laodicéia recebeu de Roma o título de Cidade Livre. Durante o reino de Antioco III o Grande (222-187 AC), cerca de 2.000 famílias judias foram transportadas de Babilônia para a Frígia. E por isso, muitos dos habitantes em Laodicéia eram Judeus. Acredita-se que os Judeus costumavam mandar ouro anualmente de Laodicéia para o templo em Jerusalém.

A cidade era muito bonita, e até hoje, as ruínas refletem uma cidade vibrante da antiguidade. Laodicéia tinha um estádio, ginásio, teatros, casas de banho, senado (bouleuterion), templos, e um sarcófago. Sua riqueza contribuiu para o avanço da ciência e literatura. Laodicéia era também famosa pela sua escola de medicina, especialmente porque oferecia tratamento para problema dos olhos, através do colírio que eles preparavam ali. Laodicéia era também conhecida pela manufatura de lã preta, e também por suas intituições financeiras. Já existia um sistema bancário naquele tempo! A cidade era tão rica, que eles cunhavam a própria moeda. A inscrição nessas moedas nos diz que o povo em Laodicéia adorava a Zeus, Aclépio, Apolo, e os imperadores. No ano 60 DC, houve um grande terremoto que destruiu a cidade. Os cidadãos recusaram os fundos enviados pelo Império para a restauração, e decidiram pagar a reconstrução, do próprio bolso. Eles sentiam que não precisavam de nenhuma ajuda externa.

Possivelmente uma das coisas mais interessantes sobre Laodicéia, era o sistema de aquedutos da cidade. A água vinha de Hierápolis, de uma fonte de água quente na região. Criaram um jeito engenhoso de transportar a água quente até alguns tanques, para dalí fazerem a distribuição pela cidade. Esse processo tinha dois problemas. Primeiro, a água era rica em minérios, e segundo, a água tinha que ser transportada por pelo menos 9,5 km. Quando a água chegava em Laodicéia, já não estava mais quente. Também não estava totalmente fria. A água chegava morna. Essa água tépida era boa para tomar banho, mas não servia para consumo humano. Ela não era fresca o bastante para beber, e não era quente o suficiente para uso medicinal.

*** Visão Bíblica ***: Laodicéia não somente é mencionada em Apocalipse, mas também é mencionada quatro vezes no livro de Colossenses (Colossenses 2:1; Colossenses 4:13; e Colossenses 4:15-16). Na carta de Paulo para a igreja de Colosso, ele expressou sua preocupação com a igreja ali, e também com a de Laodicéia. Ele se importava profundamente com as igrejas vizinhas de Laodicéia, Hierápolis, e Colosso. Paulo menciona uma carta à Laodicéia que nós não temos hoje, e encorajou tanto os colossenses quanto aos laodiceanos, a lerem as epístolas uma da outra (Colossenses 4:16).

O começo da carta aos Colossenses nos lembra o começo da carta a Laodicéia em Apocalipse: “Ele [Jesus] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste. […] Pois foi do agrado de Deus que nele habitasse toda a plenitude, e por meio dele reconciliasse consigo todas as coisas, tanto as que estão na terra quanto as que estão no céu, estabelecendo a paz pelo seu sangue derramado na cruz.” (Colossenses 1:15-20)

Na carta aos Colossenses, Paulo diz que Jesus é o centro de todas as coisas criadas. Tudo foi criado por Ele e para Ele, não somente na Terra, como também no Céu. Esse texto deixa claro que os seres humanos não estão no mesmo patamar que Jesus e o Pai. Nosso próprio estado de seres criados não pode nem ser comparado à perfeita junção e unidade que Jesus sendo Deus, tem com o Pai.

Laodicéia tinha um problema muito sério de acordo com a avaliação de Jesus: os membros da igreja não tinham necessidade de nada (Apocalipse 3:17). Eles eram auto-suficientes. Esse modo de pensar carrega em si um obstáculo muito grande. É muito mais difícil fazer com que as pessoas compreendam a necessidade de ter um Salvador, quando elas não precisam de nada além delas mesmas e de suas posses. Os membros estavam procurando preencher suas necessidades físicas e materiais sem incluir Jesus. Era como se eles merecessem bênçãos materiais baseadas em seus próprios méritos ou tamanho da sua contribuição monetária. O “Eu”, e o “Meu” haviam se tornado o centro de tudo, e Cristo foi colocado pra fora da cena. Como lemos em Apocalipse 3:20, Jesus estava do lado de fora, batendo à uma porta fechada. Mais uma vez, vemos o problema do “Próprio Eu”, que não pára de crescer. A primeira igreja, em Éfeso, havia começado a perder o amor a Deus. Em cada uma das cinco “não tão boas igrejas”, o amor ao Próprio Eu começou a crescer mais e mais. O problema se tornou tão sério na igreja em Sardes, que ela se tornou uma igreja morta. Laodicéia, então, conseguiu bater o recorde, e se tornou ainda pior do que a igreja morta. E mesmo assim, não estava ciente de sua própria condição.

Podemos ver que a atitude dessa igreja era exatamente o oposto do que João Batista havia pregado: “É necessário que Ele cresça e eu diminua.” (João 3:30). Laodicéia havia trocado o Evangelho centralizado em Cristo por uma mensagem focalizada no Próprio Eu. A necessidade egoísta de “crescer” tende a se fortalecer com o tempo. A elevação do Prórprio Eu ao status de divindade é o conceito demoníaco mais antigo que existe. Funcionou com a Eva. Ela foi tentada com a ideia de que ela seria como Deus, se ela comesse da fruta proibida (Gênesis 3:5).

A bem da verdade é que, nem mesmo no último dia, quando formos transformados em seres perfeitos, seremos como Deus. A igreja de Laodicéia estava se concentrando nas coisas materiais, enquanto empurrava Jesus pela porta afora. Eles estavam se sentindo no direito de se colocarem no mesmo nível que Deus, baseados no seu próprio mérito. Eles tinham seu próprio ouro, suas próprias vestes, seu próprio colírio. Todos estes eram símbolos falsificados de um relacionamento com Cristo. Não importa quão bons nós somos, Jesus é o único que pode nos salvar da nossa própria miséria, nudez, e cegueira. E a essa igreja, Jesus oferece a maior bênção de todas. Essa bênção surpreendente não parece combinar com o estado lamentável da igreja. Sentar no trono de Deus é um privilégio que vai além da imaginação de qualquer um. Jesus não está pedindo que nos tornemos um deus para que possamos merecer essa honra incomparável. Ele apenas nos pede para deixarmos que Ele entre em nossa vida. A verdade é que nós não merecemos nada além da morte. Mas, através do sangue de Jesus, Ele nos torna dignos de nos assentarmos com Ele.

*** Visão Geral ***: A igreja em Laodicéia é uma igreja terrível. É egocêntrica, egoísta, e materialista. Mas aquele que vence essa miserável condição de mornidão, irá receber uma bênção além de qualquer medida. Esse ato de arrependimento parece quase impossível de se conseguir, principalmente porque a igreja não tem a menor ideia do quanto ela necessita espiritualmente. Somente pela graça de Jesus Cristo é que essa igreja pode vencer essa realidade adversa. Isso vai mostrar ao mundo claramente, que não há mérito nenhum no vencedor. Jamais poderia haver algum mérito no vencedor, baseado na descrição da igreja contida nessa carta. Nada que podemos fazer por nós mesmos pode mudar nossa natureza para que passemos a ser levemente semelhantes àquele que é digno de se sentar no trono de Deus. Um caráter perfeito assim, somente pode ser desenvolvido através de um relacionamento diário com Cristo. Fé em nós mesmos, em nossa própria “justiça”, e em nosso conhecimento limitado, não chega nem aos pés dos presentes que Deus pode nos oferecer quando estamos conectados com Ele. As coisas que nós podemos trazer para esse relacionamento são como “trapos de imundice” (Isaías 64:6). “Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos. Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus, para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus. Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.” (Efésios 2:4-9). Para a igreja que atingiu o fundo do poço espiritual, Jesus prometeu a maior demonstração de graça e misericórdia. A igreja pode experimentar do poder transformador do Seu Amor. Aqueles que estiverem dispostos, serão elevados à maior posição do Universo. Eles se assentarão com o Pai, em Seu trono, não porque são como Deus, mas porque eles eles abriram seu coração para que Cristo pudesse entrar.

7   Ao anjo da igreja em Filadélfia escreva: Estas são as palavras daquele que é santo e verdadeiro, que tem a chave de Davi. O que ele abre ninguém pode fechar, e o que ele fecha ninguém pode abrir.

8   Conheço as suas obras. Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar. Sei que você tem pouca força, mas guardou a minha palavra e não negou o meu nome.

9   Vejam o que farei com aqueles que são sinagoga de Satanás e que se dizem judeus e não são, mas são mentirosos. Farei que se prostrem aos seus pés e reconheçam que eu amei você.

10  Visto que você guardou a minha palavra de exortação à perseverança, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra.

11  Venho em breve! Retenha o que você tem, para que ninguém tome a sua coroa.

12  Farei do vencedor uma coluna no santuário do meu Deus, e dali ele jamais sairá. Escreverei nele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu da parte de Deus; e também escreverei nele o meu novo nome.

13  Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.


PARTE 2

 

*** Destinatário -> “Ao anjo da igreja em Filadélfia” ***: Mais uma vez, a carta é endereçada ao líder da igreja, mas o texto se aplica a todos os membros. Veja os comentários no estudo #9, #12, e #14.

*** Remetente -> “aquEle que é santo; verdadeiro, que tem a chave de Davi; que abre e ninguém fecha, e que fecha e ninguém abre” ***: Jesus começa a carta estabelecendo Sua divindade (Isaías 6:3). Vemos uma declaração semelhante em Isaías 43:15: “Eu sou o Senhor, o Santo de vocês, o Criador de Israel e o seu Rei.” Seu nome é Santo (Isaías 57:15). Seu nome também é Fiel e Verdadeiro (Apocalipse 19:11). Em Apocalipse 1:18, lemos que Jesus tem as chaves da morte e do Hades. Aqui, Ele tem a chave de Davi. Vimos no estudo #10, que Jesus exerce completa autoridade sobre a morte e a sepultura, porque Ele as superou. Por isso Ele tem essas chaves. Então, o que Jesus recebeu, ou fez, que Lhe deu direito de ter a chave de Davi? A chave de Davi é uma referência a uma profecia sobre Jerusalém. Esse trecho se encontra em Isaías 22:20-24. Podemos ler que Deus prometeu dar a Eliaquim “a chave do reino de Davi”, e, ao fazer isso, o que ele abrisse, ninguém poderia fechar; e o que ele fechasse, ninguém poderia abrir. Deus estava dando a Eliaquim completa autoridade sobre Jerusalém e Judá (Isaías 22:21). Ao dizer que Ele tem a chave de Davi, Jesus está dizendo que Ele exerce completa autoridade sobre Seu povo. Jesus recebeu essa autoridade do Pai (Daniel * 7:13-14; Mateus 28:18), e tem domínio sobre toda a Terra. Jesus (e não um ser humano) é “cabeça de todas as coisas da igreja” (Efésios 1:22). Ele é quem controla a porta que nenhum outro ser pode fechar ou abrir. Veja os comentários sobre o controle que Jesus tem sobre essa porta, no estudo #24.

*** Avaliação -> “Conheço…” ***: Jesus conhece melhor do que ninguém todas as coisas que se passavam nessa congregação. Nada negativo é mencionado a seu respeito. Inclusive, a igreja recebeu duas promessas nesse trecho da carta.

- Obras: As obras em Filadélfia eram resultado do fiel uso da porta aberta que Jesus havia colocado diante da igreja. Mesmo tendo apenas uma pequena força, eles estavam se mantendo firmes na Sua palavra, e não haviam negado Seu nome. Ter poucos recursos não é desculpa para não levar a mensagem adiante. Quando pessoas se fazem disponíveis, Cristo não somente providencia a porta, mas Ele também providencia a maneira de alcançar a meta. Filadélfia estava estrategicamente localizada. Já era um portal bem estabelecido para a comunicação. Tudo que precisavam fazer era utilizar o sistema que já estava no lugar. E se tivessem algum problema no meio do caminho, Jesus poderia facilmente abrir um caminho para eles.

- A sinagoga de Satanás irá adorar aos pés dos fiéis de Filadélfia (promessa): Assim como Esmirna, Filadélfia recebia oposição daqueles que se diziam Judeus, mas que na realidade eram a sinagoga de Satanás. Essa afirmação de Jesus é bem forte. Mais uma vez, vemos que existem apenas dois lados. As pessoas podem escolher apenas entre dois lados: Deus, ou Satanás. Se não estivermos seguindo a Deus, automaticamente estamos seguindo Seu inimigo (Mateus 12:30). Aqueles que são contra Deus podem ter muitos nomes. Ensinamentos do mal podem se apresentar de muitas formas, e aparentar oposição umas às outras. Os verdadeiros seguidores de Cristo seguem apenas um princípio: a Palavra de Deus. Jesus prometeu à igreja que os inimigos de Deus iriam um dia se humilhar diante de dEle, na presença da igreja, e reconhecer que Jesus sempre amou Sua noiva. No verso 9 de Apocalipse 3, Cristo diz algo muito importante a respeito daqueles que se dizem judeus mas não o são. Eles estão mentindo sobre sua verdadeira identidade. Eles se apresentam como sendo o povo escolhido de Deus (simbolicamente representado no texto como “Judeus”), quando na realidade, eles estavam adorando a Satanás. A realidade era completamente diferente da imagem que eles estavam projetando. O ponto principal dessa promessa é que essas pessoas irão um dia reconhecer que: 1) Jesus tem uma igreja; 2) Ele ama Sua igreja; 3) Ele sempre amou essa igreja. Isso significa que eles irão reconhecer que tudo que Jesus fez foi por causa do Seu amor pelo Seu povo. Esse ato de humilhação será a derrota de todos eles.

