13  E um dos anciãos me falou, dizendo: Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são, e de onde vieram?

14  E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.

15  Por isso estão diante do trono de Deus, e o servem de dia e de noite no seu templo; e aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a sua sombra.

16  Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede; nem sol nem calma alguma cairá sobre eles.

17  Porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontes vivas das águas; e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima.

 

*** Quem são eles? ***: Na visão, quando João se voltou para ver quem eram os 144.000, ele viu uma grande multidão. Um grupo que ninguém podia contar. Ninguém podia contar, porque determinar essa quantidade cabia somente a Deus, e não aos seres humanos. Ele viu que as pessoas na multidão estavam vestidas de branco (Apocalipse 7:9). Um dos anciãos se aproximou de João, e fez duas perguntas. João ainda não tinha compreendido completamente tudo que estava vendo, e não podia ainda responder às perguntas. Quem são esses na grande multidão? E de onde vieram? (Apocalipse 7:13). O ancião respondeu claramente: “Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro.” (Apocalipse 7:14). Uma parte importante nessa frase é: “vieram da grande tribulação”. Em grego, a expressão é erchomenoi ek. Erchomenoi significa “ir, vir”. Ek significa “para fora, de dentro, de, do interior para fora”. Enquanto os 144.000 estavam se preparando para entrar em combate, a grande multidão é vista saindo de dentro da tribulação. A visão parece mostrar o mesmo grupo de pessoas em pontos diferentes da jornada espiritual que leva à vitória contra o pecado. Os versos 14-17 trazem 7 informações importantes sobre as pessoas vestidas de branco na grande multidão:

1 - São aqueles que saíram da grande tribulação (verso 14)
2 - Lavaram suas vestes no sangue de Jesus, e é isso que torna suas vestes brancas (verso 14)
3 - Eles servem a Deus em Seu templo, dia e noite (verso 15)
4 - Deus habita com eles (verso 15)
5 - Eles nunca mais terão que passar por tribulações (verso 16)
6 - O Cordeiro irá providenciar comida, e Água da Vida (verso 17)
7 - Deus irá enxugar suas lágrimas (verso 17)

 

Essa descrição da grande multidão é a resposta à pergunta levantada pelos santos que estavam debaixo do altar, que tinham que esperar até que seu número estivesse completo (Apocalipse 6:11/Quinto Selo/estudo #42). Assim como os santos debaixo do altar, a grande multidão também havia recebido vestes brancas. As pessoas na grande multidão eram “seus conservos e seus irmãos” (Apocalipse 6:11) cujo número deveria ser completado.

*** A grande tribulação ***: O ancião falou para João que a grande multidão era os salvos saindo da grande tribulação. O conceito de 'grande tribulação' não era novidade para os judeus, e não é visto apenas no Novo Testamento. Podemos ler a respeito disso no Antigo Testamento também, em Daniel * 12:1: “E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. No tempo do fim, os fiéis terão que passar por um período muito difícil. Jesus havia prometido à igreja em Filadélfia que Ele os guardaria de passar por essa hora de tentação (Apocalipse 3:10). Jesus também falou sobre a grande tribulação antes de Sua Segunda Vinda, e disse que seria um tempo “como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver. E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.” (Mateus 24:21-22). Podemos ler mais a respeito desse tempo em Apocalipse 13:11-17 e Apocalipse 15-18. De uma forma similar à história de Nabucodonozor e os 3 amigos de Daniel (Daniel 3">Daniel 3), os poderes liderando o mundo no final dos tempos irão forçar as pessoas a tomarem uma decisão, para que escolham a quem querem servir: aqueles que escolherem não adorar a imagem da besta deverão ser mortos. Mas, por outro lado, a Bíblia nos ensina que as pessoas que escolherem adorar a besta, se tornaram vulneráveis às Sete Últimas Pragas. O conflito final tem repercussões cósmicas. Esse conflito é a tribulação da qual a visão de João mostra a grande multidão saindo. Não podemos passar despercebidos do ponto principal desse texto, que não é a própria grande tribulação, ou quão terrível ela será. O ponto principal é que aqueles que estão ao lado de Deus irão sair dela. Eles serão vitoriosos. Eles irão vencer não por causa de seus próprios esforços, ou próprias forças. A vitória vem porque Jesus irá guiá-los até ela, através de Seu poder divinal e redentor.

