Saturday, 07 May 2016 00:11

12. Cartas que seguem um modelo * Apocalipse 2 e 3

Written by

As sete cartas foram escritas de uma maneira organizada, seguindo um padrão específico. Cada uma delas tem 6 partes:

- Destinatário
- Remetente
- Avaliação
- Apelo
- Chamado para ouvir o Espírito
- Promessa para o vencedor

*** Destinatário ***: As cartas começam com a frase "Ao anjo da igreja em __________”. No estudo #9, vimos que Jesus tinha as sete estrelas em sua mão direita (Apocalipse 1:16), e que as sete estrelas eram os sete anjos (lideres) das sete igrejas (Apocalipse 1:20). Cada carta foi endereçada ao líder de cada igreja. O líder da igreja é provavelmente "aquele que lê” (Apocalipse 1:3) a mensagem para os membros.

*** Remetente ***: Jesus é o remetente. Essa parte começa com “Assim diz”, ou “Isto diz”, que nos lembra os oráculos do Antigo Testamento (alguns exemplos: Jeremias 34:2; Ezequiel 11:5; Zacarias 1:3; Naum 1:12; Isaías 37:6; 2 Samuel * 7:8). Nas cartas às igrejas, Ele se apresenta com uma ou mais características descritas na cena em que Ele está caminhando entre os sete candelabros. Essa descrição é essencial para ajudar a igreja superar a situação em que se encontra. Jesus vem para suprir a necessidade particular de cada igreja. Para uma, ele vem com Sua espada de dois gumes; para outra, Ele vem com Seus olhos em chamas. Ele vem com as características exatas para atender cada igreja de acordo com o que ela precisa.

*** Avaliação ***: Cristo expressa Sua opinião sobre o estado em que a igreja se encontra. Jesus começa dizendo “Conheço”. Ele sabe exatamente a condição de cada igreja porque Ele caminha entre as igrejas. Ele as conhece por dentro e por fora. Ele então menciona coisas positivas, negativas, ou neutras a respeito de cada uma. Algumas avaliações contém também um alerta, ou uma promessa. De qualquer forma, Jesus sempre traz à tona tópicos relevantes, contendo múltiplos significados históricos e espirituais, que vão além de qualquer avaliação humana.

*** Apelo ***: Nessa parte da carta, Jesus está estendendo Sua amorosa e misericordiosa mão sobre os membros de Sua igreja, e mostrando a eles o que fazer e o que não fazer para que venham a superar suas adversidades. O apelo mostra às igrejas que elas ainda têm uma chance de salvação. Ainda que algumas estejam sofrendo do mesmo problema em graus diferentes, o caminho a ser tomado não as leva de volta à igreja que tem o problema em menor intensidade. Elas não vão encontrar a salvação se tomarem o mesmo caminho de volta para o estágio anterior. Cada uma das igrejas têm um caminho novo que as leva até Jesus.

*** Chamado para ouvir o Espírito ***: Esse trecho é igual em todas as cartas: "Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”. A tradução mais precisa do grego, no começo dessa frase, seria: “Aquele que tem ouvido”. Essa não era uma expressão nova para Jesus. Em várias ocasiões, Jesus terminou seus ensinamentos com a frase “Quem tem ouvidos, ouça" (Mateus 11:15; Mateus 13:9, 43; Marcos 4:9, 23; Lucas 8:8, Lucas 14:35). O importante é que Jesus está chamando a todos para ouvir Seu apelo, e a se voltarem pra Ele. O que Ele está falando vem do Espírito Santo, que é a mensagem que O Espírito continua a enviar a todas as igrejas através da história. A mensagem e o 'chamado para ouvir’ não são apenas para uma igreja específica, porque o que o Espírito está dizendo é para ser ouvido pelas igrejas (plural). Esse é um chamado universal, e uma mensagem universal.

*** Promessa para o vencedor ***: A última parte da carta começa com “Ao vencedor”. Algumas versões dizem “Ao que vencer”. Jesus tem uma promessa especial para aquele que ouvir o chamado para seguir Seu apelo.