- Jesus irá guardar a igreja de Filadélfia da hora da provação que está para vir para todo o mundo (promessa): os membros de Filadélfia haviam guardado a palavra da perseverança de Jesus. Eles não haviam se afastado dos Seus ensinos, apesar de suas pouca forças. Por sua vez, Jesus disse a eles que Ele iria protegê-los da hora da provação, ou seja, Seu julgamento. Podemos nos perguntar: mas, porquê? Porque Jesus iria protegê-los? É porque Seu julgamento não irá cair sobre os justos. Apocalipse 3:10 especifica que o julgamento irá cair sobre aqueles que habitam na Terra. Essa expressão é bastante usada no livro de Apocalipse, e é uma forte referência aos ímpios (Apocalipse 6:10; Apocalipse 11:10; Apocalipse 13:8, 14; Apocalipse 14:6; Apocalipse 17:8). Os remanescentes podem ter certeza de que esse julgamento de Jesus não será direcionado a eles, mas sim, apenas àqueles que não são cidadãos do Céu. A hora dessa provação será um evento que os fiéis podem esperar com antecipação como um momento de grande comemoração, sem nenhum motivo para ter medo. Nesse mesmo verso, Cristo está oferecendo ao Seu povo, Sua proteção durante a hora de provação. Vemos essa hora de provação em Apocalipse 16, com as sete últimas pragas. Essas pragas não são para aqueles que têm o selo de Deus. Essas pragas são, como diz o verso, para “os que habitam na Terra”. Por toda a Bíblia, quando o povo de Deus estava enfrentando tribulações, Deus sempre os ajudou, oferecendo salvação durante a provação. Para mencionar apenas alguns: Deus salvou Noé e sua família durante o dilúvio; Deus salvou José durante a escravidão, prisão, cargo público, e fome; Deus salvou o povo de Israel durante as 10 pragas, e antes de tirá-los do Egito; Deus salvou os Israelitas durante o cativeiro na Babilônia, antes de poderem voltar para sua terra. Jesus uma vez orou: “Agora vou para ti, mas digo estas coisas enquanto ainda estou no mundo, para que eles tenham a plenitude da minha alegria. Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, pois eles não são do mundo, como eu também não sou. Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno. Eles não são do mundo, como eu também não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo. Em favor deles eu me santifico, para que também eles sejam santificados pela verdade.” (João 17:13-19).

*** Apelo -> “Venho em breve; guarde a verdade, e você irá manter sua coroa” ***: Jesus começou Seu apelo com uma promessa: Ele estará voltando em breve. A proximidade de Seu retorno faz com que o conhecer e manter a verdade se tornem mais importante ainda. Se as pessoas não mantivessem a verdade, elas iriam correr o risco de perder sua coroa da vitória (a coroa estefanos - estudos #15 e #16). Isso nos diz o quão importante é seguir a verdade. O não se apegar com a verdade pode fazer alguém ser derrotado na batalha espiritual sendo travada nesse planeta. Existem vários exemplos na Bíblia de pessoas que acabaram perdendo sua coroa porque não mantiveram a palavra de Deus. Uma pessoa em especial se destaca: Saul, que não só perdeu a sua coroa literal para Davi, mas também perdeu a sua coroa espiritual. Isso aconteceu quando Saul decidiu seguir a si mesmo, ao invés de seguir o que sabia ser a verdade de Deus. Então a ideia de que uma vez tendo recebido a coroa, você sempre irá tê-la, não é um conceito baseado na Bíblia. Jesus diz claramente que poderemos perdê-la se não tivermos o cuidado de seguir a verdade.

*** Chamado para ouvir o Espírito -> O Espírito diz às Igrejas ***: A mensagem “venho em breve; guarde a verdade para manter sua coroa” é pra ser ouvida por todas as igrejas. Não existem desculpas para não atender a esse chamado. Veja as notas do estudo #14. Jesus está chamando a igreja para se preparar para Sua volta, através da guarda de Sua mensagem verdadeira.

*** Promessa -> “Ao Vencedor” ***:  Aquele que é vitorioso recebe várias promessas:

- Coluna no santuário de Deus: Quando Salomão construiu o templo, ele mandou que colocassem lá, duas colunas bem grandes. Essas colunas eram tão importantes, que até tinham nomes (1 Reis 7:21). Uma coluna serve para um propósito estrutural e um decorativo. Ela é suporte para o peso da estrutura, e, ao mesmo tempo, pode ser admirada por sua beleza. Uma vez que os cidadãos de Filadélfia moravam em uma área de terremotos, podemos imaginar que o conceito de se tornarem uma estrutura de sustentação no templo de Deus era muito confortante. Uma coluna espiritual, com apenas beleza exterior, não tem nenhuma utilidade. Mas uma coluna forte no templo de Deus é um reflexo do Seu caráter.

- Para sempre no templo: Jesus prometeu ao vencedor que essa coluna irá permanecer no templo eternamente. Ela não vai a lugar nenhum. Nunca será destruída. Essa afirmação solidifica mais ainda a certeza de segurança e continuidade; e uma longa permanência na presença de Deus. Nada pode abalar essa coluna.

- Inscrição: Jesus prometeu que iria escrever no vencedor, o nome de Deus (Pai), o de Sua cidade (Nova Jerusalém), e o novo nome de Jesus. Jesus disse ao vencedor, que ele iria receber todos os cuidados. Cristo pagou o preço, e portanto tem todo o direito de colocar em Seu povo o endereço Celeste, identificando o local para onde eles serão enviados. De certa maneira, Deus é o destinatário, a Cidade Santa é o destino, e o remetente é Jesus. O cumprimento dessa promessa é visto em Apocalipse 14:1. Ezequiel 48:35 diz que o nome da nova cidade será “O Senhor Está Aqui”.

*** Visão da História da igreja e aplicação profética ***: A visão profética dessa igreja se encaixa no período entre os séculos 18 e 19. Durante esse tempo, o Protestantismo passou por um reavivamento, e a verdadeira mensagem de Deus começou a ser pregada outra vez. Esse período é conhecido como “O Grande Reavivamento”. Missionários foram para Índia, África, e China. Várias sociedades Bíblicas se formaram, tornando a Bíblia disponível para o povo. Durante esse período profético, Deus começou a purificar Sua igreja com Sua Verdade. Deus abriu as portas não somente para a evangelização, mas também abriu uma porta para que a verdade retornasse para dentro da igreja.

*** Visão geral ***: Em nossos estudos das primeiras igrejas, podemos ver que terremotos maléficos estavam tentando sacudir a verdade de Deus para fora de Sua igreja. Deus sempre teve seu povo remanescente através da história, mesmo quando a Sua igreja ficou reduzida a um grupo de pequena força. Mas tamanho, da maneira que os seres humanos consideram, não é um problema aos olhos de Deus. Ele precisa apenas de um pequeno e voluntário Davi para atacar um gigante. A Pedra Viva da verdade é mais que suficiente para derrubar as mentiras colossais que permeiam a igreja. Da mesma forma como Davi viu a abertura no capacete de Golias, Filadélfia se deparou com a porta aberta para a verdade. Essa igreja pegou com suas mãos a pedra da verdade, e, com ela, tomou uma atitude. Esse ato foi agradável aos olhos de Deus. A promessa de Jesus, mais uma vez, conforta e reanima Seus filhos. Eles não têm medo da provação que está para vir, porque essa hora não está reservada para eles. O vencedor está destinado para o Céu e a vida eterna.

7 Ao anjo da igreja em Filadélfia escreva: Estas são as palavras daquele que é santo e verdadeiro, que tem a chave de Davi. O que ele abre ninguém pode fechar, e o que ele fecha ninguém pode abrir.

8 Conheço as suas obras. Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar. Sei que você tem pouca força, mas guardou a minha palavra e não negou o meu nome.

9 Vejam o que farei com aqueles que são sinagoga de Satanás e que se dizem judeus e não são, mas são mentirosos. Farei que se prostrem aos seus pés e reconheçam que eu amei você.

10 Visto que você guardou a minha palavra de exortação à perseverança, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra.

11 Venho em breve! Retenha o que você tem, para que ninguém tome a sua coroa.

12 Farei do vencedor uma coluna no santuário do meu Deus, e dali ele jamais sairá. Escreverei nele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu da parte de Deus; e também escreverei nele o meu novo nome.

13 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

 

PARTE 1

 

*** História ***: Filadélfia se encontrava na região da Lídia, na área oeste da Ásia Menor, a cerca de 40 Km ao sudoeste de Sardes. Hoje, é a cidade de Alşehir, na Turquia. A cidade antiga havia sido construída sobre um platô vulcânico. Foi estabelecida pelo rei Átalo II, em 189 AC. Seu irmão, Eumenes II de Pérgamo, era o rei de Pérgamo. A cidade recebeu o nome de Filadélfia em homenagem ao relacionamento dos dois. Seu significado é “amor fraternal”, do grego phileo (amar), e adelphus (irmão). Em 167 AC, os Romanos tentaram persuadir Átalo a trair seu irmão, e tomar o trono em Pérgamo, mas Átalo se recusou.

A cidade estava estrategicamente localizada, na junção das bordas da Mísia, Lídia, e Frígia. Era o portal para o leste, perto da rota postal do império. Esta rota conectava Roma ao leste da região da Ásia. A cidade estava no local perfeito para divulgar a cultura e idioma dos gregos. E foi com esse propósito que a cidade foi fundada. Era literalmente uma porta aberta para a divulgação da cultura grega por toda a Ásia. Era próspera, e a região era fértil, perto de um rio no vale do monte Tmolo. Mas tinha uma desvantagem. A região era propensa a terremotos. O terremoto de 17 DC destruiu Filadélfia, como também outras cidades vizinhas (inclusive Sárdes). Por causa disso, essas cidades foram isentas de taxas e receberam fundos para sua recuperação.

Devido a atividade sísmica da região, pouca coisa permaneceu da cidade antiga. Algumas das ruínas que podemos ver hoje são: um teatro pequeno (Odeão), com capacidade para 2.000 a 3.000 pessoas; um anfiteatro grande, com capacidade para 60.000 pessoas, construído por volta do 1o. século; e a alguns pedaços quebrados de colunas. Sob domínio bizantino, Filadélfia era conhecida como a “Pequena Atenas”, por causa dos seus templos e festivais pagãos. Por volta de 600 DC, a Basílica de São João foi construída. Parte de suas ruínas ainda permanecem.


*** Visão Bíblica ***: Essa cidade também é apenas mencionada no livro de Apocalipse. A igreja em Esmirna e a igreja em Filadélfia têm algumas coisas em comum: elas não receberam repreensão; ambas sofreram oposição dos que se diziam Judeus, mas que na realidade eram a sinagoga de Satanás; e, nas duas, os remanescentes de Deus tinham uma coroa que deveriam manter. É interessante notar que Jesus não falou diretamente aos membros infiéis da igreja de Filadélfia. A carta é direcionada apenas àqueles na igreja que têm pouca força, que guardaram Sua palavra, e que não negaram Seu nome (Apocalipse 3:8). Mas Jesus identificou, mais uma vez, os lados opostos daquela época. Na carta, vemos dois lados, muito bem definidos:
- Aqueles com pouca força: cristãos fiéis. Apocalipse 14:12 identifica o povo de Deus como sendo “aqueles que guardam os mandamentos de Deus e têm a fé de Jesus”.
- Sinagoga de Satanás: todos os demais; também chamados ‘aqueles que habitam na Terra’.

Um tema marcante na carta, é a ideia da chave e da porta. Jesus possui a chave, e a igreja em Filadélfia recebeu dEle uma porta. Essa porta estava aberta e assim permaneceu para os cidadãos da Filadélfia, mesmo tendo eles pouca força. Isto porque eles não negaram a Jesus, e mantiveram Sua palavra. Não havia nenhuma barreira entre a igreja e Jesus. O contrário estava acontecendo em Laodicéia, onde Jesus estava do lado de fora, batendo à uma porta trancada (Apocalipse 3:20).

Existe uma porta muito importante, que uma vez fechada, nunca mais será aberta. Lemos sobre essa porta em Lucas 13:22-30. Nesses versos, Jesus explica que o dono da casa é quem fechará a porta da salvação nos últimos dias. Quem estiver do lado de dentro, irá permanecer dentro. E quem estiver do lado de fora, irá permanecer fora. Ele não reconhece os que estão do lado de fora, e por isso não podem entrar. Jesus os chamou de pessoas “que praticam o mal” (Lucas 13:27). Essa porta fechada é, na verdade, motivo de festa e alegria para os que estão do lado de dentro. Mas é motivo de choro e ranger de dentes para os que estão do lado de fora (Lucas 13:28-29). Vemos esse mesmo conceito na historia de Noé. Deus trancou a porta da arca, e os que estavam dentro dela foram salvos, e os que estavam de fora pereceram (Gênesis 7:16, 22-23).

A idéia dessa porta é uma mensagem muito forte. Quando Jesus abre uma porta diante de Seu povo, coisas muito poderosas também podem acontecer. Enquanto estava em Éfeso, Paulo mencionou uma porta ampla para um trabalho eficiente, que havia sido aberta para a pregação do evangelho (1 Coríntios 16:9). De modo semelhante, ele encontrou uma porta aberta para divulgar a mensagem em Trôade (2 Coríntios 2:12). Ao escrever para os Colossenses, ele pediu que a igreja orasse para que Deus abrisse uma porta para o evangelismo bem sucedido (Colossenses 4:2-6). Onde estiverem pessoas dispostas, Deus irá prover uma maneira de divulgar Sua Palavra. Com certeza, precisamos orar por esse tipo de porta aberta, e ao mesmo tempo, precisamos estar preparados para passar por ela.