*** Lavando e branqueando as vestes no sangue do Cordeiro ***: A segunda característica desse grupo de pessoas é que elas lavaram suas vestes no sangue de Jesus. Seu sangue é o que torna branca as vestes. Jesus havia prometido aos poucos fiéis membros de Sardes, aqueles que não haviam contaminado suas vestes: que eles andariam com Cristo vestidos de branco (Apocalipse 3:4). No estudo #23, falamos sobre como Deus vem vestindo as pessoas através da história, desde Adão e Eva. No momento em que eles se desconectaram da Trindade, Adão e Eva perderam suas vestes especiais que Deus havia feito para eles - feita do tecido eterno de Sua glória. O caráter de uma pessoa reflete aquilo que está em seu coração, e aquilo que é importante para ela. O caráter imaculado que desenvolvemos enquanto estamos na Terra é a única coisa que poderemos levar conosco após sermos fisicamente transformados num piscar de olhos, quando Jesus voltar (1 Coríntios 15:53-54; Mateus 6:19-21). Esse caráter imaculado é a nossa roupa. Como Apocalipse 7:14 sugere, não são os nossos esforços que colocamos em lavar, escovar, e torcer que tornam brancas as nossas vestes. Não somos capazes de branquear as nossas próprias vestes, não importa o quanto nos esforcemos. Somos chamados apenas a trazer nossa túnica até a bacia que contém a solução que pode remover manchas de pecado permanentemente, e torná-la sem máculas: o sangue de Jesus. O sangue do cordeiro pintado na moldura da porta, pouco antes do êxodo, é o que salvou aqueles que acreditaram nas instruções de Deus. O acreditar, obedecer, e confiar, expressados através do sangue na porta, salvaram o Israel literal da última praga e permitiu que o povo fosse livrado dos egípcios. Para o Israel espiritual do tempo do fim, o sacrifício de Cristo é a única maneira de obter salvação (Romanos 5:9-10). Ele substitui nossas deficiências por Sua perfeição, e essa perfeição é o que Ele apresenta a Seu Pai.

*** Eles servem a Deus continuamente ***: À igreja em Filadélfia, Jesus prometeu que Ele tornaria o vencedor em “coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá” (Apocalipse 3:12). Uma coluna é uma estrutura permanente. De uma maneira semelhante, a grande multidão irá servir a Deus em Seu templo, dia e noite. Isso aparenta ser um passo natural, uma vez que o povo de Deus são aqueles a quem Deus fez sacerdotes e reis (Êxodo 19:5-6; 1 Pedro 2:9; Efésios 2:19; Apocalipse 1:6; Apocalipse 5:10; Apocalipse 20:6). O povo de Deus terá um propósito, não somente após a tribulação, mas por toda a eternidade. Os salvos estarão envolvidos em serviços sacerdotais e reais, ao trabalharem de perto com Deus. Não sabemos especificamente todos os detalhes a respeito desse trabalho, mas podemos ter certeza de que será muito importante. Deus é o centro e o ponto de referência para toda a criação, por todo o universo, e os salvos estarão servindo a Deus em Seu templo continuamente.

*** Deus os cobrirá com Sua sombra ***: Essa tradução inclui a expressão “cobrirá com Sua sombra” (Apocalipse 7:15). Uma tradução mais literal seria “Deus irá habitar entre eles”. A palavra grega traduzida como habitar, é a palavra skēnōsei, que significa “morar ou levantar uma tenda, morar em íntima comunhão com Deus, cobrir com seu tabernáculo”. Enquanto eles estavam no deserto, a presença de Deus era sentida através de uma nuvem durante o dia, e uma coluna fogo durante a noite (Êxodo 13:21). Deus prometeu que Ele mesmo seria o abrigo para Seus filhos. Ele seria seu Deus, e eles seriam Seu povo (Ezequiel 37:27). O tabernáculo de Deus seria um local santificado por Sua glória, onde Ele viria conversar com Seus filhos (Êxodo 29:42-43). Ele prometeu aos israelitas: “E habitarei no meio dos filhos de Israel, e lhes serei o seu Deus, E saberão que eu sou o Senhor seu Deus, que os tenho tirado da terra do Egito, para habitar no meio deles. Eu sou o Senhor seu Deus.” (Êxodo 29:45-46). A promessa feita ao Israel antigo continua, e é reestabelecida com o Israel espiritual.