Nas últimas 4 cartas, a ordem das partes “chamado para ouvir o Espírito” e “promessa para o vencedor” está invertida. Mas todos os elementos estão presentes em todas as cartas.

Quando estudamos essas igrejas, podemos ver os paralelos e a conexão entre todas elas. O Dr. Stefanovic sugere que as igrejas estão posicionadas como as lâmpadas do menorat. Onde a primeira lâmpada se comunica com a última; a segunda com a sexta; a terceira com a quinta; e a quarta lâmpada se encontra no meio, sendo o ponto de divisão entre todas as outras.

A primeira e a última igreja (Éfeso e Laodicéia) refletem o começo e o fim do mesmo problema: perda do puro primeiro amor. Amor é um sentimento forte, assim como o ódio. O oposto da falta de amor é então a falta de sentimento. E portanto, o oposto dessa falta de amor é indiferença. Éfeso se apresenta com os primeiros sintomas da falta de amor. O problema está tão avançado em Laodicéia que a igreja se tornou morna, e nem mesmo está ciente da péssima condição em que se encontra (Apocalipse 3:17).

A segunda e sexta igrejas (Esmirna e Filadélfia) são igrejas fiéis. Jesus não diz nada negativo a respeito delas. Elas são chamadas a manter a fé que já possuem. As duas sofrem oposição daqueles “que se dizem Judeus, mas não são, são a sinagoga de Satanás” (Apocalipse 2:9; Apocalipse 3:9).

A terceira e a quinta igrejas (Pérgamo e Sardes) refletem a situação onde ensinamentos falsos entraram na igreja. Pérgamo não tolera essa situação, mas alguns membros defendem falsos ensinamentos. Sardes é uma igreja morta, onde os falsos ensinamentos não a incomoda mais. A maioria dos membros da igreja está correndo risco de ser pega de surpresa na Segunda Vinda. Os poucos em Sardes que não se contaminaram com as falsas doutrinas já estão preparados, e considerados dignos de caminharem com Cristo. Jesus alerta a igreja a se afastar dos falsos ensinamentos, e chama a todos a se lembrarem de como inicialmente “receberam, ouviram, e guardaram” a mensagem verdadeira (Apocalipse 3:3).

A quarta igreja (Tiatara) é a igreja do meio. É uma igreja dividida. Tudo é dito em pares. Ela se encontra entre a terceira e quinta igrejas, e é bastante tolerante aos falsos ensinamentos, mas ainda se interessa em ter boas obras. Essa é a carta mais longa de todas as sete, e lida firmemente com o problema da divisão dentro da igreja ligado a doutrina. A recompensa final será dada de acordo com o tipo de obras que os membros estão envolvidos: obras de Deus versus obras das quais eles precisam se arrepender (Apocalipse 3:22-23; Apocalipse 3:26).

*** Visão geral ***: Nas cartas ás Sete Igrejas, Jesus se apresenta a elas de uma maneira significativa e personalizada. Nenhuma igreja recebe todas as características do “Jesus completo”. As necessidades de cada igreja são diferentes, e Ele vem para suprir cada necessidade específica. Ao olharmos para essas cartas, podemos ver que o que Jesus está mostrando é muito relevante para nós nos dias de hoje. Quando paramos de praticar o Amor de Deus, embarcamos em um caminho que leva direto à completa indiferença à verdade divina. O amor ao “próprio eu” cresce, e como consequência “o próprio eu” começa a redefinir a verdade de acordo com objetivos pessoais. Felizmente nós servimos a um Deus amoroso, que quer nos assegurar que Ele é o Criador, e que Ele pode nos recriar, para que um dia possamos estar com Ele, e nos assentarmos com Ele em Seu trono. Nada é impossível para Cristo. Nada pode impedi-lo de salvar os seus remanescentes. Nem mesmo uma igreja morta, ou uma igreja auto-suficiente e indiferente. O caminho daquele que vence é um caminho reto, que leva direto para Jesus.

Resumo das Sete Igrejas - Clique aqui para ver

   
Real time web analytics, Heat map tracking
© Hello-Bible 2016