Talvez, a porta mais importante que Ele abriu, foi uma porta não muito convencional, que se encontrava no templo em Jerusalém. Quando Jesus morreu, a “porta” no templo que separava o Lugar Santo, do Lugar Santíssimo, foi permanentemente aberta. Foi rasgada de cima a baixo (Marcos 15:37-38). Cristo foi o sacrifício final, e Ele se tornou a ponte entre Seu povo e o Pai. Através de Jesus, a benção da Vida Eterna podia agora ser dada às pessoas. E nunca ninguém, nem no Céu ou na Terra, poderá mudar isso. Essa é exatamente a mensagem do evangelho: que em Jesus, temos uma porta aberta para a salvação, eterna restauração, e reconexão inquebrável com o Pai.

Quando pensamos sobre o conceito da porta aberta e da porta fechada, podemos ver que a igreja em Filadélfia tinha uma grande responsabilidade em suas mãos. Sua cidade já era otimizada para a rápida e efetiva disseminação de informação. Podemos entender que Jesus esperava que os membros utilizassem essa porta que Ele havia aberto para eles. Não podemos esquecer a qualidade principal dessa porta. Cristo é quem a controla. Ele é quem segura as chaves. Como vimos nos textos das cartas de Paulo, podemos orar pedindo a Deus que abra portas para nós. Para seus servos fiéis, Sua porta significa salvação. Para aqueles que guardam Sua palavra e não negam Seu nome, significa uma ligação direta com o Criador. Lucas 11:9-10 diz: “Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta.” Mas exatamente o quê deveríamos pedir? O que deveríamos buscar? E porque precisamos de uma porta aberta? Jesus nos dá a resposta alguns versos depois, em Lucas 11:13: “Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai que está no céu dará o Espírito Santo a quem o pedir!” É através dessa porta aberta que podemos receber o Espírito Santo. E o Espírito Santo será a fonte de energia para aqueles que O receberem. E irão poder fazer coisas maravilhosas, e produzir um trabalho eficiente, como disse Paulo.

*** Visão Geral ***: A igreja em Filadélfia tinha uma porta aberta. Nenhuma barreira se encontrava entre ela e o Senhor. Nem mesmo a oposição da sinagoga de Satanás podia separá-la de Deus. A única coisa que poderia fechar a porta, ou fazê-la perder sua coroa de vitória (Apocalipse 3:11), seria se ela não mantivesse a verdade que já possuía. Essa porta era mantida aberta não pela força daqueles que acreditavam em Jesus, mas pela fé que eles tinham naquEle segurando as chaves. Ao crer no Senhor, Noé foi protegido durante o dilúvio através de uma porta fechada, e foi salvo por uma porta aberta logo após. Através de uma porta aberta, Paulo pôde pregar por toda a Ásia, mesmo sendo mandado para a prisão inúmeras vezes, e sofrendo perseguições. Quando batemos à porta, iremos receber o Espírito Santo. E isso é o que há de mais importante que temos para pedir a Deus quando batemos à Sua porta. Ele tem as chaves. Ele está no controle. Qualquer que seja a ajuda que precisarmos em nossa jornada espiritual, seja ela uma porta fechada, ou uma porta aberta, Jesus irá providenciá-la.

1  Ao anjo da igreja em Sardes escreva: Estas são as palavras daquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas. Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto.

2  Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer, pois não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus.

3  Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se. Mas se você não estiver atento, virei como um ladrão e você não saberá a que hora virei contra você.

4  No entanto, você tem aí em Sardes uns poucos que não contaminaram as suas vestes. Eles andarão comigo, vestidos de branco, pois são dignos.

5  O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos.

6  Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.


PARTE 2

*** Destinatário -> “Ao anjo da igreja em Sardes” ***: Mais uma vez, a carta é endereçada ao líder da igreja, mas o texto se aplica a todos os membros. Veja os comentários no estudo #9, #12, e #14.

*** Remetente -> “AquEle que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas” ***: Assim como em Éfeso, Jesus vem à igreja em Sardes como aquEle que tem as sete estrelas. As sete estrelas são os líderes da igreja (Apocalipse 1:20; veja também os estudos #9 e #14). Jesus os conhece, e cuida deles com muita dedicação. Jesus também se apresenta como tendo os sete espíritos de Deus. Em outras palavras, Ele tem a cura para o seus problemas: o Espírito Santo (veja o estudo #5).

*** Avaliação -> “Conheço…” ***: Jesus tem um conhecimento completo de todas as questões presentes na igreja. Nada de bom é dito sobre ela. Ela precisa melhorar em tudo.

- Problema: A primeira coisa que lemos a respeito da igreja é alarmante. No original em grego, Jesus disse que ela tem um nome, mas que na verdade está morta. A palavra “nome” foi traduzida da palavra onoma, que significa: nome, caráter, fama, reputação. Jesus está dizendo que Sardes é literalmente apenas um nome. Não tem nenhum significado. A igreja estava morta, sendo carregada no tempo pela fama das eras passadas. Tinha uma reputação, mas um conteúdo estagnado. A igreja parecia que estava viva, com todas as obras esperadas de uma igreja viva e de uma congregação cheia do Espírito de Deus. Mas, a realidade era diferente, e eles estavam espiritualmente mortos.

- Obras: A igreja tinha obras, mas era o tipo de obra que Deus considera insuficiente, imperfeita. Aparentemente, essas obras estavam sendo feitas por aqueles que estavam para morrer, mas que não tinham falecido completamente ainda. Como vimos no estudo #21, as obras que Deus requer são: “crer naquEle que Ele enviou” (João 6:29). Se eles não estavam apresentando obras que alcançavam o padrão de Deus, é porque eles não estavam realmente acreditando naquEle que Ele havia enviado, ao menos não de todo coração. Se a sua crença não era baseada totalmente no ensino de Deus, então era baseada na tradição humana. Essas tradições se haviam tornado rituais vazios. Suas crenças eram incompletas e imperfeitas. Possuir apenas parte da verdade que já havia sido divinamente revelada, não era suficiente aos olhos de Deus.

- Alerta: Assim como um dos possíveis significados do nome Sardes ("aqueles que permanecem", ver estudo #22), os poucos que permaneceram fiéis na fé, aqueles que escaparam da morte espiritual, não estavam fora de perigo ainda. O verso 2 de Apocalipse 3 diz que eles estavam para morrer. Jesus chamou o líder falecido para acordar e fazer algo pela congregação que estava morrendo.

*** Apelo -> “Lembre-se, obedeça, e arrependa-se, se não…” ***: Jesus explicou como a igreja poderia dar a volta nessa situação. O apelo é semelhante ao dado para a igreja em Éfeso (Apocalipse 2:5). Éfeso apresentou os primeiros sintomas dessa doença espiritual. A doença já havia ocorrido por completo em Sardis. Eles estavam morrendo, mesmo tendo acesso ao antídoto todo o tempo. Jesus estava dizendo que eles precisavam se lembrar da mensagem verdadeira que já haviam recebido. Eles foram chamados a manter a mensagem em mente, e a não se desviarem dela. Mas Jesus não parou por aí. Eles também precisavam obedecer, e agir de acordo com a mensagem. O simples ato de conhecê-la não era suficiente. Eles tinham que fazer algo a respeito.

Esse chamado nos faz lembrar do que Jesus disse ao paralítico de Cafarnaum e ao de Betesda (Marcos 2:1-12; João 5:1-15): “Levanta, pega tua cama, e anda”. Ele não os declarou curados simplesmente, com a expectativa de que fossem continuar deitados no chão, do mesmo modo como estiveram por tantos anos. Jesus disse a esses homens que se levantassem. Será que a vida deles teria sido diferente se eles não tivessem se levantado? Paralisados e deitados no chão ou curados e ainda deitados no chão? Quando Jesus ressuscitou Lázaro, não era Sua intenção que Seu amigo continuasse dentro do túmulo. Ele disse: “Lázaro, vem para fora!” (João 11:43). Para podermos permanecer espiritualmente reavivados, não podemos continuar fazendo as mesmas coisa que costumávamos fazer (ou não fazer) antes de sermos restaurados. O ponto-chave para entender como seria possível ressuscitar a igreja em Sardes, e fazer com que ela ficasse de pé novamente, vem no fim da frase: "arrependa-se". Jesus estava dizendo ao povo daquela época, e a nós hoje também, que precisamos reconhecer nossas faltas, e a nossa dependência de Deus. Nessas duas histórias dos homens paralíticos, podemos ver a atitude de perdão que Jesus teve para com eles: “Olhe, você está curado. Não volte a pecar, para que algo pior não lhe aconteça” (João 5:14). “Filho, os seus pecados estão perdoados” (Marcos 2:5).

O apelo a Sardes começa com um alerta muito sério. Se a igreja não acordar, não se voltar para Deus, e não praticar a verdade, Jesus virá para ela como um ladrão na noite. Existem aqui dois elementos muito importantes:

1) Esse alerta é direcionado aos membros da igreja. Jesus vai retornar inesperadamente, como um ladrão, para pessoas que se dizem cristãs. Jesus não está aqui falando para aqueles que não acreditam nEle.

2) Sua vinda será inesperada  apenas para aqueles que não estão praticando a mensagem completa contida na Palavra de Deus - aqueles que não estão vigiando (Mateus 24:42-44; Marcos 13:35-37). Mas como podemos saber se temos ou não a Palavra completa? Como pode um ser humano imperfeito ter toda a verdade? A resposta está no começo do verso 3 de Apocalipse 3. Jesus espera que pratiquemos a verdade de acordo com o que recebemos e ouvimos. Pois, quanto mais a gente anda com Deus, mais a gente recebe e ouve. O aprendizado da verdade não é uma experiência estática. Quanto mais aprendemos, mais o nível de responsabilidade por nossas ações aumenta. Escolher permanecer em um ponto confortável de ignorância, não é um método de prevenção contra ser pego de surpresa quando Jesus voltar. O fim do verso 3 de Apocalipse 3 diz que Jesus virá CONTRA aqueles que escolherem NÃO viver Sua mensagem. Ele virá PARA aqueles que REALMENTE O seguem. A Estes Ele levará para o Reino de Deus (Mateus 13:36-43; 1 Tessalonicenses 5:9).

A vinda como ladrão é um lembrete histórico de como a cidade de Sardes havia sido dominada anteriormente. Os soldados estavam tão confiantes, que eles não estavam mantendo a vigilância que deveriam. 1 Tessalonicenses 5:2-4 diz: "pois vocês mesmos sabem perfeitamente que o dia do Senhor virá como ladrão à noite. Quando disserem: 'Paz e segurança', então, de repente, a destruição virá sobre eles, como dores à mulher grávida; e de modo nenhum escaparão. Mas vocês, irmãos, não estão nas trevas, para que esse dia os surpreenda como ladrão.” Agora, fica mais claro ainda que a vinda de Jesus como ladrão vai acontecer apenas para aqueles que não estão vigiando. Aqueles que estão na luz não serão pegos de surpresa, e Sua vinda não será como a de um ladrão. Eles estarão esperando por Sua chegada. No dia que Ele vier como ladrão, a Terra será completamente destruída, e por isso Ele está dando uma chance agora para nos arrependermos (2 Pedro 3:9-10). Não haverá mais nenhuma chance depois que Ele vier como um ladrão. "Visto que tudo será assim desfeito, que tipo de pessoas é necessário que vocês sejam? Vivam de maneira santa e piedosa, esperando o dia de Deus e apressando a sua vinda. Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor. Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça.” (2 Pedro 3:11-13).

Jesus conclui Seu apelo com uma promessa a um grupo especial em Sardes. Uns poucos membros não se contaminaram com os germes da doença espiritual que havia se espalhado pela igreja. Não somente eles não sujaram suas vestes com as influencias pagãs, mas também tinham nomes que possuíam significado. Eles estavam vivos, e eram dignos de caminharem com Jesus. Eles estavam usando uma vestimenta branca de vitória. Os cristãos daquela época conheciam bem o conceito de se vestir de branco para uma ocasião especial. Os romanos se vestiam de branco para comemorar uma vitória de guerra. Nos fins dos tempos, os remanescentes de Deus é que irão ser aqueles vestidos de branco. E esse momento é descrito em Apocalipse 7:9-17, e Apocalipse 19:7-8.

*** Chamado para ouvir o Espírito -> O Espírito diz às Igrejas ***: A mensagem “lembre-se e mantenha a verdade, e se arrependa” é pra ser ouvida por todas as igrejas. Não existem desculpas para não atender a esse chamado. Veja as notas do estudo #14. Jesus está chamando a igreja a ser vigilante e diligente. Conhecer e viver Sua verdade é literalmente uma questão de vida ou morte.

*** Promessa -> “Ao Vencedor” ***:  Aquele que é vitorioso, recebe várias promessas:
1) Vestes brancas: 
Deus vem vestindo os seres humanos desde a Criação. Adão e Eva perderam seus robes originais de glória, e se viram nús após o pecado. Rapidamente, eles fizeram para si algo para se cobrirem, usando folhas de figueira (Gênesis 3:7). O original em hebraico diz que eles fizeram aventais (ḥă·ḡō·rōṯ) usando as folhas. Com certeza esses aventais não proviam cobertura completa, e as folhas certamente não durariam muito tempo. Então Deus fez para eles vestimentas de pele, e os vestiu com elas (Gênesis 3:21). Mesmo essas novas vestimentas sendo temporárias, deram a Adão e Eva cobertura completa. 

Deus também planejou as roupas que os sacerdotes deveriam usar no serviço do templo (Êxodo 28). 

Deus é quem dá as vestimentas brancas aos salvos (Apocalipse 6:11). Isaías descreveu esse robe que Deus dá ao Seu povo: "É grande o meu prazer no Senhor! Regozija-se a minha alma em meu Deus! Pois ele me vestiu com as vestes da salvação e sobre mim pôs o manto da justiça, qual noivo que adorna a cabeça como um sacerdote, qual noiva que se enfeita com jóias.” (Isaías 61:10). O sacrifício de Jesus é que cobre o pecador completamente, tornando o vencedor em uma nova criatura, sem nenhuma culpa. Da mesma forma que Ele fez quando ressuscitou Lázaro, Jesus quer remover as nossas roupas imundas de túmulo (João 11:44), e nos vestir com um puro manto de justiça.