*** Não haverá mais tribulação ***: Apocalipse 7:16 possui 3 elementos principais do sofrimento: fome, sede, e calor insuportável. O texto é claro sobre a natureza temporária dessa tribulação. Aqueles que vencem, e saem da tribulação, já não mais terão que passar por ela outra vez. Fome, sede e calor, tanto no sentido espiritual quanto no literal, irão acabar. As palavras do profeta Isaías nos vêm à mente: “Nunca terão fome, nem sede, nem o calor, nem o sol os afligirá; porque o que se compadece deles os guiará e os levará mansamente aos mananciais das águas.” (Isaías 49:10). E também as palavras do salmista: “O Senhor é o meu pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome. Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.” (Salmo 23)

*** Pão e água da vida ***: O Salmo 23 é uma boa transição para Apocalipse 7:17. O salmo diz que Deus iria preparar uma “mesa perante mim na presença dos meus inimigos”, e que Ele iria me guiar “mansamente a águas tranquilas. Para a igreja em Éfeso, Jesus prometeu que o vencedor iria comer da Árvore da Vida (Apocalipse 2:7). Certa vez, Jesus disse a uma mulher perto de um poço: “Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.” (João 4:14). Jesus também disse a um grupo de judeus que não estava entendendo a natureza divina de Cristo: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo. (João 6:51).

*** Lágrimas não vão mais existir ***: Mais uma vez, um texto de Isaías se encaixa com essa parte de Apocalipse: “Aniquilará a morte para sempre, e assim enxugará o Senhor Deus as lágrimas de todos os rostos, e tirará o opróbrio do seu povo de toda a terra; porque o Senhor o disse. (Isaías 25:8). Isso é exatamente o que Apocalipse 21:3-4 diz: “E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e o mesmo Deus estará com eles, e será o seu Deus. E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” O fato de que Deus habita com Seu povo é a garantia de que Sua proteção sobre a grande multidão é eterna. A grande multidão já não irá mais experimentar dor, tristeza, ou morte. Deus irá enxugar toda a lágrima. Todo o sofrimento vai acabar.

*** Visão Geral ***: A grande multidão é o povo de Deus que saiu da batalha contra o mal. Essa luta começou no Céu (Apocalipse 12:7-9), e vem sendo travada nesse planeta desde o Éden, quando Adão e Eva deram ouvidos à serpente ao invés de obedecerem aos comandos de Deus. No fim, todos que lutaram nessa batalha, e mantiveram seus corações abertos para Deus, se tornarão vencedores diante do Seu trono. Eles continuarão servindo o Senhor, mas estarão vestindo mantos brancos de um caráter imaculado e fortalecido pela glória e justiça divinas. Eles são o povo de Deus. Deus é tudo para Eles. Jesus é o alimento e o abrigo espiritual para o Seu povo. O tempo de tribulação vai acabar quando Cristo retornar para resgatar Seus fiéis. Dor, sofrimento e morte passarão a ser algo do passado. O toque de Deus é pessoal, ao ponto de tomar tempo para enxugar até a última gota de tristeza do rosto de Seus filhos. Com tudo isso em mente, o nosso foco não deverá estar em quão difícil a tribulação será, mas sim no fato de que Deus irá nos tirar dela.

Saturday, 14 January 2017 20:52

48. A grande multidão * Apocalipse 7:9-12

9 Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos;

10 E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro.

11 E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus,

12 Dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém.


*** Depois destas coisas, João olhou ***: Vemos uma repetição de estruturas literárias na maneira como João descreve o que está acontecendo à sua volta. Primeiro ele ouve uma informação, mas quando ele se volta para ver do que se trata, ele descreve a cena de uma maneira diferente.

O que João ouve

O que João vê

Versos

Voz como de trombeta

Jesus caminhando no meio dos candelabros

Apocalipse 1:10-13

Leão da tribo de Judá

Um Cordeiro, como havendo sido morto

Apocalipse 5:5-6

O número dos selados eram 144,000

Uma multidão, a qual ninguém podia contar

Apocalipse 7:4,9

A grande prostituta que está assentada sobre muitas águas

Uma mulher chamada Babilônia, que estava sentada sobre uma besta de cor escarlate

Apocalipse 17:1-5

A esposa do Cordeiro

A cidade santa, Jerusalém

Apocalipse 21:9-12

 

Em Apocalipse 5:5-6, João ouviu que o Leão da tribo de Judá havia chegado, mas quando ele olhou, viu um cordeiro que havia sido morto. Em Apocalipse 7:4, João ouviu o número do povo de Deus que havia sido selado, 144.000, mas quando olhou (verso 9), viu um grupo que ninguém podia contar. À primeira vista, parece que os 144.000 e a grande multidão são dois grupos diferentes de pessoas. Um formado pelas tribos de Israel, e o outro pelas nações do mundo. Mas quando estudamos mais a fundo, podemos ver que eles são, na verdade, o mesmo grupo de pessoas, sendo descritos em períodos de tempo diferentes. A grande multidão está sendo descrita em um momento “depois destas coisas” (verso 9). Isso quer dizer que o período “depois destas coisas” ocorre após João ter ouvido o número 144.000, após o selamento do povo, e após sua organização em formação militar em preparação para a batalha espiritual. Depois que João ouviu essas coisas, ele olhou e viu o que estava acontecendo.

*** Todas as nações, tribos, povos, e línguas ***: Em Apocalipse 7:4, João ouviu que o grupo dos selados era formado por pessoas de todas as tribos de Israel. Mas quando ele olhou (verso 9), ele viu que elas eram de “todas as nações, e tribos, e povos, e línguas”. Isso enfatiza mais ainda a natureza simbólica dos 144.000 como sendo o Israel espiritual que os apóstolos costumavam falar (Gálatas 3:29). A Bíblia não poderia ser mais clara a respeito de quem será salvo. Salvação está disponível para todo mundo. Durante os últimos dias, as diferenças de cultura não vão ser o que irá dividir os fiéis. Sua crença nas verdades de Deus, obediência aos Seus Mandamentos, e sua fé em Jesus será o que vai unir e descrever o povo de Deus (Apocalipse 14:12). Podemos identificar essa grande multidão, ao lermos a letra da música em Apocalipse 5:9-10. A música fala sobre os remidos, que foram comprados para Deus “de toda a tribo, e língua, e povo, e nação”, e que foram feitos reis e sacerdotes para reinarem sobre a Terra.

*** Diante do trono e do Cordeiro, vestidos de branco ***: Essa parte do verso 9 nos fala onde os salvos estarão depois de serem selados, e de verem Cristo retornar. Após o fim da batalha, o exercito de Deus já não mais estará em formação militar, mas sim reunidos como uma grande multidão diante do trono e de Jesus. Naquele momento não haverá mais necessidade de um exército. Eles se encontram diante de Deus, com a roupa branca que Ele havia prometido ao vencedor em Apocalipse 3:5. Podemos ver que esse verso descreve o caminho do vencedor através dos tempos. Aqueles que crerem serão salvos em meio a todo o caos da Terra, que foi mencionado no começo do sexto selo. E sua recompensa será passar tempo precioso com Jesus.

*** Palmas nas suas mãos ***: Em João 12:13, lemos sobre a multidão em Jerusalém, celebrando a chegada de Jesus na cidade. Eles tinham ramos de palmas nas mãos. Durante a Festa dos Tabernáculos, o povo deveria se alegrar diante do Senhor com ramos de palmeiras (Levítico 23:40). Assim como as vestes brancas, os ramos de palmas são símbolo de vitória e comemoração. A grande multidão diante do trono não pode conter seu louvor a Deus. A batalha terminou. Mais uma vez, vemos o comportamento natural que as pessoas apresentam quando estão na presença de Deus. Elas prestam louvores.

*** Salvação ao nosso Deus ***: João descreve os que foram redimidos. Eles estão celebrando a vitória sobre Satanás. Mas eles não tomam para si nenhum crédito nessa conquista. Cristo foi quem os libertou, através do Seu sangue. E da mesma maneira como vimos os seres celestiais fazendo durante a ascensão de Cristo ao trono (Apocalipse 4 e 5), os remidos também entoam louvores a Deus com grande voz. Os remidos não são os únicos louvando a Deus. O Apocalipse 7:11 descreve uma cena familiar. Assim como João fez no começo do livro, os seres celestiais caem aos pés de Jesus, em adoração. Sua música parece ser a mesma cantada em Apocalipse 5:9-14, “Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém.” (Apocalipse 7:12).