2) Nome no Livro da Vida: Jesus prometeu que Ele não irá apagar o nome do vencedor do Livro da Vida. O vencedor tem um nome, e um nome com significado. Um nome que é digno de permanecer no livro mais importante do Universo. Somente aqueles com o nome contido nesse livro poderão entrar no Reino de Deus (Apocalipse 21:27). A Bíblia nos diz quais nomes podem ser apagados desse livro: "Respondeu o Senhor a Moisés: 'Riscarei do meu livro todo aquele que pecar contra mim.'" (Êxodo 32:33). O Salmo 69:28 também fala sobre os ímpios sendo retirados desse livro. Essas duas passagens se referem à igreja do Antigo Testamento. Mas essa verdade permanece também para a igreja do Novo Testamento. O ato de apagar o nome representa morte eterna (Apocalipse 20:15). Fazer parte de uma igreja, ou passar pelo batismo, não garantem um nome no livro de Deus. A não ser que nós estejamos acordados, em vigilância, e vivendo da maneira que Deus quer, não poderemos entrar no Reino Celestial. Jesus disse em Mateus 7:21-23: “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?’ Então eu lhes direi claramente: ‘Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que praticam o mal!’” (Mateus 7:21-23). Jesus diz que nunca os conheceu, porque eles nunca O conheceram. Eles nunca realmente quiseram continuar caminhando e vivendo com Ele (Colossenses 2:6; 1 Tessalonicenses 4:1).

3) Nome reconhecido: Essa é uma promessa em duas partes. Jesus irá reconhecer o nome do vencedor diante do Pai. Jesus irá também reconhecer o nome do vencedor diante dos anjos. A palavra ‘reconhecer’ é traduzida do grego homologēsō, que significa: prometer, concordar, confessar, declarar publicamente, elogiar, celebrar. Essa não é a primeira vez que Jesus prometeu confessar, ou declarar publicamente  o nome de seus fiéis diante do Pai e Seus anjos. Lemos essas promessas em Mateus 10:32-33, e Lucas 12:8-9. Cristo irá fazer um anúncio em público, celebrando todos aqueles que confessaram, sinceramente, Seu nome diante do mundo.

*** Visão da História da igreja e aplicação profética ***: A visão profética dessa igreja se encaixa no período entre os séculos 16 e 17, que foi a época que veio logo após os reformadores que acordaram a igreja. Os reformadores haviam trazido a público as diferenças entre o que a Bíblia realmente ensina, e o que a igreja estabelecida estava pregando naquele tempo. Várias igrejas protestantes surgiram desse movimento. Mas depois que os reformadores faleceram, as próximas gerações se tornaram focalizadas apenas em debates doutrinários, e pontos de controvérsia, e assim, caíram no mesmo erro que os reformadores tanto haviam lutado contra: formalismo. Essa igreja parecia estar viva, mas não estava. Possuía obras, mas elas não eram obras que refletiam o contínuo processo de aprendizagem iniciado pelos reformadores originais. Ao fim desse período, foi então fácil para as emergentes filosofias do racionalismo e secularismo entrarem na igreja. Isso afetou mais ainda a condição desfalecida da igreja.

*** Visão geral ***: A igreja em Sardes acreditava que tinha toda a verdade de que precisava. A congregação era sustentada pela fama que teve no passado. Mas Sardes já não tinha mais nada por trás de seu nome. Nenhuma âncora a enraizava na Palavra de Deus. Os membros prosseguiam, seguindo parcialmente as Escrituras. Então Jesus os chamou para que se lembrassem de Sua mensagem. Cristo chama Seus filhos para que O sigam completamente, e não de forma parcial. Ao contrário de Lázaro, os membros em Sardes haviam escolhido permanecer dentro do túmulo. Eles não queriam se levantar da cama onde estavam deitados. Eles não estavam caminhando com Cristo como deveriam. A carta a Sardes traz uma mensagem muito forte. Será que estamos tão confortáveis com a mensagem introdutória que recebemos, ao ponto de pensarmos que já temos a roupa completa do Evangelho, quando na realidade estamos andando por aí, apenas com um avental de folhas de figueira? Jesus está dizendo que já é hora de levantarmos e sairmos para fora do túmulo! É hora de colocarmos o manto completo da justiça, e caminharmos com Cristo. É caminhando com Ele, e confessando Seu nome que passamos a conhecer Jesus. Como disse Cristo em Mateus 7:21-23, somente aqueles que Ele conhece, entrarão no Reino do Céu. Nas palavras de Jesus: “[…] Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente. Você crê nisso?” (João 11:25-26)

1 Ao anjo da igreja em Sardes escreva: Estas são as palavras daquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas. Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto.

2 Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer, pois não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus.

3 Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se. Mas se você não estiver atento, virei como um ladrão e você não saberá a que hora virei contra você.

4 No entanto, você tem aí em Sardes uns poucos que não contaminaram as suas vestes. Eles andarão comigo, vestidos de branco, pois são dignos.

5 O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos.

6 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

 

PARTE 1

 

*** História ***: Sardes, ou Sárdis, se encontrava a um pouco mais de 48 km ao sudoeste de Tiatira, no monte Tmolo. Hoje, suas ruínas estão perto da cidade de Start, na Turquia. No fim do Império Assírio, por volta de 612 AC, a Babilônia dominou a Mesopotâmia, e Sardes se tornou a capital do reino da Lídia. Sardes era uma fortaleza natural, nesse monte. Os cidadãos comuns viviam no pé da montanha, perto do rio Pactolo, enquanto a realeza e os abastados moravam no topo do monte. A cidade estava estrategicamente localizada para o comércio na Ásia Menor. Sardes era uma cidade avançada, e um centro industrial para a manufatura e tinturaria de lã e tapetes. A descoberta de como separar o ouro da prata fez com que a indústria metalúrgica também crescesse bastante durante o governo do rei da Lídia, Creso. A habilidade de cunhar moedas de ouro puro ou de prata pura, fez de Sardes uma cidade muito rica. Sardes também é considerada como o berço do dinheiro moderno.

Os cidadãos consideravam sua cidade como impenetrável. Então seus guardas nem sempre estavam em seus postos como deviam. Ciro o Grande (o rei que conquistou a Babilônia e iniciou a era Persa) conquistou Sardes sem quase nenhuma resistência em algum momento entre 548-546 AC. A cidade permaneceu sob domínio Persa até 334 AC, quando Alexandre o Grande conquistou a região. Os gregos também não encontraram muita resistência. A cidade foi novamente conquistada em 218 por Antioco, porque os guardas não estavam vigiando direito. A cidade baixa foi reconstruída em um novo local, e eventualmente, construíram uma muralha ao redor dela. Apesar de estar crescendo sob o domínio de diferentes impérios, Sardes nunca voltou a ter o nível de importância que havia tido no passado, sob o reino lídio. Mas continuou vivendo à sombra da glória de seu passado. Em 133 AC, foi dominada pelos Romanos. Um terremoto destruiu a cidade em 17 DC. Sardes era tão rica que bancou sua própria reconstrução. O Império Romano, em seus esforços de ajuda à região, concedeu que Sardes fosse isenta de impostos por um tempo. Em 616 DC, os persas atacaram e destruiram a cidade.

A deusa da cidade era Cibele. O povo acreditava que ela era a deusa mãe, e entre outras coisas, que ela era mediadora entre o mundo dos vivos e dos mortos. Sardes tinha um templo para Ártemis, e muito provavelmente um para Zeus. Sabemos também que lá havia uma sinagoga judaica muito grande, que foi escavada em 1962.

Os significados do nome Sardes mais comumente aceitos são: “aqueles que escapam”, “aqueles que saem”, ou “aqueles que permanecem”. Mas de acordo com a concordância Bíblica Strong’s Exhaustive Concordance, o nome Sardes é uma palavra no “plural de derivação desconhecida”. Sem termos certeza total de qual seja o seu significado, podemos entender que Sardes é apenas um nome.

*** Visão Bíblica ***: A cidade de Sardes não é mencionada em nenhum outro verso da Bíblia. Jesus começou a Sua avaliação da igreja dizendo que ela não era nada mais que uma faixada. O resultado do caminho perigoso começado em Éfeso, o caminho da falta de amor, é demonstrado por completo em Sardes. 1 João 3:14 diz que permanecemos espiritualmente mortos quando não temos amor. Agora podemos ver mais claramente, após estudarmos as primeiras 4 igrejas, o que acontece quando vivemos sem amor pelos outros e pela verdade. Nós perdemos o foco do ponto central da existência cristã: Jesus. Sem Ele, o que resta na igreja são apenas tradições e conversas e discussões inúteis (1 Timóteo 1:3-6). Essa forma de pensar, sem amor, abre as portas para a introdução e tolerância aos falsos ensinamentos, exaltação do Próprio Eu, e por fim, morte. Com exceção de Esmirna, estes foram exatamente os passos tomados pelas igrejas até então. Quando não somos nutridos com o Pão da Vida, através do Espírito que dá vida (Romanos 8:6-10), perecemos. Não existe outra solução. Jesus está chamando essa igreja morta para que volte a viver. Efésios 2:4-5 nos diz como podemos ser reavivados: “Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou,
deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos”.

É interessante notar que os Nicolaítas não eram o grupo problemático dessa igreja, nem mesmo os seguidores de Jezabel, ou os de Balaão. O problema ía mais fundo do que isso. A maioria dos membros da igreja já não mais estava cheia do Espírito, e isso se tornou um problema sério. O perigo maior era que eles pareciam estar vivos. E isso por si só era uma fonte de engano. Nós lemos o chamado urgente de Jesus, nessa carta: “arrependa-se”. Ele os estava chamando para pedirem perdão a Deus, e caminharem come Ele. Ele estava, e ainda está pronto a perdoar os nossos pecados.

A mensagem de Jesus nos faz lembrar da parábola do Filho Pródigo (Lucas 15:11-31). O pai estava pacientemente esperando seu filho retornar para casa. Quando o filho finalmente voltou, o pai pediu que seus servos trouxessem a melhor roupa para vestir seu filho, e que preparassem uma grande festa. O pai anunciou para todos: “Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado” (Lucas 15:24). A parábola não nos dá a impressão de que o filho ficou surpreso de ver seu pai esperando na estrada. O objetivo de sua jornada de volta para casa era exatamente retornar para o pai. As primeiras palavras que o filho disse a seu pai foram palavras de arrependimento. Podemos apenas imaginar como o filho teria sido pego de surpresa se seu pai tivesse chegado justamente no momento que estava considerando comer a ração dos porcos. A idéia de encontrar com seu pai ali ao lado dos porcos possivelmente nunca passou pela sua cabeça. Jesus não quer que Sua vinda nos pegue de surpresa. A Sua mensagem é: esteja atento, vigilante, e preste atenção! Não iremos saber que Ele está vindo se não estivermos olhando na direção certa. Quando desenvolvemos um relacionamento com Cristo, ele vai nos mostrar a direção correta. Se não O buscarmos, não teremos como achá-LO. Se não O acharmos, não seremos vestidos com as vestimentas brancas, e nossa natureza pecaminosa irá permanecer descoberta. Sem o Salvador, não ficamos apenas mortos, mas também expostos. Jesus disse: “Eis que venho como ladrão! Feliz aquele que permanece vigilante e conserva consigo as suas vestes, para que não ande nu e não seja vista a sua vergonha” (Apocalipse 16:15).

*** Visão Geral ***: Sardes vivia à sombra da fama de seu passado, sustentada por suas próprias riquezas. A igreja estava tão misturada com a cidade, que não tinha como separar uma da outra. Tanto a cidade quanto a igreja podiam ser descritas da mesma maneira. Já não vemos mais aqueles opostos contrastantes quando comparamos as duas. Nessa carta, Cristo lembra à congregação o modo como Sardes havia sido conquistada no passado, por causa do seu excesso de confiança e falta de vigilância. Era um alerta para os membros da igreja permanecerem atentos, e não abandonarem seus postos. Falta de esforço é motivo o suficiente para precisar de perdão. O vencedor irá receber vestes de justiça. Jesus também está dizendo esta mensagem para nós hoje: manter a verdade que recebemos, e nos arrepender de nossos pecados. Deus é poderoso o suficiente para nos ressuscitar da paralisia, da letargia e mesmo da morte espiritual. Não estaremos sozinhos, porque Ele prometeu caminhar conosco. Mas, da mesma maneira que o filho pródigo, precisamos decidir por nós mesmos voltar para casa. Precisamos acordar, olhar para cima, levantar, reconhecer o erro, e caminhar em direção ao nosso Redentor. Jesus disse: “Todo o que o Pai me der virá a mim, e quem vier a mim eu jamais rejeitarei” (João 6:37).

18 Ao anjo da igreja em Tiatira escreva: Estas são as palavras do Filho de Deus, cujos olhos são como chama de fogo e os pés como bronze reluzente.

19 Conheço as suas obras, o seu amor, a sua fé, o seu serviço e a sua perseverança, e sei que você está fazendo mais agora do que no princípio.

20 No entanto, contra você tenho isto: você tolera Jezabel, aquela mulher que se diz profetisa. Com os seus ensinos, ela induz os meus servos à imoralidade sexual e a comerem alimentos sacrificados aos ídolos.

21 Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender.

22 Por isso, vou fazê-la adoecer e trarei grande sofrimento aos que cometem adultério com ela, a não ser que se arrependam das obras que ela pratica.

23 Matarei os filhos dessa mulher. Então, todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda mentes e corações, e retribuirei a cada um de vocês de acordo com as suas obras.

24 Aos demais que estão em Tiatira, a vocês que não seguem a doutrina dela e não aprenderam, como eles dizem, os profundos segredos de Satanás, digo: não porei outra carga sobre vocês;

25 tão-somente apeguem-se com firmeza ao que vocês têm, até que eu venha.