***Visão Geral***: Os salvos, que são aqueles que receberam o selo de Deus, foram também contados, mas não de uma maneira humana. Para Deus, o número simbólico 144.000 é um total que ninguém pode contar (Apocalipse 7:9). Cabe somente a Deus saber quando todas as pessoas tiverem tomado sua decisão, e escolhido estar ou não ao lado de Deus. Quando esse “número” for atingido, os dois grupos estarão definidos. Os fiéis serão descritos de uma maneira diferente de como foram descritos no começo do capítulo. Já não serão mais um grupo em formação militar. Eles estarão usando vestes de vitória, celebrando, louvando e adorando diante do trono de Deus. A grande multidão de salvos e de anjos estará adorando a Deus da mesma maneira que os seres celestiais o fizeram quando Cristo retornou ao Céu após Sua ressureição (Apocalipse 4 e 5). Toda honra e glória, todo o mérito pela vitória sobre o mal será dada àquEle que está assentado no trono, e ao Cordeiro. É por causa da glória eterna de Deus, Seu poder, e Sua força que os remidos serão capazes de perseverar até o fim. Os salvos diante do trono poderão estar na presença de Deus porque confiaram em Deus integralmente, e colocaram suas vidas nas mãos do Senhor.

Saturday, 07 January 2017 21:05

47. Os 144.000 * Apocalipse 7:1-8, PARTE 2

1 E depois destas coisas vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma.

2 E vi outro anjo subir do lado do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar,

3 Dizendo: Não danifiqueis a terra, nem o mar, nem as árvores, até que hajamos selado nas suas testas os servos do nosso Deus.

4 E ouvi o número dos selados, e eram cento e quarenta e quatro mil selados, de todas as tribos dos filhos de Israel.

5 Da tribo de Judá, havia doze mil selados; da tribo de Rúbem, doze mil selados; da tribo de Gade, doze mil selados;

6 Da tribo de Aser, doze mil selados; da tribo de Naftali, doze mil selados; da tribo de Manassés, doze mil selados;

7 Da tribo de Simeão, doze mil selados; da tribo de Levi, doze mil selados; da tribo de Issacar, doze mil selados;

8 Da tribo de Zebulom, doze mil selados; da tribo de José, doze mil selados; da tribo de Benjamim, doze mil selados.

 


Parte 2 - Apocalipse 7:4-8


*** João ouviu um número ***: Em Apocalipse 5:5-6, João ouviu alguém falando que o Leão da tribo de Judá havia chegado, mas quando ele se virou, viu um Cordeiro que havia sido morto. Vemos algo semelhante em Apocalipse 7:4 e 9, e em Apocalipse 9:16-17. Em Apocalipse 7:4, João ouviu o número do povo de Deus que havia sido selado, mas quando olhou, ele viu uma grande multidão que ninguém podia contar (Apocalipse 7:9). Em Apocalipse 9:16, ele ouviu o número dos inimigos de Deus. A primeira pergunta que vem à mente, a respeito do número do povo selado é: esse é um número literal, ou simbólico? Ao analisarmos esse número, e os versos restantes, a resposta a essa pergunta irá ficar mais clara. Mas antes de fazermos isso, vamos checar o número dos inimigos de Deus, e ver em que contexto ele foi dado. Os inimigos, em Apocalipse 9:16-17, foram descritos como uma exército de cavaleiros. Os cavalos tinham cabeças de leões; fogo, fumaça, e enxofre saiam de suas bocas; e eles tinham caudas como uma serpente (Apocalipse 9:17,19). O exército de 200.000.000 de Apocalipse 9, é claramente uma representação simbólica de um grupo de pessoas envolvidas na batalha contra a adoração ao verdadeiro Deus. Esse exército luta contra a verdade de Deus. Como o povo selado de Deus é imune aos ataques contra a verdade, e não podem ser enganados com falsos ensinamentos, as fatalidades espirituais acontecem apenas sobre aqueles que não possuem o selo de Deus na testa. O exército inimigo não se arrependeu de adorar demônios e ídolos, ou de viver uma vida de pecado (Apocalipse 9:20-21). O padrão visto nesses versos é: João ouviu o número do exército inimigo, e então descreveu esse exército usando linguagem simbólica.

*** 144.000 ***: Esse era o número de pessoas seladas pelo Espírito Santo. Eles eram todos das tribos de Israel. Apocalipse 7:5-8 menciona um total de 12 tribos, e cada tribo tinha 12.000 selados. Para visualizarmos melhor o número 144.000, vamos fazer uma representação matemática: 12 x 12.000 = 144.000. Podemos ir além, e representar o número 12.000 como 12 x 1000. Com isso, a nossa equação matemática passa a ser 12 x 12 x 1000 = 144.000. Assim, fica mais fácil ver a ênfase dada ao número 12 e ao número 1000.

- 12: O número 12 é um número que aparece tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, e está sempre ligado ao povo de Deus. A Bíblia menciona 12 patriarcas de Sete até Noé, 12 patriarcas de Cem até Jacó, 12 tribos de Israel, 12 espias enviados à Terra prometida, 12 juízes (de Otoniel até Samuel), 12 discípulos, 12 portões na Nova Jerusalém que tem o nome das 12 tribos, e 12 fundações que têm os nomes dos 12 apóstolos. Efésios 2:20 também menciona que a igreja de Deus é edificada sobre o fundamento dos 12 apóstolos e dos profetas, com Cristo sendo a pedra fundamental. Diante disso, vemos que o número 12 representa a igreja. Então, podemos entender a expressão matemática 12 X 12 como sendo a total representação do povo de Deus através da história, desde o Antigo Testamento, passando pelo Novo Testamento, e indo até o fim dos tempos.

- 1000: O texto em Números 31:1-6 nos oferece um contexto importante para podermos entender o cenário descrito em Apocalipse. Ao entrar numa batalha, os Israelitas deveriam estar organizados em grupos de 1000 de cada tribo, para um total de 12,000. Essa formação era conhecida como os milhares de Israel (Números 1:16; Números 10:4; Josué 22:14, 21; 1 Samuel 8:12">1 Samuel 8:12; 1 Samuel 10:19">1 Samuel 10:19; 1 Samuel 18:13">1 Samuel 18:13; 1 Samuel 23:23">1 Samuel 23:23; Miquéias 5:2). Os ‘milhares de Israel' era o termo usado para se referir ao exército israelita. Essa referência militar dos 144,000 encaixa com o padrão que vimos na descrição do exército inimigo, em Apocalipse 9:16. João ouviu o número do povo selado (Apocalipse 7:4), e em seguida descreveu, em linguagem simbólica, o batalhão de Deus que estava pronto para guerra (Apocalipse 7:5-8).

*** As tribos de Israel ***: Os versos 5-8 trazem uma lista das tribos de Israel. Trata-se de uma lista única. É diferente das listas encontradas no Antigo Testamento. Vamos comparar essas listas:

Gênesis 49:1-28

Números 1:5-15

Ezequiel 48:1-29

Apocalipse 7:5-8

Rúben

Rúben

Judá

Simeão

Simeão

Aser

Rúben

Levi

Judá

Naftali

Gade

Judá

Issacar

Manassés

Aser

Zebulom

Zebulom

Efraim

Naftali

Issacar

Efraim

Rúben

Manassés

Manassés

Judá

Simeão

Gade

Benjamim

Benjamim

Levi

Aser

Simeão

Issacar

Naftali

Aser

Issacar

Zebulom

José

Gade

Zebulom

José

Benjamim

Naftali

Gade

Benjamim

 

- Em Gênesis: vemos a lista dos filhos de Jacó, na ordem de nascimento.

- Em Números: essa lista mostra as 12 tribos como eram nos tempos de Moisés, enquanto viajavam pelo deserto. A tribo de Levi não é incluída, porque os Levitas tinham a responsabilidade do sacerdócio. De uma certa maneira, eles eram a 13a tribo, da mesma forma que Cristo era a 13a pessoa com os discípulos. Os Levitas não deveriam receber uma herança de território (Deuteronômio 10:8, 9; Deuteronômio 18:1), e também não eram para ser contados entre os Israelitas (Números 1:49). Essa lista omite a tribo de José, mas em seu lugar, inclui seus dois filhos (Manassés e Efraim). Como o filho favorito, José recebeu uma porção dobrada da herança através de seus filhos, quando Jacó adotou os filhos de José como seus próprios (Gênesis 48:5).

- Em Ezequiel: essa lista mostra como eles deveriam dividir as terras entre as tribos. A lista é a mesma que aparece em Números, com a única diferença da ordem em que os nomes aparecem.