26 Àquele que vencer e fizer a minha vontade até o fim darei autoridade sobre as nações.

27 "Ele as governará com cetro de ferro e as despedaçará a um vaso de barro"

28 Eu lhes darei a mesma autoridade que recebi autoridade de meu Pai. Também lhe darei a estrela da manhã.

29 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

PARTE 3

*** Destinatário -> “Ao anjo da igreja em Tiatira” ***: Mais uma vez, a carta é endereçada ao líder da igreja, mas o texto se aplica a todos os membros. Veja os comentários no estudo #9, #12, e #14.

*** Remetente -> “Filho de Deus, cujos olhos são como chama de fogo e os pés como bronze reluzente” ***: Na visão do Cristo Glorificado (lição #8), Jesus é visto como "semelhante a um filho de homem" (Apocalipse 1:13). Mas, para a igreja em Tiatira, Ele se apresenta como o Filho de Deus. A Bíblia nos diz que todos que crêem no Filho de Deus, tabém aceitam o testemunho de Jesus, que é: "Quem crê no Filho de Deus tem em si mesmo esse testemunho. Quem não crê em Deus o faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus dá acerca de seu Filho. E este é o testemunho: Deus nos deu a vida eterna, e essa vida está em seu Filho." (1 João 5:10-11). Aquele que vence o mundo, é aquele que acredita que Jesus é o Filho de Deus (1 João 5:5). Jesus também se apresenta como tendo olhos de chama de fogo. Como estudamos na lição #9, nada pode se esconder da Sua vista (Hebreus 4:13). Ele vê tudo (Jó 28:24; Provérbios 15:3). Ele é aquEle que "sonda mentes e corações" (Apocalipse 2:23). Jesus conclui Sua introdução se identificando como sendo aquEle que tem os pés como bronze reluzente. Na lição #9 vimos também que Jesus foi o sacrifício erguido no poste, assim como a cobra de bronze no deserto. Ele foi o sacrifício queimado no altar de bronze, para que pudéssemos ser salvos de nossos pecados. Ele está firmado em pés fortes, estáveis, e poderosos, que não se desviam da verdade de Deus. Essa descrição é semelhante à descrição encontrada em Daniel * 10:6.

*** Avaliação -> “Conheço…” ***: Jesus conhece mais do que ninguém o que está acontecendo na igreja. Para essa congregação dividida, a mensagem é dada em pares:
- Obras: amor e fé; serviço e perseverança; as primeiras obras e as obras recentes. Essa descrição nos dá a impressão de que os membros dessa igreja são sinceros. Amor e fé são uma dupla comum no Novo Testamento (Gálatas 5:6; Efésios 1:15; Efésios 6:23; 1 Tessalonicenses 3:6; 2 Timóteo 1:13; Filemon 1:5). É por causa do amor e da fé que as pessoas passam a se envolver no serviço, e sua esperança em Jesus inspira a perseverança (1 Tessalonicenses 1:3; Hebreus 6:10). Fé e perseverança são duas das principais características do povo de Deus (Apocalipse 13:10; Apocalipse 14:12). As obras dessa igreja aparentam estar aumentando com o tempo.

- Problema: A igreja em Tiatira tem um problema interno muito grave. Ela se tornou tolerante à Jezabel, que se dizia profetiza. Ela vinha ensinando e seduzindo o povo de Deus a cometer atos contrários à Sua vontade. No estudo #20, vimos que, na visão profética, Jezabel representa a igreja infiel. Para os cristãos do primeiro século, muito provavelmente ela era a líder de um movimento herético, vindo de dentro da igreja. Ela estava levando o povo ao tipo incorreto de culto (simbolizado pelo termo 'imoralidade sexual'), e ensinando doutrinas falsas que não apontavam para Jesus como o foco central (simbolizadas pelo comer alimentos oferecidos aos ídolos). Os cristãos daquela época estavam sendo enganados tanto no sentido espiritual dessa alegoria, quanto no sentido real e físico. Jesus deveria ser o Pão da Vida que os membros da igreja consomem diariamente. Mas, ao invés disso, eles estavam se esbaldando nas falsas doutrinas que corrompem as verdades fundamentais do Evangelho. O verso 21 diz que Jesus deu a Jezabel tempo para se arrepender, e que ela recusou esse chamado. E é por isso que Ele alerta: Ele vai afligir Jezabel e aqueles que seguem seus ensinos (simbolizado pelo termo 'cometem adultério com ela'). Eles estavam cometendo infidelidade espiritual contra Deus. O fim do verso 22 indica que essa declaração punitiva de destruição, tem um propósito redentor. Jesus estabelece que a punição é condicional. Depende do arrependimento deles. Da mesma forma que os filhos de Acabe foram mortos por causa de seu pecado (2 Reis 10:6), e de como a filha de Jezabel, Atalia, foi morta por causa de sua perversidade, os filhos de Jezabel em Tiatira também vão ser mortos. Mas antes de sua destruição, Jezabel e seus seguidores irão passar por grande sofrimento, ao serem 'jogados em uma cama de enfermidade' como diz o original em grego. No verso 23, Jesus faz duas promessas: 1) a destruição de Jezabel e seus filhos vai mostrar para todas as igrejas que Jesus é aquEle com os olhos de chamas de fogo, que traz julgamento, e que sonda mentes e corações; 2) todos serão retribuídos de acordo com suas obras. No original em grego, o trecho 'sonda mentes e corações' foi escrito como 'sonda rins e corações'. Nos tempos antigos, o rim era considerado como o foco das emoções, e o coração era o foco da inteligência e escolha (Jeremias 17:10). Fiéis ou não, todas as igrejas vão ficar sabendo que Jesus vê as razões por trás de cada decisão tomada. As pessoas serão julgadas pelas suas obras. Essas obras serão apresentadas diante de Deus, independentemente de refletirem ou não uma vida propositadamente compromissada com Cristo e sua verdade. Aqueles que acreditam no Filho de Deus e obedecem aos Seus mandamentos, não têm nada a temer. Isto porque eles já estão envolvidos na obra que Deus requer. De acordo com Jesus, "A obra de Deus é esta: crer naquele que ele enviou" (João 6:29). Mas como podemos saber se cremos naquEle que Deus enviou, e não em uma versão falsificada dEle? Em Apocalipse 12:17, Cristo descreve os filhos da igreja fiel: são aqueles que "guardam os mandamentos de Deus e que têm o testemunho de Jesus." Então, não devemos seguir quem estiver ensinando princípios que vão contra ou que modificam os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus, porque não estarão apontando para aquEle que Deus enviou.

*** Apelo -> “apeguem-se com firmeza ao que vocês têm” ***: Os ensinos de Jezabel são tão perigosos, que no verso 24 Jesus os chama de "profundos segredos de Satanás". Basicamente, Jezabel estava dizendo aos membros que escolhessem o caminho mais fácil. Que tomassem a decisão a favor daquilo que os deixassem mais confortáveis. Que concordassem em modificar os princípios cristãos apenas em alguns pontos para que pudessem se adaptar melhor às demandas sociais da vida. Essa aparente inocente teologia do caminho fácil, não vem de Deus. Uma dose diluída do Evangelho certamente não é a dose completa e necessária para manter uma pessoa no caminho estreito que leva à salvação. Jesus disse: "Entrem pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que leva à perdição, e são muitos os que entram por ela. Como é estreita a porta, e apertado o caminho que leva à vida! São poucos os que a encontram" (Mateus 7:13-14). A vida cristã não é uma caminhada fácil, mas essa jornada pela porta estreita e caminho apertado vale à pena. O excesso de bagagem que o 'Próprio Eu' gosta de carregar, precisa ser deixado na porta, antes de passar por ela. A única coisa que cabe pela porta estreita, que os seguidores podem levar consigo, é a verdade. A verdade é a vara de equilíbrio que mantém o Cristão firme no caminho estreito. Jesus chama os poucos fiéis em Tiatira, ainda no caminho estreito, a continuarem apegados à verdade até que Ele retorne.

*** Chamado para ouvir o Espírito -> O Espírito diz às Igrejas ***: A mensagem “apeguem-se somente à verdade de Deus para que não sejam destruídos” é pra ser ouvida por todas as igrejas. Não existem desculpas para não atender a esse chamado. Veja as notas do estudo #14. Cristo está dizendo que é possível manter a fé, as obras, o amor, e a perseverança mesmo quando a maioria da igreja passa a seguir crenças corrompidas.

*** Promessa -> "Ao Vencedor” ***: Continuando com o tema de tudo sendo dito em dupla, o vencedor recebe 2 promessas: autoridade sobre as nações, e a estrela da manhã.
- Autoridade sobre as nações: essa passagem nos faz lembrar da promessa no Salmo 2:8-9: "Pede-me, e te darei as nações como herança e os confins da terra como tua propriedade. Tu as quebrarás com vara de ferro e as despedaçarás como a um vaso de barro". O vencedor irá governar sobre as nações, e vai quebrá-las como quem quebra um vaso de barro. Essa imagem do vaso quebrado nos traz à mente as instruções dadas em Levíticos 11:29-35, para os israelitas a respeito de animais impuros. Se um desses animais morresse, e sua carcaça entrasse em contato com um pote de barro, o pote deveria ser quebrado para que não contaminasse seus alimentos. Em Jeremias 18:6-10, Lemos o que Deus tinha a dizer sobre o trabalho do oleiro e sobre as nações da terra: "'Ó comunidade de Israel, será que não posso eu agir com vocês como fez o oleiro? ', pergunta o Senhor. 'Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês nas minhas mãos, ó comunidade de Israel. Se em algum momento eu decretar que uma nação ou um reino seja arrancado, despedaçado e arruinado, e se essa nação que eu adverti converter-se da sua perversidade, então eu me arrependerei e não trarei sobre ela a desgraça que eu tinha planejado. E, se noutra ocasião eu decretar que uma nação ou um reino seja edificado e plantado, e se ele fizer o que eu reprovo e não me obedecer, então me arrependerei do bem que eu pretendia fazer em favor dele'." Jesus pode dar Sua autoridade ao vencedor porque Ele a recebeu de Seu Pai (Mateus 28:18; Apocalipse 12:10). Cristo tem também um cetro de ferro que Ele usa para governar as nações (Apocalipse 12:5; Apocalipse 19:15). Em Apocalipse 20 e 21, lemos sobre o povo de Deus assentado no trono, governando com Jesus.

- Estrela da Manhã: Mesmo tendo sido contratado para amaldiçoar os israelitas, Balaão não pode dizer uma palavra contra o povo de Deus. Deus não permitiu a maldição. Em vez disso, Ele usou Balaão para profetizar a mensagem que encontramos em Números 24:17: "Eu o vejo, mas não agora; eu o avisto, mas não de perto. Uma estrela surgirá de Jacó; um cetro se levantará de Israel." Jesus explica essa profecia em Apocalipse 22:16: "Eu, Jesus, enviei o meu anjo para dar a vocês este testemunho concernente às igrejas. Eu sou a Raiz e o Descendente de Davi, e a resplandecente Estrela da Manhã." A Bíblia nos diz que devemos prestar atenção à mensagem profética de Deus "como a uma candeia que brilha em lugar escuro, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em [nossos] corações" (2 Pedro 1:19). Após uma longa jornada na escuridão desse mundo, o vencedor irá receber o próprio Jesus, brilhando em toda Sua glória, no dia da Segunda Vinda de Cristo.

*** Visão da História da igreja e aplicação profética ***: A visão profética dessa igreja se encaixa no período da história conhecido como "Idade das Trevas", ou "Idade Média", que vai do século 6 ao 16. É interessante notar que os historiadores deram um nome muito apropriado a esse período. A carta à igreja do meio representa a história da igreja da Idade Média. Nessa época, o mundo passou por um período de escuridão espiritual. A simples mensagem do Evangelho havia sido substituída por rituais e objetos pagãos, disfarçados de teologia cristã. O prestar culto e reverência à imagens de personagens bíblicos se tornou aceitável, esperado, e obrigatório. A liderança da igreja desencorajou as pessoas de lerem a Bíblia, dizendo que essa leitura deveria ser reservada somente para o clero. Durante a Idade Média, aconteceram as Cruzadas, e as Inquisições, onde a igreja liderou uma intensa campanha contra aqueles que não seguiam os ensinos da igreja romana. Ao fim dessa época, despertou-se um novo período com o movimento da Reforma. Em 1517, Martinho Lutero pregou na porta da igreja seu trabalho conhecido como 95 Teses, onde criticou a venda de indulgências, o purgatório, o mérito dos santos, e outros pontos teológicos. Lutero não foi o primeiro a propor mudanças na igreja. Jan Hus, Peter Waldo, and John Wycliffe também criticaram a posição da igreja a respeito das indulgências, e propuseram reforma. A igreja então lançou um movimento de Contrarreforma, que começou com o Concílio de Trent. A maior parte da batalha contra o movimento Protestante foi feita pela ordem dos Jesuítas. A Reforma levou a um grande reavivamento do povo e também da mensagem original das Escrituras.

*** Visão geral ***: Na carta à igreja em Tiatira, vemos um contraste entre os poucos fiéis e os muitos que estão cometendo adultério espiritual; a verdade de Deus, e as mentiras de Satanás; as obras procedentes da fé, e as obras das quais as pessoas precisam se arrepender de terem feito. Jezabel pode até enganar o povo por algum tempo, mas ela não pode enganar os olhos de fogo do Senhor. Ele vai trazer Seu julgamento sobre a maioria infiel que está disfarçada de seguidores de Cristo. A igreja fiel de Deus é a minoria que continua no caminho estreito para a salvação. Os membros são chamados a manter aquilo que vai evitar que passem a acreditar na enganadora mensagem da maioria. Eles são chamados a se apegarem à verdade. A verdade de Deus dá aos cristãos genuínos um tipo de alegria que ninguém pode tomar, nem mesmo durante tempos de sofrimento e perseguição. Sua alegria é a forte certeza de que o Redentor deu para eles um prêmio muito mais valioso que posses matérias temporárias: vida eterna com o Criador. Ele vem após um longo tempo de escuridão espiritual, brilhando como a estrela da manhã. Seu povo irá reinar com Ele para sempre.

18  Ao anjo da igreja em Tiatira escreva: Estas são as palavras do Filho de Deus, cujos olhos são como chama de fogo e os pés como bronze reluzente.

19  Conheço as suas obras, o seu amor, a sua fé, o seu serviço e a sua perseverança, e sei que você está fazendo mais agora do que no princípio.

20  No entanto, contra você tenho isto: você tolera Jezabel, aquela mul
her que se diz profetisa. Com os seus ensinos, ela induz os meus servos à imoralidade sexual e a comerem alimentos sacrificados aos ídolos.

21  Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender.

22  Por isso, vou fazê-la adoecer e trarei grande sofrimento aos que cometem adultério com ela, a não ser que se arrependam das obras que ela pratica.

23  Matarei os filhos dessa mulher. Então, todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda mentes e corações, e retribuirei a cada um de vocês de acordo com as suas obras.

24  Aos demais que estão em Tiatira, a vocês que não seguem a doutrina dela e não aprenderam, como eles dizem, os profundos segredos de Satanás, digo: não porei outra carga sobre vocês;

25  tão-somente apeguem-se com firmeza ao que vocês têm, até que eu venha.

26  Àquele que vencer e fizer a minha vontade até o fim darei autoridade sobre as nações.

27  "Ele as governará com cetro de ferro e as despedaçará a um vaso de barro"

28  Eu lhes darei a mesma autoridade que recebi autoridade de meu Pai. Também lhe darei a estrela da manhã.

29  Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.


PARTE 2

Como vimos no estudo #13, Jezabel era uma princesa fenícia, que se casou com Acabe, rei de Israel. Ela era filha do rei de Sidom e Tiro, Etbaal. Eles adoravam o deus Baal, que supostamente tinha poder sobre relâmpago, vento, chuva, e fertilidade. Jezabel exercia uma grande influência sobre Acabe e os israelitas. Ela os levou à apostasia, idolatria, e conduta imoral. E o rei Acabe encorajou o povo ainda mais a abandonar o culto ao verdadeiro Deus (1 Reis 21:25). A Bíblia diz que Acabe “provocou a ira do Senhor, o Deus de Israel, mais do que todos os reis de Israel antes dele”(1 Reis 16:32-33). Um dos primeiros erros de Acabe, foi, na verdade, ter se casado com uma mulher pagã. Deus havia ordenado que os Israelitas não deveriam se casar com pessoas das nações pagãs ao seu redor (Deuteronômio 7:3-4).

Deus mandou o profeta Elias para se encontrar com Acabe e Jezabel. Por causa da desobediência deles, não haveria nem orvalho nem chuva por alguns anos (1 Reis 17:1). E assim foi, exatamente como o profeta havia falado, e a seca durou por três anos e meio (Lucas 4:25; Tiago 5:17). Apos dar a notícia ao rei, Elias fugiu para o deserto, onde Deus o alimentou todos os dias. (1 Reis 17:1-7). Ele ficou refugiado durante os anos da seca.

Ao fim desse tempo, Deus ordenou que Elias voltasse para Acabe. A seca foi muito severa. A fome havia se espalhado por toda a região. Durante esses três anos e meio, Jezabel estava ocupada, matando os profetas de Deus. Obadias, trabalhava para o rei, mas era um fiel servo do Senhor. Ele estava protegendo 100 profetas de Deus em duas cavernas, e providenciava água e comida para eles (1 Reis 18:4). Elias retornou, e foi se encontrar com Acabe. O rei havia parado de seguir os mandamentos de Deus, e ao invés disso, estava seguindo os rituais de adoração a Baal (1 Reis 18:18). Elias pediu que Acabe reunisse o povo para que pudessem se encontrar com Elias no Monte Carmelo. Ele também pediu que o rei trouxesse consigo 850 profetas pagãos, profetas que comiam à mesa de Jezabel (1 Reis 18:19). Quatrocentos e cinquenta desses profetas, eram de Baal. Essa reunião não era segredo. Todos os Israelitas estavam ali. O povo se encontrava dividido, entre o culto ao Deus de Israel, e as práticas pagãs promovidas pelo governo.  Eles não haviam abandonado por completo a crença israelita e nem aderido inteiramente à cultura pagã. Elias apelou para o povo, chamando-os a tomar uma decisão, e parar de oscilar entre Deus e Baal (1 Reis 18:20-21). Mas eles não responderam.

No monte Carmelo, Elias estava sozinho de um lado, e 850 profetas pagãos do outro. Estava para acontecer um momento crucial da História do povo de Deus. Tanto Elias quanto os profetas de Baal prepararam um sacrifício. O sacrifício que fosse queimado com fogo vindo do céu indicaria quem era o Deus verdadeiro (1 Reis 18:22-24). Os profetas de Baal oraram e cantaram o dia inteiro, de manhã até o fim da tarde, e não tiveram resposta. E então foi a vez de Elias no fim do dia. Todos os olhos estavam fixos nesse homem em pé, ao lado do altar erguido para o Senhor. Elias orou uma só vez, e Deus enviou fogo do Céu, que consumiu até o chão ao redor do altar (1 Reis 18:38). Deus respondeu a oração de Elias: "Ó Senhor, Deus de Abraão, de Isaque, e de Israel, seja manifestado hoje que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo, e que conforme a tua palavra tenho feito todas estas coisas. Responde-me, ó Senhor, responde-me para que este povo conheça que tu, ó Senhor, és Deus, e que tu fizeste voltar o seu coração." (1 Reis 18:36-37).

Deus havia dado exatamente três anos e meio para Acabe, Jezabel, e o povo de Israel, mas eles não se arrependeram. Após Deus ter consumido o altar com fogo, Elias orou por chuva sete vezes, até que ele viu uma pequena nuvem escura no horizonte. E então veio uma forte chuva. Acabe voltou para casa, e contou para Jezabel tudo o que havia acontecido (1 Reis 19:1). Ele contou para ela como Deus havia enviado fogo do Céu, e como todos os profetas pagãos haviam sido mortos à espada logo após a demonstração do poder do Senhor. Deus havia deixado tudo muito claro a Seu respeito. Ainda assim, Jezabel não se arrependeu. Inclusive, após ouvir o relatório de Acabe sobre o ocorrido no Monte Carmelo, ela deu a ordem para matarem Elias (1 Reis 19:2). Mas Deus continuou a proteger Elias, e ele não morreu. Ele permaneceu fiel, e, algum tempo depois, Deus o levou para o Céu, em uma carruagem de fogo (2 Reis 2:11).

Jezebel continuou fazendo o mal aos olhos do Senhor. Um evento selou seu destino. Foi o incidente com Nabote. Nabote tinha uma vinha perto do palácio de Acabe, e Acabe quis comprá-la. Nabote respondeu que não poderia vendê-la. Quando Jezabel ficou sabendo, ela elaborou um plano, e disse ao seu marido que ela iria conseguir a vinha para ele (1 Reis 21:7). Ela escreveu uma carta, como se fosse o rei, e até usou o selo oficial de Acabe. Jezabel organizou uma fasta em honra a Nabote. Ela o colocou sentado em um lugar de destaque, mas também colocou dois homens de confiança sentados perto dele. Esses homens haviam sido instruídos para matar Nabote em um determinado momento durante a festa. Quando esses homens de Jezabel levantaram falsas acusações contra Nabote, eles o levaram para o lado de fora, e o apedrejaram até a morte (1 Reis 21:10). Quando Acabe ficou sabendo da morte de Nabote, Jezabel o encorajou a tomar posse da vinha. E foi o que Acabe fez. Por causa desse incidente, a morte de Jezabel foi profetizada, e também a morte de Acabe e de seus filhos homens (1 Reis 21:20-25; 1 Reis 22:34-38; 2 Reis 9:6-10). Eles morreram exatamente como Deus havia revelado aos profetas. Jezabel foi devorada por cães, e ninguém pôde reconhecer seu corpo (2 Reis 9:30-37).

Jezabel teve uma filha, chamada Atalia. Ela era tão má quanto a mãe. Atalia mandou matar todos os seus parentes, incluindo seus netos, para que ela pudesse se tornar a rainha de Israel (2 Reis 11:1). Todos, com exceção de um dos descendentes morreram. Um menino sobreviveu, que foi mais tarde coroado como rei, quando tinha apenas 7 anos de idade. (2 Reis 11:2-3; 2 Reis 11:12; 2 Reis 11:21). Ele restabeleceu a adoração ao Deus verdadeiro durante o seu reino. A rainha Atalia foi sentenciada à morte por causa de todas as atrocidades que havia cometido (2 Reis 11:15-20).

Deus havia dito, através dos profetas Elias e Eliseu, que um rei chamado Jeú iria matar todos os descendentes de Acabe, do sexo masculino. Acabe havia falhado em seguir os mandamentos de Deus (1 Reis 18:18). Jaú matou os filhos de Acabe, como também os profetas de Baal (2 Reis 9 e 10). Mas o próprio Jeú também não fez tudo o que Deus havia pedido. Jeú não seguiu a Lei de Deus com todo seu coração, e Deus permitiu que o território de Israel fosse reduzido (2 Reis 10:31-32).

Durante os três anos e meio de seca no tempo de Jezabel, a divulgação da palavra de Deus em Israel estava escassa. Jezabel estava matando os profetas do Senhor. A seca espiritual, ou fome da Palavra, é sempre mais séria do que a devastação causada pela falta de chuva. Mas Deus é tão misericordioso e tão amoroso, que Ele dá tempo para as pessoas ouvirem Sua verdade. Na Bíblia, esse tempo é frequentemente marcado pelo número 3,5 (metade do número 7):

- Abraão e Isaque fizeram um viagem de três dias e meio até o monte Moriá, onde Abraão teria que oferecer Isaque em sacrifício. A Bíblia diz que eles caminharam por 3 dias, e alí deixaram os 2 servos que os acompanhavam, e dalí prosseguiram para o local que Deus havia determinado. * Gênesis 22:1-6;

- No terceiro ano de seu reinado, o rei Assuero deu uma festa que durou 6 meses. Ao fim desse tempo, foi dado início à procura de uma nova Rainha. Ester, uma jovem judia foi a escolhida. Ela pode então salvar o povo judeu da destruição. * Ester 1:1-22;

- Profecia de Daniel: o povo de Deus estaria sob o domínio do quarto reino (Império Romano) por um tempo, tempos, e metade de um tempo ("tempo" é igual a 1 ano profético, "tempos" são 2 anos proféticos, e "metade de um tempo" é igual a 0,5 ano profético; que dá um total de 3,5. * Daniel * 7:25; Daniel * 12:7);

- O ministério de Jesus durou três anos e meio, antes de Sua crucifixão. (Cerca de 6 meses após o começo de Seu ministério, Ele próprio usou a linguagem profética de 1 dia = 1 ano  [Ezequiel 4:6-7; Números 14:34; Levíticos 25:8], quando profetizou a respeito da duração do Seu trabalho. * Lucas 13:32);

- Estevão foi apedrejado por sua fé em Jesus três anos e meio após a morte de Cristo, marcando a profecia de Daniel * 9:24-27 (apedrejamento de Estevão: Atos 7:54-59);

- Os gentios pisarão a cidade santa por 42 meses (42 meses = 3,5 anos, que é o tempo profético que os cristãos sofreriam opressão e perseguição. * Apocalipse 11:2);

- As duas testemunhas de Jesus iriam profetizar vestidas em saco por 1260 dias (1260 dias = 3,5 anos, que é o período profético onde o povo de Deus sofreria perseguição por ser testemunha da verdade de Cristo. * Apocalipse 11:3);

- A mulher que havia dado à luz a um filho varão, fugiu para o deserto por 1260 dias (1260 dias = 3,5 anos) * Apocalipse 12:6. Lá ela seria cuidada durante o período profético de tempo, tempos, e metade de um tempo (= 3,5 anos). * Apocalipse 12:14;

- Foi dado à besta, um período de 42 meses para que tivesse autoridade sobre os habitantes da terra (42 meses = 3,5 anos) * Apocalipse 13:5.

Deus deu também à Jezabel em Tiatira tempo para se arrepender, mas, assim como a Jezabel do Antigo Testamento, ela se recusou (Apocalipse 2:21). Ela não quis mudar seu comportamento. Isso causou uma divisão marcante na igreja. Da mesma forma como havia acontecido no monte Carmelo, Tiatira estava dividida. De um lado, os poucos fiéis, que haviam rejeitado "os profundos segredos de Satanás" (Apocalipse 2:24); e do outro, Jezabel e seus filhos.

Nas profecias Bíblicas, 'mulher', seja ela fiel ou infiel, representa a igreja (Jeremias 6:2; Isaías 51:16; Efésios 5:25-32). Esse é um conceito fundamental para se entender o livro de Apocalipse. Por todo o Antigo Testamento, Deus comparou Seu povo a uma mulher. Seu amor perdoador e transformador chamava essa mulher de pura e perfeita quando Israel se arrependia e seguia as instruções de Deus (Isaías 54:5-6; Ezequiel 16:8-14; Oséias 2:14-23; Amós 5:2). E, em outras ocasiões, Deus chamava esse mesmo povo de mulher infiel, ou prostituta, quando Israel se voltava á idolatria e imoralidade (Jeremias 3:20; Oséias 1:2; Oséias 2:2-13; Ezequiel 16:15-19; Ezequiel 16:32). Esse conceito da igreja como a noiva de Cristo é visto também no Novo Testamento (2 Coríntios 11:2; Efésios 5:25-32; Apocalipse 12:1-6; Apocalipse 19:7-8). Quando chegarmos em Apocalipse 12 e 17, iremos estudar mais sobre duas mulheres. Uma representa a igreja pura, e a outra a igreja infiel.