- Em Apocalipse: essa lista traz de volta a tribo de José e a tribo de Levi. A tribo de um dos filhos de José foi removida (Efraim), e a tribo de Dã também foi eliminada da lista. José ainda tem sua porção dobrada, uma vez que ela inclui o nome do próprio José, e de seu filho Manassés. A tribo de Judá é colocada em primeiro lugar, provavelmente porque essa é a tribo da linhagem de Jesus. Cristo é chamado de Leão da tribo de Judá em Apocalipse 5:5. Os nomes de Efraim e Dã foram removidos da lista de Apocalipse possivelmente porque suas tribos eram apóstatas. Uma vez que o número 144.000 é a representação do povo que não se contaminou com falsos ensinamentos religiosos (Apocalipse 14:4), essa lista não poderia incluir esses dois nomes. A tribo de Dã fez para si imagens de escultura (Juízes 18:30), e se tornou um centro de idolatria (1 Reis 12:29-31; 2 Reis 10:29, Jeremias 8:4-17). O próprio Jacó se referiu a Dã como sendo uma serpente (Genesis 49:17">Genesis 49:17). A tribo de Efraim também se tornou um símbolo da idolatria e apostasias do povo (Oséias 4:17; Oséias 8:9-11; Oséias 12:1). No Salmo 78:9-10, lemos a respeito de como Efraim não foi fiel ao concerto que Israel tinha com Deus. A tribo de Efraim eventualmente se juntou ao lado inimigo (Isaías 7:2-9).

*** Literal ou simbólico? ***: Ao olharmos para as listas das 12 tribos, podemos ver que a de Apocalipse não segue a ordem de nascimento dos filhos de Jacó, ou a ordem tribal do Israel do tempo e Moisés. Apenas inclui as tribos que o Antigo Testamento não considera como sendo permanentemente contra a Palavra de Deus. Deixou de fora as tribos apóstatas de Dã é Efraim. Logo no início da lista de Apocalipse, podemos ver que não se trata de uma representação literal das tribos originais, se não ela deveria começar com a tribo de Rúben, o primogênito. Outra coisa a se considerar, é que com a conquista dos Assírios, a maioria das tribos desapareceram. Dez tribos formavam o reino israelita do norte. Com os ataques dos Assírios, as tribos do norte foram todas destruídas ou assimiladas a outras culturas, por volta do 8o século A.C. (2 Reis 17:5-23). Seus descendentes eram os Samaritanos, os quais os judeus desprezavam por não serem mais israelitas de puro sangue. Eles haviam se misturado tanto, casando-se entre si e com pessoas de outras nações, que já não era mais possível definir com clareza uma linhagem tribal. No tempo de João, as 13 tribos já não existiam da mesma forma como no tempo de Moisés. O apóstolo Paulo escreveu sobre como os seguidores de Cristo passaram a ser o Israel espiritual (Romanos 2:28-29; Romanos 9:6-8; Gálatas 3:29; Gálatas 6:16; Tiago 1:1), e sobre como eles irão receber todas as promessas feitas ao Israel literal.

*** Significado do Israel simbólico ***: Gálatas 3:29 diz: "E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa." Em outras palavras, aqueles que pertencem à Cristo são israelitas, não de nascença, mas por que nasceram de novo. Renascer na fé de Jesus Cristo, como Salvador, nos dá uma nova linhagem. Recebemos uma nova documentação. Deus mudou o nome de Jacó para Israel após Jacó ter lutado com Deus (Gênesis 32:22-32). Seu nome mudou de Jacó para Israel. O nome Israel significa: “como príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste.” (Gênesis 32:28). De uma certa maneira, o nome Israel está relacionado com 'aquele que vence', sobre o qual temos estudado desde as Sete Igrejas. Nos tempos bíblicos, os nomes traziam um significado importante. E da mesma forma, podemos ver essa importância na lista de nomes em Apocalipse. O evangelista Doug Batchelor, em seus estudos de Apocalipse, sugere que a ordem da lista de Apocalipse faz muito sentido quando consideramos o significado de cada nome.