 

*** Visão Geral ***: Jezabel representa a igreja infiel. Seus filhos são os seus seguidores. Resumindo, seus filhos são as igrejas que não ensinam a verdade de acordo com as Escrituras. São todas consideradas como a 'igreja infiel'. Os membros que permaneceram fiéis à mensagem original do Evangelho são a igreja remanescente de Cristo - a noiva fiel de Jesus. Jezabel do Antigo Testamento falsificou a autenticidade de seus direitos sobre a vinha de Nabote, o acusou falsamente, e se tornou culpada da morte desse homem inocente. Jezabel de Tiatira falsificou a autenticidade de seus direitos sobre a mudança da verdade de Deus, seduziu a igreja com falsas doutrinas, e se tornou culpada pela morte de seus seguidores. O simples fato de que o lado da igreja seguindo Jezabel era maior em número de membros, não  fez com que se tornasse a igreja original. Mesmo se o mundo inteiro pensasse que o grupo com maior número de seguidores fosse a igreja original, isso não mudaria a avaliação de Jesus sobre a situação. Tamanho ou quantidade não são um fator definitivo de caráter. Normalmente, o que acontece é justamente o contrário. Na batalha do Monte Carmelo, Elias estava de um lado, sozinho, contra 850 falsos profetas. E ainda assim, Elias era quem estava representando a verdade de Deus. Ele era o remanescente de Deus, e Sua testemunha fiel. Deus se revelou na hora certa, mostrando a todos que Ele está pronto a defender seu povo escolhido de qualquer um que se opuser à Sua verdade.

 18 Ao anjo da igreja em Tiatira escreva: Estas são as palavras do Filho de Deus, cujos olhos são como chama de fogo e os pés como bronze reluzente.

19 Conheço as suas obras, o seu amor, a sua fé, o seu serviço e a sua perseverança, e sei que você está fazendo mais agora do que no princípio.

20 No entanto, contra você tenho isto: você tolera Jezabel, aquela mulher que se diz profetisa. Com os seus ensinos, ela induz os meus servos à imoralidade sexual e a comerem alimentos sacrificados aos ídolos.

21 Dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua imoralidade sexual, mas ela não quer se arrepender.

22 Por isso, vou fazê-la adoecer e trarei grande sofrimento aos que cometem adultério com ela, a não ser que se arrependam das obras que ela pratica.

23 Matarei os filhos dessa mulher. Então, todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda mentes e corações, e retribuirei a cada um de vocês de acordo com as suas obras.

24 Aos demais que estão em Tiatira, a vocês que não seguem a doutrina dela e não aprenderam, como eles dizem, os profundos segredos de Satanás, digo: não porei outra carga sobre vocês;

25 tão-somente apeguem-se com firmeza ao que vocês têm, até que eu venha.

26 Àquele que vencer e fizer a minha vontade até o fim darei autoridade sobre as nações.

27 "Ele as governará com cetro de ferro e as despedaçará a um vaso de barro"

28 Eu lhes darei a mesma autoridade que recebi autoridade de meu Pai. Também lhe darei a estrela da manhã.

29 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

 

PARTE 1

 

*** História ***: A cidade de Tiatira ficava cerca de 64,5 km ao sudoeste de Pérgamo. Ao contrário das primeiras 3 cidades, Tiatira não era um centro intelectual, ou uma metrópole da elite. Basicamente, era uma cidade de trabalhadores. A sua importância vinha da sua força comercial. Mais sindicatos de trabalhadores foram encontrados na cidade de Tiatira do que em qualquer outra cidade da província romana da Ásia. A potência de seu comércio vinha de várias indústrias: lã, linho, vestuário, tinturaria, couro, cerâmica, padaria, mercado de escravos, e bronze. Na verdade, uma das indústrias mais fortes era da tintura púrpura. A Bíblia menciona uma mulher de Tiatira, chamada Lídia, que era comerciante de tecido púrpura (Atos 16:14). Essa era uma cor muito rara, difícil de ser produzida. Essa tintura era feita a partir de uma planta chamada garança (Rubia tinctorum).

Para que as pessoas pudessem se tornar membros de um sindicato, elas tinham que participar das festividades pagãs, e comer dos alimentos oferecidos aos deuses. Esses eventos normalmente terminavam em bebedeira e comportamentos imorais. Aqueles que se recusassem a participar não necessariamente seriam perseguidos, mas iriam passar por isolamento social e dificuldades. Para se conseguir um emprego, era necessário fazer parte de uma associação comercial.

Segundo arqueólogos, Tiatira teve início por volta de 3000 AC. Ela foi uma das primeiras cidades a utilizar dinheiro. Em 290 AC, Seleuco I Nicanor mudou o nome da cidade de Pelopia para Tiatira. Existem muitas opiniões a respeito do significado exato do nome Tiatira. Hoje, ela é a cidade de Akhisar, que significa “castelo branco”. Alguns escritores sugerem que o significado do nome Tiatira seja “doce sabor do trabalho”. Outros sugerem o significado “filha”, já que a filha de Seleuco havia nascido por volta da época que ele renomeou a cidade. Seleuco era um dos generais de Alexandre o Grande, e após a morte de Alexandre, Seleuco passou a ter domínio sobre uma grande parte do que Alexandre havia conquistado. Seleuco passou a dominar várias regiões  bem interessantes, como Babilônia, Anatólia central, Pérsia, Mesopotâmia, entre outras. Após a morte de Alexandre em 323 AC, Seleuco passou a dominar a região da Fenícia, inclusive as cidades de Tiro e Sidon. Tiro e Sidon eram cidades vizinhas, que foram consolidadas em um só reino por um rei mencionado na Bíblia, o rei Etbaal. Algumas pessoas especulam que a mudança de nome de Pelopia para Tiatira teve a ver com a velha cidade fenícia de Tiro. Quando comparamos as duas cidades, vemos muitas coisas em comum. Um fato se destaca quando olhamos a história de Tiro e a carta a Tiatira. O rei Etbaal era o pai de uma mulher que tinha o mesmo nome da mulher mencionada nessa carta à Tiatira. Ele era o pai de Jezabel (1 Reis 16:31). Isso nos leva a pensar que existe uma conexão profética entre as cidades de Tiro e Tiatira.

Tiro era uma cidade dividida. Uma parte ficava no continente, e outra era uma ilha a um pouco menos de 1 km de distância da costa. Na realidade, Tiro era uma cidade que se havia originado de Sidon, mas eventualmente a ultrapassou em importância. Tiro, assim como Tiatira, era uma cidade comercial (Ezequiel 27), e era também uma cidade famosa pela fabricação da tintura púrpura (Ezequiel 27:16). A palavra púrpura, do Hebreu argaman, às vezes é traduzida como vermelho, mas de acordo com a concordância bíblica (Strong), a palavra se refere à cor púrpura. Tanto é, que a palavra Fenício significa “povo púrpura”, do grego Phoinikes. Eles extraiam a cor púrpura do molusco Murex. Essa era uma tintura muito rara, e muito valiosa. Por isso ela se tornou a cor usada pela realeza.

Nabucodonosor II (o mesmo da visão do capítulo 2 de Daniel) lutou na apreensão de Tiro de 586 à 573 AC, e finalmente, quando conseguiu capturar a cidade, ele descobriu que a maioria das pessoas havia se mudado pra parte de Tiro que ficava na ilha. Tiro era uma fortaleza, e possuía muralhas muito altas. O nome da cidade significava “a rocha”. Em 332 AC, Alexandre o Grande conquistou a ilha de Tiro, e em 323, após sua morte, Seleuco passou a controlar a Fenícia. Em 315, Tiro foi novamente destruída por outro general de Alexandre, Antígono.

*** Visão Bíblica ***: A cidade de Tiatira é mencionada apenas duas vezes na Bíblia. Primeiro, no livro de Atos, ao mencionar Lídia, vendedora de tecido púrpura. E segundo, ao falar nas sete igrejas em Apocalipse. Por outro lado, a cidade de Tiro é mencionada diversas vezes. Ela era conhecida como a cidade fortificada, e fortaleza (Josué 19:29; 2 Samuel * 24:7; Isaías 23:4). Podemos ler várias profecias a respeito de Tiro, a maioria delas fala sobre sua destruição (Isaías 23; Amós 1:9-10; Zacarias 9:3-4; Ezequiel 26:7-9; Ezequiel 26:12; Ezequiel 27). A Bíblia também menciona Tiro e Sidom em conjunto (Mateus 15:21; Joel * 3:4). Em um dado momento, Jesus visitou a região de Tiro e Sidon, e fez alguns milagres ali (Mateus 15:22; Marcos 7:31). Lemos também a passagem onde Paulo, Lucas, e seus companheiros ficaram com os cristãos de Tiro por sete dias, no caminho para Jerusalem (Atos 21:2-6).

Muitas coisas conectam Tiro e Tiatira. Ambas eram cidades comerciais, onde a venda da tintura púrpura era uma importante fonte de renda. E em certo momento, as duas foram governadas pela mesma pessoa. Mas a conexão mais forte entre Tiro e Tiatira é Jezabel. Lemos na Bíblia como Jezabel dividiu a igreja do Antigo Testamento, e em Apocalipse podemos ver como a Jezabel de Tiatira dividiu a igreja ali. Na lição #13, vimos que diferentes grupos de falsos profetas entre os membros da igreja estavam espalhando filosofias não-cristãs. Os Nicolaítas estavam presentes na primeira e terceira igrejas, e os seguidores de Balaão estavam presentes na terceira. Em Tiatira, Jezabel é quem estava causando uma divisão na igreja, e aparentemente ela tinha muitos seguidores. Ela estava influenciando os cristãos a participarem dos costumes pagãos, e o mais importante, ela estava seduzindo o povo com “alimentos” diferentes do Pão da Vida, e com cultos imorais que substituíram o culto ao Deus verdadeiro.

Para podermos começar a entender a profundidade da mensagem que Jesus está enviando à igreja de Tiatira, precisamos entender o conflito que havia acontecido séculos antes, no Antigo Testamento. O conflito entre a Verdade de Deus, e as falsas doutrinas dessa rainha chamada Jezabel. O tema principal na época de Jezabel, e aqui na carta para Tiatira, é o mesmo: a verdade, e adoração. Nós vamos discutir esse tema em mais detalhes no estudo #20.

A verdade havia sido substituída por ensinamentos que pertenciam à cultura pagã. As falsas doutrinas estavam sendo praticadas e propagadas abertamente. Com a maioria da congregação seguindo Jezabel, a igreja começou a caminhar em uma direção diferente do início. A identidade da igreja consequentemente passou por uma mudança. Ela deixou de ser a igreja original, fundada nos princípios estabelecidos por Cristo.

*** Visão Geral ***: É para a cidade mais insignificante do ponto de vista politico, intelectual, e cultural, que Jesus escreveu a carta mais longa das sete. A igreja em Tiatira se encontrava em uma situação muito diferente das três primeiras igrejas. A maioria dos membros da igreja havia passado a seguir os ensinos dos falsos profetas. Jezabel se tornou a imagem da igreja. A nova teologia que Jezabel e seus seguidores estavam pregando era uma mistura de algumas boas obras com os “profundos segredos de Satanás”. Essa combinação é tão perigosa e mortal que Jesus teve que dizer claramente: Ele irá atacar a igreja falsa para que todas as igrejas possam reconhecer que Ele é Deus onisciente, que exerce seu julgamento sobre todos. Mais uma vez, Jesus assegurou a Seus fiéis - a minoria que se encontrava ao Seu lado - que eles seriam vitoriosos se exercessem as obras de Deus e a Sua verdade. Uma grupo de pessoas seguindo Jesus uma vez perguntou: “[…] O que precisamos fazer para realizar as obras que Deus requer? Jesus respondeu: 'A obra de Deus é esta: crer naquele que ele enviou'.” (João 6:28-29).

12 Ao anjo da igreja em Pérgamo escreva: Estas são as palavras daquele que tem a espada afiada de dois gumes.

13 Sei onde você vive, onde está o trono de Satanás. Contudo, você permanece fiel ao meu nome e não renunciou à sua fé em mim, nem mesmo quando Antipas, minha fiel testemunha, foi morto nessa cidade, onde Satanás habita.

14 No entanto, tenho contra você algumas coisas: você tem aí pessoas que se apegam aos ensinos de Balaão, que ensinou Balaque a armar ciladas contra os israelitas, induzindo-os a comer alimentos sacrificados a ídolos e a praticar imoralidade sexual.

15 De igual modo você tem também os que se apegam aos ensinos dos nicolaítas.

16 Portanto, arrependa-se! Se não, virei em breve até você e lutarei contra eles com a espada da minha boca.

17 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao vencedor darei do maná escondido. Também lhe darei uma pedra branca com um novo nome nela inscrito, conhecido apenas por aquele que o recebe.

 

PARTE 2

 

*** Destinatário -> "Ao anjo da igreja em Pérgamo" ***: Mais uma vez, a carta é endereçada ao líder da igreja, mas o texto se aplica a todos os membros. Veja os comentários no estudo #9, #12, e #14.

*** Remetente -> “Daquele que tem a espada afiada de dois gumes” ***: Como vimos no estudo #9, a espada de Jesus é Sua palavra, que é mais afiada do que qualquer outra coisa (Hebreus 4:12). Não é de surpreender que para a igreja situada no centro intelectual da Ásia, onde o poder do pensamento racional prevalecia, e onde estava o trono do pai da mentira (João 8:44), Jesus vem com sua forte e poderosa espada da Sua Palavra, a verdade. E é assim que Ele vai defender Seu povo: com a verdade.

*** Avaliação -> “Conheço…” ***: Jesus conhece exatamente o que a igreja está passando:
- Obras: Os Cristãos em Pérgamo sofriam perseguição. Eles viviam em uma sociedade que praticava o paganismo ao ponto de Jesus descrevê-la como sendo o lugar onde Satanás habita. E mesmo assim, os membros da igreja decidiram permanecer em Pérgamo e ser testemunhas de Cristo, exercendo seu ministério ali.

- : A maioria dos membros da igreja estava determinada a permanecer fiel até a morte, como Antipas. Não sabemos mais nada sobre ele, mas Jesus menciona a informação mais importante a respeito da escolha de Antipas, possivelmente a única coisa realmente importante. Jesus considera Antipas como sendo mais que uma simples testemunha, Ele o considera uma testemunha fiel. Uma testemunha da verdade de Deus. Jesus não somente sabe seu nome, mas também conhece o coração e a sinceridade de Antipas. No livro de Apocalipse, o próprio Jesus é chamado de Testemunha Fiel (Apocalipse 1:5; Apocalipse 3:14). Antipas havia desenvolvido um relacionamento tão próximo com Jesus, que ele testemunhava continuamente (fielmente), assim como Jesus o fazia e o faz até hoje. Cristo eleva seus servos fiéis, e dá para eles Seu próprio título. Eles compartilham essa união com Cristo. O verso 13 nos dá a idéia de como o resto da igreja reagiu à morte de Antipas. Eles não fugiram com medo. Eles ainda permaneceram fiéis ao nome de Jesus. Enquanto Antipas estava vivo, e mesmo após a sua morte, os membros da igreja não negaram sua fé em Cristo.

- Problema: A primeira questão é que a igreja de Pérgamo está em um lugar perigoso: onde Satanás tem seu trono. Jesus dá ênfase a esse fato, e o menciona duas vezes na carta (verso 13). Esse não representa exatamente um problema da igreja, mas é um problema para a igreja. Isso torna o ministério em Pérgamo muito mais difícil. Os conceitos cristãos estavam em direta oposição às crenças da sociedade pagã. Quando os cristãos não estão totalmente enraizados em sua fé em Jesus, é muito mais fácil arrancá-los da igreja com doutrinas enganosas. Mas quando os cristãos se permitem permanecer fortes e completamente enraizados no amor de Jesus, nada pode separá-los dEle (Romanos 8:36-39). A instabilidade espiritual de alguns dos membros causou o início da rachadura na igreja. É possível que algum tempo depois da morte de Antipas, as pessoas tenham ficado com mais medo ainda das consequências que poderiam sofrer ao escolher não participarem dos deveres cívicos do culto ao imperador. O fato é que não sabemos o ponto exato quando alguns começaram a seguir os ensinos de Balaão e dos Nicolaítas. Mas a pressão pela qual estavam passando fez com que questionassem sua fé e começassem a se adaptar à mensagem falsa de um evangelho adulterado.

*** Apelo -> “Arrependa-se, se não, vai haver uma luta de Sua espada contra os falsos profetas” ***: As pessoas que estavam seguindo os falsos ensinos são chamadas para o arrependimento. Acreditar nesse tipo de falsa doutrina é algo tão sério que requer arrependimento. Mesmo conhecendo a verdade, ainda assim escolheram seguir filosofias diferentes, e mais “convenientes”. A batalha que Jesus e Seus filhos estão lutando não é física. Lemos em 2 Coríntios 10:3-5: “Pois, embora vivamos como homens, não lutamos segundo os padrões humanos. As armas com as quais lutamos não são humanas; pelo contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo.” Estamos lutando na batalha entre a verdade de Deus e as mentiras de Satanás. Nós já sabemos como essa guerra vai terminar. A espada de Jesus vai prevalecer contra aqueles que professam mentiras. Jesus virá em breve. E quando Ele vier, Sua espada irá libertar Seu povo, e ao mesmo tempo irá trazer julgamento sobre aqueles que escolheram acreditar em algo diferente do Seu testemunho.

*** Chamado para ouvir o Espírito -> O Espírito diz às Igrejas ***: A mensagem “arrependa-se de alterar os ensinamentos de Deus” é pra ser ouvida por todas as igrejas. Não existem desculpas para não atender a esse chamado. Veja as notas do estudo #14.

*** Promessa -> "Ao Vencedor” ***: O vencedor recebe 3 promessas: maná escondido, uma pedra branca, e um novo nome gravado na pedra branca.

- Maná Escondido: o Maná era um pão branco enviado do céu para alimentar os israelitas no deserto (Êxodo 16:11-16; Êxodo 16:31-35). Ele aparecia no chão toda manhã, exceto no sábado. O Maná apodrecia se guardado de um dia para o outro, menos na sexta-feira, quando o povo deveria ajuntar o suficiente para 2 dias (Êxodo 16:21-24). Deus disse a Moisés que guardasse um jarro de Maná para as gerações futuras, como evidência do Seu cuidado com o povo. E assim, Aarão colocou o jarro de Maná dentro da Arca do Concerto, juntamente com os Dez Mandamentos (Êxodo 16:32-34). No entanto, esse Maná não apodrecia (ele estava guardado para as “gerações futuras"), mesmo sendo mantido por um longo período, dentro de uma caixa, no deserto. O povo de Deus deveria comer desse pão branco para que pudesse viver e ser sustentado enquanto no deserto. Em João 6:28-40, podemos ver que de forma semelhante, os seguidores de Cristo também são chamados a comer do verdadeiro Pão da Vida (Jesus), o enviado do Céu por Deus, para dar vida ao mundo. Colossenses 2:2-4 diz: “Esforço-me para que eles sejam fortalecidos em seus corações, estejam unidos em amor e alcancem toda a riqueza do pleno entendimento, a fim de conhecerem plenamente o mistério de Deus, a saber, Cristo. Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. Eu lhes digo isso para que ninguém os engane com argumentos aparentemente convincentes.” Nessa passagem, vemos que “todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” estão escondidos em Cristo. Somos chamados a comer da Palavra de Deus para que não sejamos enganados pelos falsos “argumentos convincentes”. Somos chamados para nos alimentar da verdade, em vez de comer da “comida” oferecida a ídolos (falsos ensinamentos). Efésios 5:25-32 fala sobre o relacionamento entre Cristo e Sua igreja, e o compara com a conexão pura que um marido tem que ter com sua esposa. Efésios 5:27 diz que a Igreja tem que ser inculpável. Dessa maneira, podemos entender que Jesus está falando sobre a igreja cometendo adultério ao praticar “imoralidade sexual” (Apocalipse 2:14) com as falsas doutrinas. Efésios 5:26 diz que Jesus torna a igreja santa “pelo lavar da água mediante a palavra”. Isso quer dizer que através da verdade que está contida (ou escondida) em Jesus, Ele purifica e santifica Sua igreja.

- Pedra branca: existem várias perspectivas do significado exato do que a pedra branca simboliza. Nenhuma visão em particular aparenta ser completa por si só. Precisamos considerar todas elas para podermos ter uma idéia completa desse conceito. 1) Pedras de julgamento: na época de João, era costume que o júri votasse por absolvição ou condenação usando uma pedra branca ou preta. Se o voto fosse uma pedra preta, então o réu seria condenado. Se fosse uma pedra branca, o réu seria absolvido de todas as acusações. 2) Tessera Hospitalis: essa era uma pedra branca dada a atletas ou gladiadores vencedores. Pessoas da nobreza tinham pedras brancas gravadas com seu nome, e poderiam enviar uma dessas pedras ao campeão. Com essa pedra, o vencedor poderia ter acesso às festividades que aconteciam após os jogos. 3) A Pedra Viva: Jesus não só é o Pão da Vida, como também a Pedra Viva (1 Pedro 2:4-8), que foi rejeitada, mas que se tornou a pedra angular. Cristo é a rocha que dá ao povo a bebida espiritual (1 Coríntios 10:4). O Senhor é a Rocha Eterna (Isaías 26:4), sobre quem devemos construir a nossa casa (Lucas 6:47-49). Ele é a Pedra que foi lançada não por mãos humanas, e que irá trazer o fim a todos os reinos da Terra (Daniel * 2:44-45). Jesus é a pedra gravada que pode remover pecados da terra em um só dia (Zacarias 3:9).

- Nome secreto na pedra: o verso 17 diz que somente aquele que recebe a pedra sabe qual nome está gravado nela. Apocalipse 19:12 diz que Jesus tem escrito em si “um nome que só Ele conhece, e ninguém mais”. Como podemos ver, não importa como observamos essa pedra. Todas as diferentes interpretações da pedra branca apontam para Jesus. Ele é a Rocha que carrega o nome que ninguém mais conhece. Mas o próximo verso, Apocalipse 19:13, menciona um nome conhecido de Jesus: a Palavra de Deus. O próprio Jesus dará ao vencedor um novo nome, ou em outras palavras, uma nova definição de quem o vencedor é. Não cabe ao vencedor determinar qual será o nome. Cristo é quem dá o nome. Quem determina é o Salvador. O próprio Salvador também tem um nome que ninguém mais conhece. E da mesma forma como foi com Antipas, a condição restaurada do vencedor será como a de Cristo, que é chamado “Fiel e Verdadeiro” (Apocalipse 19:11).

Podemos entender que o vencedor irá receber o Pão da Vida: o próprio Jesus. O vencedor já não irá comer dos alimentos falsos, mas comerá da verdade de Deus, o Testemunho de Jesus. Na cruz, Jesus tomou para si todas as pedras pretas de condenação, e as trocou por pedras brancas de Sua Graça salvadora. Cristo tomou para si o nome do pecador, e deu a ele Seu próprio nome, para que o vencedor pudesse se apresentar diante do trono de Deus como uma pessoa pura e renovada pelo sangue do Filho. O vencedor passa a trazer em sua ficha o nome de Jesus, e não mais o seu próprio. O vencedor é agora livre para entrar nas festividades do banquete do casamento do Cordeiro (Apocalipse 19:9).

*** Visão da História da igreja e aplicação profética ***: A visão profética dessa igreja encaixa com a época entre 313 AD e 538 AD. Como vimos na igreja anterior, Esmirna, até o ano de 313, a perseguição era extremamente intensa. Mas, naquele ano, o imperador romano Constantino teve um papel fundamental na declaração do Édito de Milão. Esse édito foi um acordo estabelecido que incluía uma mudança na política relacionada ao tratamento dos cristãos. Incluía um chamado de tolerância aos cristãos, deu ao cristianismo um status legalizado. Não declarou o cristianismo como a religião oficial do império, mas pôs fim às perseguições cruéis. Constantino estava preocupado com a estabilidade do império, e com o crescimento exponencial dos cristãos. E então, os historiadores tendem a não atribuir a posição de Constantino como refletindo os atos de uma pessoa convertida. Esse documento afirma que a razão pela qual essas provisões para com os cristãos estão sendo estabelecidas, é para que a “ordem pública seja assegurada”. Constantino, na verdade, só foi batizado no fim de sua vida, em 337 AD. Mas, durante toda sua vida, esteve envolvido com práticas pagãs, e então criou uma lei que modificou princípios Bíblicos referentes à adoração. Ele introduziu idéias falsas, e guiou o povo na direção contrária da Palavra de Deus (Êxodo 20:8-11). Ele passou essa lei em 322 AD, que é chamada de Édito de Constantino:
"Que todos os juízes, e todos os habitantes da cidade, e todos os mercadores e artífices descansem no venerável dia do Sol. Não obstante, atendam os lavradores com plena liberdade ao cultivo dos campos; visto acontecer amiúde que nenhum outro dia é tão adequado à semeadura do grão ou ao plantio da vinha; daí o não se dever deixar passar o tempo favorável concedido pelo céu”.

No Concílio de Laodicéia, cerca de 364 AD, a igreja passou um novo Cânone (Cânone 29), determinando que os seguidores fizessem exatamente o oposto do que Deus havia dito em Êxodo 20:8. O Cânone 29 diz:
"Os cristãos não devem judaizar e ficar ociosos no sábado, mas trabalhar nesse dia; devem apenas honrar especialmente o dia do Senhor [domingo], e como cristãos, devem se possível, não trabalhar neste dia. Se, entretanto, eles forem encontrados judaizando, que sejam excomungados por Cristo".

O Édito de Tessalônica, declarado em 380 AD, é o documento que tornou o Cristianismo a religião oficial do Império Romano. O fim dessa fase profética se dá por volta de 538 AD, quando ocorreu o declínio do Império Romano Ocidental, e o começo da Idade Média.

*** Visão geral ***: A mensagem para a igreja em Pérgamo é uma mensagem poderosa. Jesus está mostrando a Seus seguidores que a verdade é que os liberta dos ensinamentos falsos que permeavam as mentes de alguns membros. Jesus alertou Seus filhos a respeitos desses falsos profetas, que tentariam enganar a muitos. Tanto as filosofias de Balaão quanto as dos Nicolaítas apontam para o comer de alimentos sacrificados a ídolos. Aqui, Jesus está pedindo que Seu povo se alimente do verdadeiro Pão da Vida. Em João 8:42-47, lemos a passagem onde os fariseus estavam desafiando Jesus, dizendo que Deus era o pai deles: "Disse-lhes Jesus: Se Deus fosse o Pai de vocês, vocês me amariam, pois eu vim de Deus e agora estou aqui. Eu não vim por mim mesmo, mas ele me enviou. Por que a minha linguagem não é clara para vocês? Porque são incapazes de ouvir o que eu digo. Vocês pertencem ao pai de vocês, o diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira. No entanto, vocês não crêem em mim, porque lhes digo a verdade! Qual de vocês pode me acusar de algum pecado? Se estou falando a verdade, porque vocês não crêem em mim? Aquele que pertence a Deus ouve o que Deus diz. Vocês não ouvem porque não pertencem a Deus”. Pertencer a Deus é a única maneira pela qual poderemos ouvir “o que o Espírito diz às igrejas”. As promessas ao vencedor são um sinal absoluto de que ele pertence a Deus, e que pode participar do banquete Celestial, porque o sangue de Jesus o purificou do pecado.

Page 1 of 2
   
Real time web analytics, Heat map tracking
© Hello-Bible 2016