1. Judá = “Louvarei ao Senhor” (Gênesis 29:35)
2. Rúben = “Porque o Senhor atendeu à minha aflição” (Gênesis 29:32)
3. Gade = “Afortunada” (Gênesis 30:11)
4. Aser = “Feliz eu sou” (Gênesis 30:13)
5. Naftali = “Com grandes lutas tenho lutado” (Gênesis 30:8)
6. Manassés = “Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho” (Gênesis 41:51)
7. Simeão = “O Senhor ouviu que eu era desprezada” (Gênesis 29:33)
8. Levi = “se unirá meu marido a mim” (Gênesis 29:34)
9. Issacar = “Deus me tem dado o meu galardão” (Gênesis 30:18)
10. Zebulom = “Deus me deu uma boa dádiva; desta vez morará o meu marido comigo” (Gênesis 30:20)
11. José = “Que o Senhor me acrescente” (Gênesis 30:24)
12. Benjamim = “Filho do lado direito” - Do hebraico Binyamin. “Bin” significa ‘Filho’ e “Yamin” significa ‘do lado direito’ (Jacó mudou o nome para Benjamim após seu nascimento, Gênesis 35:18).

Bachelor sugere que a ordem dessa lista em Apocalipse descreve a condição dos 144.000. Essa lista conta a história de salvação vivida pela igreja, a noiva de Cristo: “Louvarei ao Senhor porque o Senhor atendeu à minha aflição. Afortunada e feliz eu sou. Com grandes lutas tenho lutado, mas Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho. O Senhor ouviu que eu era desprezada. E se unirá meu marido a mim. Deus me tem dado o meu galardão. Deus me deu uma boa dádiva; desta vez morará o meu marido comigo. Que o Senhor me acrescente Seu Filho do lado direito.”

*** Mais a respeito dos 144.000 ***: O texto em Apocalipse 14:1-5 nos dá mais alguns detalhes sobre os 144.000 que complementa o que aprendemos até agora. O texto diz que eles foram “comprados da Terra” (Apocalipse 14:3). Aqui temos a clara confirmação de onde esse grupo é encontrado. Eles estão na Terra, e não no céu. Continuando a leitura dos versos de Apocalipse 14:4-5, vemos: "Estes são os que não estão contaminados com mulheres; porque são virgens. Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro. E na sua boca não se achou engano; porque são irrepreensíveis diante do trono de Deus.” Em analogias bíblicas, tanto no Antigo quanto no Novo Testamentos, o conceito de ‘mulher’ é usado para se referir à igreja (estudo #20). O trecho “contaminados com mulheres; porque são virgens” pode ser entendido ao termos em mente a comparação feita pelo próprio Jesus, sobre Sua vinda sendo uma festa de casamento, onde Sua noiva (a igreja) está adornada e pronta para se unir para sempre ao seu Noivo. Os 144.000 são a igreja pura que não foi enganada com falsos ensinamentos, e que possuem a pura mensagem de Deus. Isso não quer dizer que esse grupo nunca pecou antes. No Israel antigo, todas as tribos transgrediram a lei de Deus em algum ponto, e foram consideradas infiéis. Mas Deus nunca parou de trabalhar com eles, e quando Israel se tornava obediente aos Seus mandamentos, Deus chamava o povo de mulher fiel e pura (Isaías 54:5-6; Ezequiel 16:8-14; Oséias 2:14-23; Amós 5:2).

*** Visão Geral ***: Os 144.000 são um grupo real de pessoas. Eles são os seguidores de Cristo (Apocalipse 14:4). Mas a contagem literal desse povo não parece ser o ponto principal da mensagem, porque, na verdade, João não pode contar exatamente quantas pessoas estavam entre os salvos (Apocalipse 7:9). O número 144,000 funciona mais como uma descrição de trabalho dos fiéis. Mas será que são eles os que estarão vivos no fim dos tempos? Ou será que os 144.000 são os fiéis de todos os tempos da história? A resposta é sim para ambas as perguntas. Deus tem sempre Seu exército pronto, em todas as fases da história humana. Assim como os inimigos de Deus são descritos como sendo um exército, o povo de Deus também é descrito como os milhares de Israel, organizados em formação militar. O Seu povo vem lutando uma guerra espiritual. Essa batalha envolve a escolha que as pessoas precisam fazer sobre quem elas irão prestar louvor e adoração. Essa é ainda a mesma batalha que começou no Céu, e que passou para a Terra quando a serpente levantou falsas acusações contra Deus. Adão e Eva decidiram acreditar nessas mentiras. Mas Deus ofereceu a eles uma solução para o problema. Os 144.000 são aqueles que acreditam na solução de Deus: eles acreditam naquele que Deus enviou: o Redentor Jesus Cristo.

   
Real time web analytics, Heat map tracking
© Hello-Bible 2016